Seguidores

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Aço e o Japão: houve uma época...

Aço e o Japão: houve uma época...
Houve uma época que o Japão era um dos maiores produtores de aço do mundo e que o Brasil era o seu maior fornecedor. Foi nessa época que a Vale se estabeleceu como uma grande mineradora e exportadora de minério de ferro.
Essa época passou e hoje, para comparação, a China produziu em 2013, nada mais nada menos do que, sete vezes mais aço do que o Japão. Em 2013 o mundo todo produziu 1,6 bilhões de toneladas de aço e a China, a maior produtora, foi responsável por 48% desse montante. Foram 780 milhões de toneladas de aço produzidos em 2013, 7,2% acima da produção de 2012.
Números maiúsculos que mostram que a revolução chinesa continua em andamento.
O Chairman da Sumitomo Metal Corp  Shoji Muneoka diz que a China está aumentando a sua produção acima da demanda mundial. Enquanto isso o Japão está paralisado em 100 milhões de toneladas de aço nos últimos 20 anos uma evidente prova de que a economia japonesa já estabilizou.
Mas nem tudo está perdido na indústria do aço japonês. Apesar de uma produção equivalente a 7% do mercado mundial o aço japonês tem vantagens competitivas pela qualidade e por produtos com grande valor agregado. Essa diferença compensa, parcialmente, o não crescimento da indústria.
Os japoneses encontraram nichos onde eles tem pouca competição. Eles estão concentrando em placas de ferro especiais para a indústria automobilística e criando novas plantas na Tailândia e México, além de expandir algumas plantas antigas como a Yawata Works no Japão. É devido a essa vantagem competitiva, dentro de um nicho de mercado, que os japoneses acreditam estar livres da competição das siderúrgicas chinesas nos próximos 5 anos, afirma o Presidente da Kobe Steel Hiroya Kawasaki.
Nós achamos que o Sr. Kawasaki está um pouco otimista demais quando o assunto é aço e China. Os chineses já mostraram inúmeras vezes, que eles, quando querem, podem mudar e quebrar todos os paradigmas. Vamos aguardar.
Foto: wudli

Nenhum comentário:

Postar um comentário