Seguidores

sábado, 29 de março de 2014

Europeus podem ser salvos pelo folhelho americano

Europeus podem ser salvos pelo folhelho americano
Uma das maiores ameaça que paira sobre a Europa é a possível paralisação do suprimento de gás natural da Rússia. Os gasodutos russos passam pela Ucrânia e poderão ser simplesmente, fechados caso os russos assim o queiram.
Este foi um ponto de suma importância, que os líderes europeus debateram ontem com o Presidente Obama em Bruxelas: a Europa tem 25% do seu gás importado da estatal russa Gazprom.
O que os líderes pedem é que os Estados Unidos facilitem a obtenção de licenças de exportação do gás liquefeito dos folhelhos americanos por empresas europeias. Esse poderia ser um grande passo na direção de uma zona de comércio livre entre os Estados Unidos e a Europa.
É uma interessante reviravolta no assunto, pois, até pouco tempo atrás, os americanos estavam sob o fogo cerrado de organizações europeias que debatiam o uso do fracking na exploração dos folhelhos americanos. Parece que este ponto vai ser convenientemente esquecido, agora que o velho continente se vê ameaçado pela falta do gás russo.
Muito possivelmente os europeus começarão, também, a explorar as suas reservas de folhelhos em busca de novas fontes de gás natural já que a crise da Criméia foi um “despertar” segundo o Primeiro Ministro Inglês David Cameron.

Uma das maiores ameaça que paira sobre a Europa é a possível paralisação do suprimento de gás natural da Rússia. Os gasodutos russos passam pela Ucrânia e poderão ser simplesmente, fechados caso os russos assim o queiram.
Este foi um ponto de suma importância, que os líderes europeus debateram ontem com o Presidente Obama em Bruxelas: a Europa tem 25% do seu gás importado da estatal russa Gazprom.
O que os líderes pedem é que os Estados Unidos facilitem a obtenção de licenças de exportação do gás liquefeito dos folhelhos americanos por empresas europeias. Esse poderia ser um grande passo na direção de uma zona de comércio livre entre os Estados Unidos e a Europa.
É uma interessante reviravolta no assunto, pois, até pouco tempo atrás, os americanos estavam sob o fogo cerrado de organizações europeias que debatiam o uso do fracking na exploração dos folhelhos americanos. Parece que este ponto vai ser convenientemente esquecido, agora que o velho continente se vê ameaçado pela falta do gás russo.
Muito possivelmente os europeus começarão, também, a explorar as suas reservas de folhelhos em busca de novas fontes de gás natural já que a crise da Criméia foi um “despertar” segundo o Primeiro Ministro Inglês David Cameron.

Nenhum comentário:

Postar um comentário