Seguidores

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Vanuato, um pequeno arquipélago



Vanuato, um pequeno arquipélago a nordeste da Austrália, se tornou o foco da mídia especializada mundial pelos seus interessantes jazimentos de sulfetos maciços  no fundo oceânico.

As jazidas estão associadas a chaminés hidrotermais vulcânicas e apresentam teores econômicos de cobre, ouro, prata e zinco.

As pesquisas submarinas nesta região estão entre as mais avançadas do mundo. Já foram concedidas mais de 300 concessões em ilhas como as Salomão, Vanuato e Tonga.

O possível impacto econômico destes jazimentos no pequeno país pode ser gigantesco.

Vanuato tem somente 267.000 habitantes e um PIB de US$1,2 bilhões, mas isso não fez o Chefe do Conselho Nacional  de Chefes, Jean Pierre Tom, aprovar a lavra submarina de imediato.

Jean Pierre vai, antes de qualquer coisa, ouvir a população das ilhas. A primeira consulta popular será feita ainda nas primeiras semanas de novembro. Os demais chefes se reservam o direito de permanecer em silêncio. 

The Cullinan, o maior diamante descoberto pelo homem

The Cullinan, o maior diamante descoberto pelo homem


Você já pensou em descobrir um diamante de grande porte? Mesmo para mineradores e garimpeiros experientes essa experiência é rara.

No entanto, no dia 26 de janeiro de 1905, o superintendente da mina Premier, na África do Sul foi surpreendido por um brilho no meio do kimberlito a 6 metros de profundidade. Frederick Wells (foto) não acreditou. A pedra que emitia o brilho era grande demais para ser verdade.

Estava descoberto o Cullinan um diamante de 3.106 quilates que até hoje é a maior pedra não lapidada encontrada no nosso planeta.

Desde então a mina de Premier processou centenas de milhões de toneladas e nenhuma pedra do tamanho do Cullinan foi encontrada.

Na foto é possível ver que o diamante não é um octaedro perfeito e que, pelo menos, um terço dele deve ter se quebrado...

A pedra foi comprada pelo Governo do Traansvaal por 150.000 libras e doada ao Rei Edward VII em 1907.

O diamante foi cortado (essa é uma outra história) e nove pedras grandes, totalizando 1.050 quilates, foram efetivamente lapidadas. No processo todo ainda foram recuperadas 96 brilhantes menores.

As duas maiores pedras (530,2 e 317,4 quilates) encontram-se ainda hoje, na Coroa Real Britânica. 

Minas-Rio: finalmente o primeiro embarque

Minas-Rio: finalmente o primeiro embarque



Após um longo período de atrasos, de idas e vindas, a Anglo American efetuou hoje o primeiro embarque de minério de ferro do projeto Minas- Rio.

Minas-Rio é o controvertido projeto, vendido por Eike Batista para a Anglo, por mais de cinco bilhões de dólares. Desde então a Anglo investiu bem mais de US$2,3 bilhões. Ainda não foi divulgado o all-in sustaining cost do projeto que, segundo muitos, torna o projeto marginal nos preços atuais... Se isso for verdade o Minas-Rio corre um sério risco de ser paralisado ao longo de 2015.

O embarque foi feito no Porto de Açu de propriedade da Anglo e da Prumo Logística (ex-Eike Batista).

A Anglo deverá pagar um total de US$7,23 por tonelada embarcada ao longo de 25 anos da mina.

O minério tem o destino final na China.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Megainvestidor diz à Bloomberg que Petrobras é um “golpe, não uma ação”

Megainvestidor diz à Bloomberg que Petrobras é um “golpe, não uma ação”




O  megainvestidor Jim Chanos volta ao ataque e, sem a menor cerimônia diz que a Petrobras é um golpe, não uma ação.

A entrevistadora  Stephanie Ruhle da Bloomberg pergunta se ele acredita que a empresa havia “enganado” os investidores no IPO de 2010 e Chanos, mais uma vez, responde que sim.

Ele diz que a Petrobras apresentou tabelas muito otimistas que levaram os investidores a ver uma empresa diferente. Chanos fala, também, que a petroleira tem que pegar dinheiro emprestado, em torno de US$20 bilhões por ano, para mostrar essa imagem vencedora e conseguir pagar os dividendos. 

Segundo ele apesar do crescimento da produção do pré-sal a produção total da Petrobras não vem crescendo e que a produção deveria dobrar só para pagar a imensa dívida contraída e o seu custo.

Para piorar o americano termina dizendo que mesmo se Aécio Neves ganhar a situação vai ser difícil, mas se Dilma ganhar vai ficar muito pior.

Jim Chanos é o principal executivo de um grande fundo e o presidente da Kynikos Associates uma consultoria de investimentos especializada em short selling.

Independente se este Chanos estiver certo ou não o fato que preocupa é o enorme estrago que o Governo conseguiu fazer nas finanças e na imagem de nossa maior empresa, a Petrobras. Temos que lembrar que entrevistas como estas são vistas por milhões de possíveis investidores, não só da Petrobras, que não mais vão querer investir em um Brasil manchado pela incompetência e corrupção.

Finalmente! O primeiro kimberlito brasileiro vai entrar em produção

Finalmente! O primeiro kimberlito brasileiro vai entrar em produção




A canadense Majescor Resources informa que o Projeto Braúna, para a extração de diamantes do kimberlito Braúna 3, recebeu a licença para a construção.

Quando em produção o kimberlito Braúna 3 será a primeira mina de diamante primário em rocha kimberlítica do Brasil.

O Brasil tem mais de 1.500 kimberlitos descobertos ao longo de muitas décadas pela De Beers, Rio Tinto, Octa Mineração, D10 e Vaaldiam. Muitos desses pipes são diamantíferos. No entanto, graças a crise de 2008 nenhum projeto foi promovido à mina.

O kimberlito Braúna , localizado em Nordestina na Bahia, é um dos 22 kimberlitos descobertos pela De Beers há várias décadas.

A mina será a céu aberto e irá produzir 360.000 quilates por ano. Os diamantes do Braúna são de alta qualidade com um preço médio de US$338 por quilate.

Onde estão as megadescobertas da pesquisa mineral?

Onde estão as megadescobertas da pesquisa mineral?




Um dos efeitos da crise e da queda dos preços dos metais básicos é o consequente desinvestimento no setor da pesquisa mineral.

As junior companies reduziram os seus orçamentos para a pesquisa mineral (veja gráfico) na mesma proporção da queda dos preços.

Mais ainda, as juniors, que são responsáveis pela maioria das descobertas minerais no mundo, estão sendo forçadas a mudar a estratégia de curto e médio prazo. Coagidas pelo mercado, estão focando na produção como uma alternativa viável para a sobrevivência.

Aquela junior que ainda não está em produção terá grandes dificuldades para conseguir financiamentos, já que os investidores, cautelosos, estão apostando somente naquelas mineradoras capazes de criar um fluxo de caixa próprio.

Esta tendência gera um fato novo que vai impactar as descobertas e os mercados mundiais no médio-longo prazo: a não descoberta das grandes jazidas minerais.

As megadescobertas normalmente ocorrem em regiões pouco exploradas e durante grandes projetos de pesquisa mineral: os grassroots que, no momento são praticamente inexistentes.

No cenário atual as junior companies, acossadas pela falta de financiamento, são obrigadas a se concentrar na lavra e na pesquisa mineral em torno das jazidas conhecidas.

É a pesquisa mineral chamada de “brownfields exploration” cujas chances de sucesso são bem maiores mas que raramente geram grandes descobertas.

Esta solução, que parece fazer sentido, vai causar uma enorme deficiência no futuro: os programas de pesquisa mineral de longo prazo, os chamados greenfields, ou grassroots, já desapareceram e com eles as perspectivas das grandes descobertas minerais.

Esse fenômeno vai gerar, no médio prazo, uma menor oferta de vários metais, graças ao fechamento das minas antigas e a não substituição dessas pelas novas grandes descobertas.

Será a inflexão da curva de preços do gráfico e o início de um novo ciclo, que segundo acreditamos não está tão longe...

Prepare-se!

Diamante incolor perfeito é leiloado por mais de R$ 50 mi

Diamante incolor perfeito é leiloado por mais de R$ 50 mi

Pedra batizada como Perfeição Absoluta é de incomparável transparência, forma perfeitamente simétrica e sem defeitos

Diamante leiolado por U$26,7 milhões em Genebra
Diamante leiolado por U$26,7 milhões em Genebra (Fabrice Coffrini/AFP/VEJA)
Um diamante de 101,73 quilates batizado como Perfeição Absoluta foi vendido nesta quarta-feira por 26,7 milhões de dólares (mais de 50 milhões de reais) em um leilão organizado pela casa Christie's em Genebra, na Suíça.
Foi a primeira grande compra da empresa de diamantes Harry Winston, desde que ela foi adquirida pelo grupo suíço Swatch em uma operação de 1 bilhão de dólares realizada em janeiro deste ano. Minutos após o leilão, a empresa anunciou que o diamante será conhecido a partir de agora como 'Winston Legacy' (Legado de Winston), em honra ao fundador da companhia.


Esta é a primeira vez que este diamante -- encontrado como pedra bruta em uma mina em Botsuana e talhado por 21 meses -- é comercializado. Classificado pelo Instituto Americano de Gemologia como um diamante de melhor cor ('D'), ele é de incomparável transparência, forma perfeitamente simétrica e sem defeitos.


O valor alcançado pelo Perfeição Absoluta -- agora Legado de Winston -- superou todos os recordes prévios de diamantes similares, incluído o  que foi vendido em novembro do ano passado por 21,4 milhões de dólares também pela Christie's de Genebra. Outros diamantes espetaculares incolores já vendidos em leilão foram o Estrela da Estação, arrematado em 1995 por 16,5 milhões de dólares, e o Clhoe, adquirido por 16,1 milhões de dólares em 2007.

Diamante rosa vai a leilão com lances a partir de US$ 13 mi

Diamante rosa vai a leilão com lances a partir de US$ 13 mi

Pedra preciosa e passará por cinco cidades antes de ser arrematada em Hong Kong

Diamante rosa de 59.6 quilates lançado a leilão em setembro de 2013 pela loja Sotheby's em Geneva, Suíça
Diamante rosa de 59.6 quilates lançado a leilão em pela loja Sotheby's em Geneva, Suíça - Fabrice Coffrini/AFP
Um diamante rosa de 8,41 quilates é a principal peça da temporada de leilões de joias que começará em 4 de outubro na casa britânica Sotheby's, em Hong Kong. O diamante de mais de 13 milhões de dólares (30,7 milhões de reais) faz parte de uma das oito peças mais cobiçadas dos leilões, que juntas poderão totalizar entre 32 e 50 milhões de dólares (75,6 milhões de reais e 118 milhões de reais).
O diamante com formato de pera "tem um dos tons mais concentrados de rosa e uma clareza excepcional". Além disso, "poderia ter o quilate mais caro do que qualquer outro diamante rosa", disse a presidente do departamento de joias para a Sotheby's da Ásia, Quek Chin Yeow. Um diamante rosa intenso de 24,76 quilates é a pedra preciosa mais cara do tipo. Ela foi vendida por 46,2 milhões de dólares (109 milhões de reais) em um leilão em Genebra em 2010.

O diamante passará pelas cidades de Cingapura, Taipé, Nova York, Londres e Genebra para exibição antes que de ser arrematado. A pedra preciosa será leiloada junto com um diamante branco de 50,05 quilates. O diamante branco tem formato de coração, "o que o torna mais valioso ainda devido à dificuldade de cortar, polir e dar forma", disse o vice-presidente do departamento de joias para a Sotheby's da Ásia, Terry Chu.
Também estarão à venda um conjunto de colar, pulseira e anel elaborado em jade (o mineral fetiche da cultura chinesa e que pertenceu a Wanrong, esposa do último imperador chinês), com valor estimado entre 250 mil e 325 mil dólares (590 milhões e 830,8 milhões de reais). O colar criado com pequenas bolinhas de ouro em formato de flores foi feito à mão por um joalheiro do palácio do imperador, "tratando-se de um dos colares mais complicados elaborados nas oficinas imperiais", afirmou Chu.

sábado, 18 de outubro de 2014

Vale aceita novos royalties na Indonésia

Vale aceita novos royalties na Indonésia


No início do ano, quando as grandes minas pararam de produzir, em retaliação às novas leis da Indonésia, muitos imaginaram que o Governo não conseguiria aguentar a imensa pressão.

Muitos se enganaram...

Há poucas semanas a Indonésia conseguiu o impensável, alinhando as grandes produtoras de cobre Freeport McMoRan e Newmont dentro das novas normas.

Aos poucos, praticamente todas as mineradoras se curvaram ante a pressão governamental.

Hoje o governo da Indonésia ganhou mais uma.

A megamineradora  brasileira Vale assinou um contrato onde aceitará pagar royalties 333% maiores, de 2%, sobre os seus produtos de níquel.

A Vale deverá, também, vender 20% de seus ativos, em até 5 anos, para as mineradoras e investidores locais.

O Governo de Jakarta ainda conseguiu que a Vale reduza as suas concessões de 190.510 hectares para 118.435 hectares. 

Minério de ferro: americanos lavram taconitos de baixo teor apesar dos baixos preços......

Minério de ferro: americanos lavram taconitos de baixo teor apesar dos baixos preços......


Apesar da guerra entre as grandes mineradoras os americanos do Wisconsin continuam lavrando o Taconito Gogebic com somente 20-25% de ferro.

Isso está sendo possível graças a legislação criada pelo Estado que encoraja o desenvolvimento de minas e paga excelentes salários aos mineiros. A região é pouco habitada e o Governador Scott Walker acelerou as licenças o que criou milhares de novos empregos.

Uma nova, mina no Taconito Gogebic de baixo teor, vai criar 2.834 novos empregos graças ao governo local.

As estradas estão sendo construídas, os salários pagos, os equipamentos comprados e a economia local deverá receber investimentos de 1,5 bilhões de dólares. 

Petrobras vai decidir as eleições

Petrobras vai decidir as eleições

Depois que o ex-diretor da Petrobras, o ladrão confesso, Paulo Roberto Costa, entregou, sem cerimônia, um dos maiores roubos da história do Brasil as coisas começaram a mudar para a candidata Dilma e para o seu partido, o PT.

Costa, que foi convidado pelo PT (segundo o jornal A Gazeta do Povo) para ocupar o Ministério das Cidades, contou em detalhes, como funcionava (ou funciona???) o sistema de corrupção que destroçava as finanças da Petrobras.

Tudo passava por um esquema de desvio e de propinas controlado por uma quadrilha que envolvia os funcionários da estatal, políticos, ministros, doleiros e até governadores.  No fim do gigantesco propinoduto, mais uma vez, segundo Costa, estava o PT.

Grande parte do dinheiro era desviado para alimentar o PT, seus políticos e suas campanhas.

Um negócio bilionário.

Somente o referido ladrão confesso, um arraia miúda, está devolvendo mais de R$70 milhões auferidos no jogo da corrupção. Ele devolve dinheiro em contas bancárias na Suíça, US$ 2,8 milhões em conta no Royal Bank of Canada em Cayman, uma lancha Costa Azul avaliada em R$ 1,1 milhão, um Range Rover entre outros bens.

A tamanho do roubo de Paulo Roberto Costa mostra, sem sombra de dúvidas, a dimensão do assalto às contas da Petrobras. Lembre-se, ele era apenas um dos elos desta quadrilha que assaltou por anos a fio a nossa maior estatal.

A Petrobras, como mostra o gráfico vem sendo sugada em todos os sentidos.

Corrupção assola Petrobras Ela cai 150%, em dólar, quando comparada com a Dow Jones.

O Governo Dilma sempre apregoou que o Brasil saiu da crise muito mais rápido do que os Estados Unidos. O gráfico mostra, no entanto, que a Petrobras nunca conseguiu se erguer ao longo de todo o Governo Dilma, mesmo quando comparada com o índice Dow Jones dos Estados Unidos que saia de uma crise histórica.

Como explicar esse fenômeno?

É simples é só rever o que Paulo Roberto Costa denuncia e entenderemos o porquê de tamanho prejuízo.

Não é a toa que a Petrobras está mergulhada em dívidas bilionárias e em inúmeros casos escabrosos de corrupção, que tem nas raízes nomes como Pasadena que deu um prejuízo de US$792 milhões, ou Abreu Lima, com um estouro de caixa de quase US$20 bilhões ou, mais recentemente, da COMPERJ onde o estouro do orçamento supera os US$40 bilhões.

Os números chegam a ser irreais de tão gigantescos. São muito maiores do que o PIB de muitos países...

Somente os “erros “ orçamentários da Petrobras, se investidos no Programa Minha Casa  Minha Vida, teriam construído três milhões e meio de casas (3.507.500).

Um verdadeiro absurdo que foi em parte utilizado para semear a corrupção e abastecer os cofres do PT e de partidos da base aliada.

Mas o que não estava previsto é que as denúncias ocorressem antes das eleições manchando definitivamente a imagem de boa gestora de Dilma, além de lançar a negra lama da corrupção nos políticos e nos partidos apontados por Costa como os beneficiários do esquema.

A última pesquisa do Datafolha mostra que 49% dos entrevistados dizem que o escândalo da Petrobras vai influenciar na escolha do presidente.

Infelizmente o número é baixo. Devia ser 100%!

Mas, de qualquer forma se correto, deverá selar a história desta eleição dando a vitória para Aécio.

Como compactuar com um esquema de corrupção que atrasa o Brasil e a sua população?

Para 64% dos entrevistados Dilma tem responsabilidade.

Mesmo aqueles que irão votar em Dilma reconhecem, segundo a pesquisa, que ela tem responsabilidade, mas mesmo assim acreditam que as denúncias não terão influência no seu voto.

É uma pena que esses eleitores não consigam entender que ao votar na continuidade da corrupção eles se condenam a continuar no limiar da pobreza, recebendo do governo a subsistência, mas nunca a educação, a infraestrutura, a saúde e as condições para uma real mudança nas suas vidas e de suas famílias. 


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Guerra do minério de ferro: BHP e Rio Tinto estão criando um monopólio?

Guerra do minério de ferro: BHP e Rio Tinto estão criando um monopólio?


Na guerra pelo controle do comércio mundial do minério de ferro vale tudo. As duas gigantes da mineração a Rio Tinto e a BHP Billiton podem, inclusive, estar quebrandos as regras internacionais de comércio ao deliberadamente reduzir seus preços e inundar o mercado para acabar com a concorrência.

Hoje um político australiano, Colin Barnett disse claramente que os diretores destas empresas devem começar a se preocupar  com a Organização do Comércio Mundial a WTO que pode interpretar a estratégia destas empresas como uma tentativa de criar um monopólio ou oligopólio.

Em 2009 estas empresas já foram penalizadas por comportamento monopolístico. Caso a tese progrida ela pode se espalhar até o Brasil onde a Vale pratica uma estratégia semelhante podendo, também, ser penalizada caso as australianas o sejam. 

Mineração: Rio Tinto vai relançar a série de TV Death Valley Days

Mineração: Rio Tinto vai relançar a série de TV Death Valley Days




Em 1952 a Rio Tinto patrocinou uma das séries mais longas da TV americana: Death Valley Days.

  Ela foi ao ar em 451 capítulos entre 1930 a 1945. A série popularizou o ator Ronald Reagan que, mais tarde, foi eleito presidente dos Estados Unidos.

O interessante é que toda a série era voltada para vender o sabão detergente para as mãos Boraxo para a população americana.

O sucesso da série alavancou uma das grandes empresas dos Estados Unidos, propriedade da Rio Tinto, a US Borax, que até hoje controla os direitos da série.

Agora, 69 anos depois a Rio Tinto vai relançar a série.

  Cada episódio será baseado na vida real de um personagem importante da história da Califórnia desmistificando a ideia de que os prospectores e mineradores são vilões e destruidores do meio ambiente e sim empreendedores que mudaram a história dos Estados Unidos.

Guerra do minério de ferro: MMX demite

Guerra do minério de ferro: MMX demite




A MMX demitiu 120 funcionários em Minas Gerais.

A empresa continua em forte decadência tendo caído mais de 90% somente  em 2014.

As demissões ocorrem, pois a MMX não consegue produzir o seu minério de ferro a preços competitivos. Se os preços continuarem abaixo de US$80/t talvez Eike tenha que fechá-la definitivamente.

Agora ele quer que os investimentos retornem

Agora ele quer que os investimentos retornem


Depois de invadir, com as forças armadas, empresas como a Petrobras, Estatal de um país amigo, e encampar bilhões de dólares em instalações o líder indígena, ex-cocaleiro,  Evo Morales afugentou os investidores do seu depauperado país. Agora, reeleito, Morales tenta desesperadamente atrair os investidores que afugentou.

Em entrevista para a Reuters ele começa tentando desmistificar as notícias de que uma nova onda de estatização irá percorrer a Bolívia.

É difícil de acreditar em uma pessoa que estatizou os hidrocarbonetos, a mineração e as telecomunicações nos últimos dez anos de poder.

A Bolívia tem o gás natural como uma das principais riquezas e o Brasil como o seu maior importador. Ocorre que o Brasil, gradativamente, vai reduzindo a sua dependência e, em breve, deverá se tornar um exportador de gás, competindo com a Bolívia. Restará à Bolívia a exportação da coca que destrói e escraviza.

Por outro lado o vizinho Peru continua com o seu mega projeto de gasoduto Sul Peruano que irá suprir regiões que eram atendidas pela Bolívia.
Quando isso ocorrer Morales terá que enfrentar a dura realidade causada pelo sua política intervencionista e estatizante.

Carvão: China cria novas tarifas de importação. Australianos desesperam

Carvão: China cria novas tarifas de importação. Australianos desesperam




Em busca de um ar mais puro os chineses estão tentando melhorar a qualidade do carvão importado e reduzir as importações.

É com esse objetivo que o governo chinês terminou ontem com a tarifa zero sobre o carvão importado.

A partir de agora o antracito, carvão de alta qualidade terá um imposto de importação de 3%, os outros carvões mais pobres de 5% e o betumem de 6%.

Com as novas taxas  a tonelada do carvão térmico subiu US$4.40.

O ajuste dá, também, um novo fôlego aos produtores de carvão doméstico que estão com margens muito reduzidas, com 70% deles já no vermelho. As importações chinesas no ano caíram 5,3% para 202 milhões de toneladas.

Esse imposto irá penalizar sobremaneira os mineradores australianos.

A Austrália é a principal exportadora de carvão para a China e as suas minas já estão começando a fechar, graças às reduções das importações dos chineses, das novas exigências quanto à qualidade e dos preços que já despencaram 22% neste último ano.

Até a brasileira Vale já fechou duas minas de carvão na Austrália, amargando um prejuízo bilionário.

A nova tarifa de importação será o beijo da morte para muitos mineradores australianos de carvão. Mais de 10.000 empregos já foram cortados na indústria de carvão australiana antes dos novos impostos... 

Menor crescimento imobiliário pode fazer o PIB da China cair para 7,3%

Menor crescimento imobiliário pode fazer o PIB da China cair para 7,3%


A Academia de Ciencias Sociales da China (CASS) está prevendo que o PIB cairá de 7,7% em 2013 para 7,3% em 2014. O motivo desta redução, segundo a Academia,  é a desaceleração do setor imobiliário.

A notícia vem na contramão do que o Primeiro Ministro Li Keqiang afirmou no Forum Econômico Mundial  hoje.

 Li afirmou que o crescimento chinês em 2014 será de 7,5%. Ele disse que apesar “das incertezas” ele está confiante que a economia chinesa vai crescer dentro da meta governamental.

London Mining tem negócios paralisados na bolsa de Londres

London Mining tem negócios paralisados na bolsa de Londres



A mineradora africana London Mining, listada na Bolsa de Londres, pediu ao AIM para que suas ações não sejam negociadas até que seja definida a sua real posição financeira.

Existe a possibilidade de que as ações já não tenham nenhum valor.

A London Mining está, praticamente, fechando uma venda para a indiana JSW Steel. Se esse deal for fechado o valor residual das ações, ainda em posse dos acionistas, será pulverizado pela forte diluição.

A London Mining já perdeu mais de 96% do seu valor nestas últimas semanas e essa debilidade atraiu o bilionário indiano Sajjan Jindal que pensa comprar barato e transportar o minério de ferro da mina Marampa para a Índia.

Guerra do minério de ferro: navios Valemax são finalmente aceitos na China

Guerra do minério de ferro: navios Valemax são finalmente aceitos na China



Os maiores navios do mundo, que transportam 400.000t de minério aportaram pela primeira vez em portos chineses.

O primeiro Valemax a chegar foi o Shandong Da Ren (ex- Vale Malaysia, construído em 2013). O navio transportava 300.000t .

Com os Valemax a Vale tem condições de reduzir substancialmente os seus custos de transporte colocando o minério na China com preços similares aos da Rio Tinto e BHP.

A Vale deverá ter uma frota de mais de 70 Valemax o que assusta os competidores ao mesmo tempo em que afeta o mercado do frete marítimo.

Foi necessário que a Vale fizesse um acordo com a chinesa Cosco (China Ocean Shipping Company) para que a China finalmente levantasse as barreiras contra os Valemax.

Nada como uma ajuda interna...

Prepare-se para a maior fusão da história da mineração: Glencore e Rio Tinto

Prepare-se para a maior fusão da história da mineração: Glencore e Rio Tinto




Imagine uma fusão de US$160 bilhões, ou o equivalente a quase três empresas do tamanho da Vale (US$58 bilhões)...

Difícil de imaginar.

Mas esse é o plano de fusão de duas gigantes, a Rio Tinto (US$110 bilhões) a segunda maior mineradora do mundo e a quarta maior a anglo-suíça Glencore (US$44,8 bilhões).

Se essa fusão prosperar o mundo verá duas gigantes em rota de colisão a Rio-Glencore e a BHP-Billiton cujo valor de mercado hoje é de US$168 bilhões. Na terceira posição ficará a Vale, muito distante, com um poder de fogo bastante menor em um fogo cruzado assustador.

A Glencore trás para a mesa 60% do mercado mundial de zinco e quase 50% do mercado mundial de cobre, além de outros metais, petróleo, carvão e até grãos.

Será o maior takeover do mundo mineral e a maior mudança estratégica de uma empresa de mineração em busca do controle global de commodities.

Com certeza vai lançar a Vale no mesmo rumo.

Os celulares serão uma “mina” de ouro?

Os celulares serão uma “mina” de ouro?



Você sabia que com 38 celulares é possível recuperar um grama de ouro?

Sabia, também, que é necessário moer e processar 3.000kg de minério na maior mina de ouro do Brasil, em Paracatu, para obter um grama?

Esta matemática mostra que a reciclagem de materiais eletrônicos descartados, nobres como os celulares, parece ser interessante economicamente.

Essa foi a promessa que atraiu muitos empresários para a indústria da reciclagem. Eles chegaram cheios de ideias e sonhos, mas rapidamente perceberam que a “mina de ouro dos celulares e dos circuitos eletrônicos” não é um “negócio da China” como muitos acreditavam.

O que falta na reciclagem de produtos nobres é o volume da matéria prima, os celulares.

Não existem garantias de que o volume de material aurífero será contínuo ao longo do empreendimento. Na maioria das vezes o empresário abandonou o investimento ao perceber que não existiam circuitos com ouro em quantidade suficiente para manter o próprio negócio.

É esse volume que diferencia o “garimpo urbano” da mineração organizada de ouro como a de Paracatu.

Na mina da Kinross, uma operação a céu aberto em larga escala, são processadas 55 milhões de toneladas de minério por ano. Cada tonelada tem uma média de 0,42 gramas de ouro recuperável.

Ou seja: a cada dia são processados mais de 150.000 toneladas, de onde são recuperados 63.000 gramas de ouro.

Para recuperar a mesma quantidade de ouro em um processo de reciclagem de celulares serão necessários 2.394.000 telefones celulares por dia.

Não há como competir. Os celulares podem até ter quantidades elevadas de ouro, mas os empreendimentos para a extração desse ouro sempre estarão na esfera das microempresas.

Se você quiser grandes lucros opte pela mineração.

Petrobras: como “errar” um orçamento em “apenas” R$46 bilhões...

Petrobras: como “errar” um orçamento em “apenas” R$46 bilhões...


Os escândalos envolvendo o nome da Petrobras são sempre maiúsculos.

O Projeto Comperj orçado em US$26,7 bilhões, aparentemente, foi absurdamente mal calculado. Segundo a auditoria do Tribunal de Contas (TCU) o valor final deve ficar em torno de US$47.7 bilhões.

Um “erro” de mais de vinte bilhões de dólares.

É difícil até acreditar que uma empresa que deveria ser world class faça erros deste porte sem que hajam outras explicações...

O TCU, polidamente, fala de uma gestão temerária. Talvez o nome desta gestão seja bem outro.

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Beadell encontra 140 g/t Au em Duckhead no Amapá

Beadell encontra 140 g/t Au em Duckhead no Amapá



A Beadell Resources afirmou hoje (9) que encontrou teores de até 140 g/t Au em resultados adicionais da sondagem do principal filão do depósito Duckhead. Segundo a empresa, esse resultado está incluído no furo FVM464, de 32 metros e teor médio de 33,5 g/t de ouro. Outro furo, monstrou interseção de 10 metros com teor de 91,7 g/t Au. O depósito pertence à mina de ouro e minério de ferro Tucano, no Amapá.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Rio Tinto rejeita fusão de US$160 bilhões

Rio Tinto rejeita fusão de US$160 bilhões


A Rio rejeitou a fusão com a Glencore. Os motivos se relacionam aos baixos preços do minério de ferro que tornam a Rio Tinto muito desvalorizada na composição do negócio.

A Glencore vem de uma fusão/aquisição gigantesca da Xtrata e pode, caso receba suporte da chinesa Chinalco, a maior acionista da Rio Tinto, tentar uma aquisição hostil.

O momento para uma oferta hostil é agora, quando a Rio Tinto está muito desvalorizada e uma fusão com a Glencore iria criar um novo player, maior e mais eficiente do que a BHP, que já está se dividindo em duas e vendendo ativos.

Aécio larga na frente e diz querer aprovar na íntegra a versão do Código de Mineração de Quintão

Aécio larga na frente e diz querer aprovar na íntegra a versão do Código de Mineração de Quintão



O candidato Aécio não perdeu tempo e informa que, se eleito, vai aprovar, na íntegra o Código de Mineração relatado pelo Dep. Quintão.

Uma excelente notícia para as pequenas e médias empresas de pesquisa mineral do Brasil que verão o direito de prioridade preservado.

Começa a produção de diamantes no kimberlito Karpinskogo-1

Começa a produção de diamantes no kimberlito Karpinskogo-1



A gigante russa Alrosa informa que iniciou a produção no kimberlito Karpinskogo-1, na região de Arkhangelsk. O pipe, que tem 6 pulsos kimberlíticos, vai produzir 600.000t ainda em 2014. Esta produção irá escalar para 2 milhões de toneladas em 2015.

Karpinskogo-1 tem uma reserva de 126 milhões de toneladas no padrão JORC.

A Alrosa é a maior produtora de diamantes do mundo e deverá produzir 36 milhões de quilates em 2014.



foto de Ptukhina Natasha

Brazil Minerals finaliza aquisição da mina de diamante Duas Barras

Brazil Minerals finaliza aquisição da mina de diamante Duas Barras


Segundo o CEO da Brazil Minerals Marc Fogassa a empresa comprou 100% de Duas Barras um jazimento de diamante aluvionar situado no norte de Minas Gerais.

A Brazil Minerals pagou US$200.000 em espécie e 2.142.857 ações na aquisição. 

