Seguidores

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

batalha de vida ou morte para mineradores de minério de ferro chineses já começou

A batalha de vida ou morte para mineradores de minério de ferro chineses já começou




A grande maioria das minas de minério de ferro chinesas estão, rapidamente, se tornando obsoletas e antieconômicas. Segundo analistas locais, como Komesaroff,  os custos médios estão acima de US$105/t, atingindo US$125/t (veja o gráfico.

Como competir com gigantes como a Vale e a Rio Tinto que colocam seus produtos em portos chineses com custos abaixo de US$40/t?

É óbvio que essas minas, todas, estão fadadas ao insucesso. Não é o desaquecimento chinês que está causando esse desequilíbrio. Os chineses continuam produzindo mais aço em 2014 do que em 2013, um crescimento acima de 5% e a demanda para minério importado cresceu 15% em 2014.

O que mata essas minas é o excesso de oferta, artificialmente criado pela trinca das gigamineradoras,  a Vale, a Rio e a BHP. É essa oferta que está derrubando os preços, que já estão cotados abaixo de US$90/t.

Esta estratégia, como já discutida amplamente pelo Portal do Geólogo visa, exclusivamente, acabar com as minas dos concorrentes. É a guerra do minério de ferro em ação.

Ironicamente as expectativas do mercado é que os preços deverão voltar a subir aos patamares de US$120/t assim que as minas chinesas e outras de alto custo, deixarem de existir.

É isso que o governo chinês quer evitar quando idealizou o megaconglomerado liderado pela Ansteel, que objetiva comprar minas competitivas em qualquer lugar do mundo para suprir, no mínimo, 50% do minério de ferro que é produzido hoje na China.

A Ansteel vai produzir, no mínimo, 440 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. Esta será a resposta chinesa às investidas da trinca.

Conseguirão os chineses alcançar as suas metas? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário