Seguidores

domingo, 31 de maio de 2015

O pedido de pesquisa não é mina


O pedido de pesquisa não é mina



O título, desta matéria, para nós da geologia e mineração pode parecer meio estapafúrdio. Afinal nós sabemos muito bem as diferenças entre uma mina e um pedido de pesquisa.

Mas, é simplesmente assustador ver a mídia nacional e internacional repetindo frases de efeito criadas por neófitos que nada entendem de mineração. A mais recente é de um grupo de ingleses e brasileiros que propagam, mundo afora, que o novo código mineral brasileiro coloca em risco a posição do Brasil como “líder ambiental”.

O Código de Mineração pode ser acusado de muitas coisas, como ser mal redigido e de ter sido criado de forma unilateral por quem pouco entende do assunto, sem a concordância da grande maioria dos mineradores e da sociedade.

Mas, dizer que o código coloca em risco o meio ambiente e as áreas protegidas incluindo as reservas indígenas é um exagero grosseiro.

Na realidade, tanto a mineração moderna como o novo Código Mineral estão alinhados na defesa do meio ambiente e das comunidades.

O que o pessoal não entende é que a área ocupada por um requerimento de pesquisa não é o mesmo que a área ocupada pela lavra. O pedido de pesquisa não é a mina...

Uma área coberta por um pedido de pesquisa ou alvará é, na realidade, uma área estrategicamente requerida, com potencial de abrigar uma jazida.

É a área que será pesquisada e, em raríssimos casos,  lavrada.

Esta é a verdade!

A taxa de sucesso da pesquisa mineral é baixíssima, o que faz alguns mineradores requerer áreas maiores para maximizar a sua chance de sucesso. Existem dezenas de milhares de pedidos de pesquisa e de alvarás no Brasil. O que poucos sabem é que mais de 99% deles não terão, dentro de seu perímetro, uma jazida econômica.

É isso mesmo.

Talvez você não saiba, mas grande parte do território brasileiro está requerida por alguma empresa de mineração ou algum investidor privado. Se você entrar nos sites especializados e olhar o mapa do Brasil vai ver que o nosso território está praticamente todo coberto por pedidos de pesquisa.

Mas isso não faz do Brasil o maior país minerador do planeta faz?

Para entender a dimensão do que eu estou falando é simples: lembre-se de todas as minas que você conhece e das áreas que elas ocupam. Depois compare com toda a área, que você consegue lembrar, onde não existe uma mineração.

A disparidade é simplesmente enorme. A área ocupada pelas minas é infinitamente menor do que a área sem nenhuma lavra. Como a maioria das áreas estão cobertas por pedidos de pesquisa fica óbvio que pedido de pesquisa não é mina...

É uma pena que muitos ainda não consigam entender essa pequena verdade.

Mesmo no caso de sucesso, quando uma jazida é encontrada e se transforma em uma mina, a área a ser utilizada sempre será uma fração da área original do requerimento.

O que esses nobres e galantes protetores do meio ambiente não conseguem entender é que as jazidas são concentrações minerais raríssimas e ocupam, com honrosas exceções, áreas muito pequenas. Até as nossas megajazidas como as de Carajás ocupam uma área razoavelmente pequena, significativamente menor do que uma fazenda de porte médio.

As jazidas e minas são tão raras que, para nós geólogos de exploração, é sempre motivo de enorme alegria e distinção participar da descoberta de uma...

Os autores dos trabalhos e frases que penalizam a mineração deveriam entender um pouco mais do assunto antes de caluniar a mineração como um todo. A mineração tem um impacto ambiental muitíssimo menor do que o da agricultura, da pecuária e até dos grandes projetos como hidroelétricas e projetos industriais de classe mundial.

Para ilustrar o assunto eu coloco a imagem de satélite, que mostra a região de Carajás.

Nesta imagem tudo o que está em lilás é área devastada.

A simples inspeção da imagem mostra, claramente, que quem devasta são as fazendas e não a mineração.

 No centro da imagem, em verde é a área de preservação da Vale, uma floresta natural ainda virgem, no meio da qual existem alguns dos maiores jazimentos minerais do planeta, como Carajás, Salobo, Azul, Sossego