Europeus convenientemente declaram que areias betuminosas canadenses não são “sujas”

Europeus convenientemente declaram que areias betuminosas canadenses não são “sujas”



Até hoje o óleo derivado das areias betuminosas canadenses, as oil sands, era considerado altamente poluente e “sujo” pela União Européia.

Tudo mudou, convenientemente, agora que o suprimento de hidrocarbonetos da Rússia está ameaçado pelas tensões na região.

Se as novas regras forem aprovadas, os importadores da UE terão apenas que relatar a quantidade de carbono dos produtos derivados das areias betuminosas que não mais serão consideradas “sujas”.

Será que essas mudanças hipócritas serão revogadas mais uma vez, se a situação da Ucrânia se normalizar?


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Diamante

Diamante

Generalidades   (1)
Imitações de diamante  (3)
Geologia do diamante   (2)
Preços   (3)
Diamante no Brasil  (2)
Comércio internacional   (3)
Coleção particular  (2)
Questões políticas    (3)
Diamante no mundo   (2)          
Seção infanto-juvenil   (3)
Diamantes famosos    (2)
Um diamante é para sempre   (3)
Diamantes sintéticos  (3)
Bibliografia   (3)
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      
Os diamantes são as lágrimas dos deuses.
Anônimo
  Generalidades - Definição: Carbono - C - cristalizado no sistema cúbico, geralmente em dodecaedros, octaedros, rombododecaedros, às vezes cubos ou outras formas, podendo mostrar arestas e faces encurvadas. Geralmente incolor ou com cor clara. Tem tanto mais valor quanto menos colorido for, exceto quando a cor é bem definida (fantasias ou fancy, em inglês). Pode ser amarelo, castanho, cinza, preto, leitoso, às vezes verde e raramente vermelho ou azul. Os tons amarelados são devidos a inclusões de nitrogênio. Tem brilho adamantino, clivagem octaédrica projetada e fratura conchoidal. É a substância mais dura que se conhece, com dureza 10,0 na escala de Mohs, sendo seguido pelo córindon, que tem dureza 9,0. Por essa razão, para lapidá-lo só se pode usar o próprio diamante. Embora muito duro, é frágil, sendo fácil de quebrar. Peso específico: 3,51-3,53. Pode mostrar fluorescência à luz ultra-violeta, geralmente em azul-claro. Índice de refração: 2,417-2,440. Dispersão muito forte: 0,044. É mau condutor elétrico, mas conduz o calor cinco vezes mais do que o cobre. Apresenta como inclusão mais frequente a olivina; as maiores, porém, são de diamante. As inclusões de diamante costumam ser tetraédricas ou octaédricas, parecendo-se com carvão. Outras inclusões que podem ser encontradas são de granada, cromodiopsídio e apatita. A presença de inclusões, embora diminua o valor da gema, contribui para sua identificação individual. Elas podem ser eliminadas pelo emprego de raios laser, o que traz o inconveniente de perfurar a gema de um extremo a outro, razão por que muitos gemólogos condenam o processo. Fonte: Branco, P.M. Glossário Gemológico Porto Alegre: Edit. da UFRGS, 1984.
- Variedades não-gemológicas: O diamante possui algumas variedades não-gemológicas: carbonado, bort e balas. A lonsdaleíta é um polimorfo hexagonal encontrado em meteoritos. Fonte: Idem, ib.
- Tratamento: O diamante pode ser colorido artificialmente com pigmentos azul-violáceos, removíveis em água quente, álcool ou ácidos. É transparente aos raios-X e, sob ação do brometo de rádio, pode adquirir superficialmente cor verde permanente, devida ao bombardeamento por partículas alfa. Com esse tratamento, o diamante fica radioativo mas, se aquecido a 450oC por algumas horas, perde a cor e a radioatividade. A alteração da cor é muito mais rápida se se usar radônio no lugar de rádio. Os diamantes irradiados verdes apresentam reflexos azuis, ao contrário dos que têm cor verde natural. Bombardeado em cíclotron, o diamante castanho ou amarelo fica verde superficialmente, passando depois a amarelo-ouro se aquecido a 800oC. Não fica, neste caso, radioativo. Em reatores (bombardeado por nêutrons), fica verde também, mas a cor se distribui por todo o cristal. Depois disso, se convenientemente aquecido, passa a amarelo-canário. As cores assim obtidas não podem ser distinguidas das naturais. Na natureza, deve ocorrer bombardeio natural similar ao obtido em laboratório mas que, por ser de fraca intensidade, só altera a porção superficial da pedra. Os diamantes irradiados oferecidos no comércio têm cor azul, verde, amarela, marron, avermelhada ou preta. A radioatividade do diamante pode ser constatada por um contador Geiger ou por exposição a uma película fotográfica, durante algumas horas. Quando o diamante é tratado em cíclotrons, ela persiste por apenas 1 ou 2 horas. Fonte: Idem, ib.
- Etimologia: Do grego adamás (indomável) por não se r riscad o por nenhum outro mineral. Fonte: Idem, ib.
- Representação cristalográfica do diamante
inside diamond diam structure diam frame
Por que o diamante é tão duro? Uma das razões é que a ligação química entre cada átomo de carbono que forma o diamante é extremamente forte. Outra é que os átomos formam uma estrutura rígida - cada átomo se conecta com outros quatro, formando uma rede muito regular. O diamante também é bom condutor de som, mas não de eletricidade, é um isolante e sua resistência elétrica, transmissibilidade ótica e inércia química são notáveis. Além disso, os diamantes dispersam a luz. Como resultado, a gema age como um prisma, separando a luz branca nas cores do arco-íris. Quanto maior a dispersão, melhor o espectro de cores que são obtidas. Esta propriedade dá origem ao "fogo" dos diamantes.
- Representação cristalográfica da grafita
graph1 structure graph hexagons graph structure
Os átomos de carbono na grafita estão arranjados de tal modo que constituem camadas. Estes átomos possuem dois tipos de interação entre si. No primeiro caso, cada carbono é ligado a três outros e dispostos nos vértices de uma rede de hexágonos regulares, formando um ângulo de 120 graus. Estes arranjos planos estendem-se em duas dimensões para formar uma espécie de tela de arame. Além disso, estes arranjos são presos entre si por forças mais fracas conhecidas com interações de empilhamento. Esta estrutura tridimensional explica as propriedades físicas da grafita. Ao contrário do diamante, a grafita pode ser usada como lubrificante ou em lápis porque as camadas se quebram com facilidade. A estrutura plana da grafita permite que os elétrons se movam facilmente dentro dos planos. Isso faz com que a grafita seja condutor de eletricidade e calor, assim como absorve a luz e, ao contrário do diamante, aparece com cor negra.

- Imagens de diamantes brutos

rough-diamonds-big    
- Espécimes de diamante bruto de vários países ou regiões
zaire1 afr_sul austr1 austr2
(1) Zaire - 5,65 quilates (ct); (2) África do Sul - 1,21 ct; (3) Austrália - 7,98 ct; (4) Austrália - 6,85 ct;

siber1 siber2
(5) Sibéria - 1,23 ct; (6) Sibéria - 1,33 ct.

- As formas - (1) e (2)
- Características de diamantes lapidados, também denominados de brilhantes
(de acordo com a De Beers)

Obs.: a) Visualize a diferença de cor entre os graus D e Z e explore melhor o conceito dos 4C no site Diamonds.com
b) Um brilhante redondo pesando um quilate tem 6,5 mm de diâmetro; 2 ct correspondem a 8 mm;
5 ct a 11,10 mm; quanto a brilhantes pequenos, 1 ponto corresponde a 1,30 mm; e 30 pontos a 4,27 mm.
              
                                        Diferentes Tipos de Corte          

  Premium Cut
Tolkowski Ideal Cut
Excellent Ideal Cut
Total Depth
58.8% - 63.8%
58.0% - 63.8%
59.2% - 62.4%
Table Size
58.0 - 61.0%
53.0% - 58.0%
52.5% - 58.4%
Crown Height
13.0% -17.0%
14.2% - 16.2%
--------------
Crown Angle
32.7° - 36.3°
33.7° - 35.8°
32.5° - 35.4°
Pavilion Depth
41.7% - 45.0%
42.2% - 43.8%
41.5% - 44.4%  
No início do século XX o matemático russo Marcel Tolkowski publicou os resultados do seu trabalho sobre o corte ideal do diamante. Esse trabalho (Diamond Design, London, 1919) tornou-se a base para o modelo conhecido hoje como o "Corte Ideal". Embora a preferência atual seja por "mesas" maiores que 53% do diâmetro total, durante quase sete décadas esta fórmula básica permaneceu como o padrão para o brilhante em todo o mundo.
     proportions  
   depth    shallow  ideal   deep
Observe as três imagens acima, no canto esquerdo. Se o corte for raso (imagem à esquerda) ou profundo demais (imagem à direita), os raios de luz saem por baixo ou lateralmente, ao atravessar o brilhante. Somente no corte ideal (imagem central) os raios de luz refletem no pavilhão e retornam para cima. As fotos retratam o mesmo fenômeno.
Este efeito assegura o brilho (ou o fogo) mais intenso da pedra, realçando a sua beleza. E o preço também...

Mali – Eldorado de urânio, ouro, petróleo e minerais

Mali – Eldorado de urânio, ouro, petróleo e minerais estratégicos …

mali (1)O governo francês declarou que:
vai enviar 2.500 soldados para apoiar soldados do Mali no conflito contra rebeldes islâmicos.
já enviou  cerca de 750 soldados para o Mali e transportadores franceses chegaram a Bamako, na manhã de terça-feira …..
Vai continuar a mobilização de forças em terra e no ar …..
Tem um objectivo. Garantir que quando saírem, quando terminarem a intervenção, Mali está seguro, tem autoridade legítima, um processo eleitoral e que não há mais terroristas a ameaçar o seu território
Esta é a narrativa oficial da França e dos que a apoiam, amplamente divulgada pelos meios de comunicação. A França é apoiada por outros membros da Nato. Leon Panetta, secretário da Defesa dos Estados Unidos, confirmou a oferta da inteligência para as forças francesas no Mali Canadá, Bélgica, Dinamarca e Alemanha, também apoiam a incursão francesa, prometendo apoio logístico na repressão aos rebeldes. 
Se olharmos só para essa narrativa, não veremos outras razões. Um olhar sobre os recursos naturais do Mali revela o que poderá estar  está em questão.
Recursos naturais do Mali  
mali
Ouro: terceiro maior produtor africano de ouro com explorações em grande escala e em curso. Mali é famoso pelo seu ouro desde os dias do grande império do Mali e da peregrinação do Imperador Kankou Moussa em 1324 a Meca, onde transportou mais de 8 toneladas de ouro na sua caravana! Mali tem sido, portanto, um país tradicionalmente mineiro por mais de meio milénio.
Mali tem actualmente sete minas de ouro operacionais que incluem: Kalana e Morila no sul do Mali, Yatela, Sadiola e Loulo a oeste e as minas que recentemente reiniciaram a produção Syama e Tabakoto. Projectos de exploração de ouro avançadas incluem: Kofi, Kodieran, Gounkoto, Komana, Banankoro, Kobada e Nampala.
Urânio: sinais encorajadores e exploração em pleno andamento por várias empresas, com claros indícios de depósitos de urânio no Mali.
Grande potencial de urânio localiza-se na área Falea, que cobre 150 km² do Falea-bacia do Norte Guiné, bacia sedimentar neoproterozóica marcada por significativas anomalias radiométricas. Estima-se que em Falea existam cerca de 5.000 toneladas. O projecto Kidal, na parte nordeste do Mali, com uma área de 19.930 km2, abrange a grande província L’Adrar Des Iforas. Estima-se que o depósito Samit na região Gao contenha  200 toneladas.
Diamantes: Mali tem potencial para desenvolver a sua exploração de diamantes: na região de Kayes  (região de mineração 1), foram descobertos 30  tubos de kimberlitos, dos quais oito mostram traços de diamantes. Cerca de oito  diamantes pequenos foram colhidos na região de Sikasso (sul do Mali).
Dentro do grupo das pedras preciosas, podemos encontrar no:
Círculo de Nioro e Bafoulabe: Granadas e raros minerais magnéticos
Círculo de Bougouni e Bacia Faleme: minerais pegmatíticos
Le Gourma – granada e corindo
L’Adrar des Ilforas – pegmatito e minerais em metamorfose
Hombori Douentza Zona: quartzo e carbonatos
Minério de ferro, bauxita e manganês: existem recursos significativos no Mali, mas ainda por explorar. Mali estima mais de 2 MT de minério de ferro, localizadas nas áreas de Djidian-Kenieba, Diamou e Bale.
Em termos de reservas de bauxita, estimam-se 1,2 MT localizados em Kita, Kenieba e Bafing-Makana. Traços de manganês foram encontrados em Bafing – Makana, Tondibi e Tassiga.

Guerra do minério de ferro: BHP quer produzir a custo mais baixo que as gigantes Rio e Vale

Guerra do minério de ferro: BHP quer produzir a custo mais baixo que as gigantes Rio e Vale



A maior mineradora do mundo e terceira maior produtora de minério de ferro, a BHP Billiton, está revendo sua estratégia. A ideia é de aumentar a produção de minério de ferro para 290 milhões de toneladas anuais e, ao mesmo tempo reduzir o seu custo para abaixo de US$20/t. Se a BHP conseguir este feito ela terá batido a Rio que é, atualmente a produtora de nível mundial com o menor custo: US$20,4/t.

Com essa estratégia a BHP vai aumentar a sua margem de lucro que já foi de 70% ao longo dos últimos seis anos. A Rio teve uma margem maior, de 73% neste período.

Esta notícia acende uma luz vermelha na mesa do Presidente da Vale que pode até ter um minério de mais alta qualidade, mas ainda tem que transportar milhares de quilômetros a mais do que os australianos, até os portos chineses.

A Vale, que viu o seu valor de mercado cair bem mais do que as competidoras, terá que se reinventar.

Mesmo estando no Brasil a mineradora ainda produz o seu minério de ferro, que quase não sofre processamento, a custos mais altos do que a Rio Tinto.

Enquanto isso o minério de ferro está sendo negociado a US$79,60 nos portos chineses.

Mercado respira com os resultados das eleições e Petrobras sobe 17%

Mercado respira com os resultados das eleições e Petrobras sobe 17%



Deve existir uma mensagem importante a ser captada e digerida, quando a maioria dos investidores do Brasil, celebra a eleição de Aécio para o segundo turno, fazendo uma gigante como a Petrobras subir 17% em poucos minutos.

É o desabafo das urnas e a avalanche da esperança de uma mudança séria de rumos, sem as quadrilhas de sanguessugas que destruíram o valor de mercado de nossa maior e melhor estatal. É uma nova perspectiva de governo que ilumina o cenário brasileiro.

Os analistas acreditam em um IBOVESPA entre 60 a 65.000 pontos, uma alta acima de 15% se Aécio for eleito. Isso significa somente uma coisa, crescimento, empregos, oportunidades e seriedade, ou tudo aquilo que faltou no governo que está se despedindo no pior desempenho do PT em décadas.

Além da Petrobras outras estatais o  Banco do Brasi (20%), Eletrobras (12,5%) também subiram astronomicamente.

O Brasil está dando um basta e a bolsa reflete essa nova onda de esperança com um movimento recorde de mais de R$23 bilhões...


sábado, 4 de outubro de 2014

Raio laser transforma grafite em diamante, por um instante

Raio laser transforma grafite em diamante, por um instante


Raio laser transforma grafite em diamante, por um instante
Alquimia para diamantes? Um flash de laser pode brevemente estruturar umas poucas camadas de grafite (que é considerado uma espécie de carvão) em uma forma parecida com o diamante, conforme demonstrado experimentalmente. Futuramente a tecnologia poderá se[Imagem: Phys. Rev. Focus]
Um flash de luz pode alterar temporariamente a estrutura do grafite. Uma equipe de pesquisadores, que acaba de publicar um artigo a respeito em uma das mais importantes revistas de Física do mundo, descobriu que - pelo menos por um breve momento - a exposição à luz altera as ligações químicas no grafite para formar uma estrutura similar à do diamante.
Transformando carvão em diamante
Avanços posteriores poderão permitir uma conversão completa do grafite - que é uma forma de carvão - em diamante. Esta pesquisa poderá levar a novas técnicas em nanoescala nas quais um laser constrói estruturas de diamante e grafite sobre a superfície de uma película de carbono.
Embora blocos de diamantes industriais possam ser fabricados por meio de reações químicas, não há atualmente uma maneira de converter a forma grafite do carbono na estrutura do diamante em filmes finos.
Escrevendo circuitos eletrônicos com laser
Mas imagine se um feixe focalizado de laser pudesse fazer essa conversão. O laser poderia "escrever" um circuito eletrônico em nanoescala sobre uma finíssima camada de grafite, tirando proveito da resistência e das propriedades isolantes do diamante em algumas áreas e da natureza semicondutora do grafite em outras áreas, afirma o cientista David Tománek, da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos.
Uma equipe liderada por Tománek e Chong-Yu Ruan, também da Universidade de Michigan, deu um passo rumo a esse sonho ao demonstrar uma alteração estrutural específica no grafite pela ação da luz de um laser.
Criando diamantes com laser
A equipe iluminou um alvo de grafite com pulsos de 45 femtossegundos de duração de um laser emitindo luz na faixa do infravermelho próximo. Em sincronia com os pulsos de luz foram feitos disparos de um feixe de elétrons que permitiu aos cientistas detectar a posição dos átomos utilizando a técnica de difração de elétrons.
Os átomos de grafite normalmente ligam-se em camadas bidimensionais separadas entre si por uma distância de 0,34 nanômetro, contendo apenas ligações fracas entre as camadas. Mas os pesquisadores viram uma grande quantidade dos átomos nas camadas mais superiores ajustarem-se brevemente em uma camada separada por apenas 0,19 nanômetro de sua vizinha mais próxima.
Combinando essa observação com outras análises de difração e simulações computadorizadas, eles concluíram que, num intervalo de 14 picossegundos após a aplicação do pulso de laser, muitos átomos formaram ligações intercamadas em vários aspectos similares às existentes no diamante. 30 picossegundos depois, essas ligações desapareceram.
Construir nanoestruturas com luz
Tománek espera, em última instância, forçar esse estado transiente em uma estrutura totalmente igual à do diamante, em vez de deixá-lo voltar a ser grafite. Mas o trabalho sugere que o grafite de qualquer ponta de lápis, exposto à luz do Sol por um longo período, pode conter minúsculas regiões que assumem a estrutura do diamante depois de serem excitadas para o estado intermediário.
Tomas Weller, do laboratório de nêutrons ISIS, na Inglaterra, demonstrou que o tipo correto de pulso de laser pode converter diamantes industriais em grafite, e ele também espera algum dia construir nanoestruturas utilizando a luz.
Com relação ao trabalho dos pesquisadores norte-americanos, Weller está entusiasmado com as respostas que ele traz ao emergente campo da fotoexcitação em sólidos. "Parece que ele captura uma variedade de diferentes questões que tem fervilhado nesse campo, e as condensa em uma só," diz ele.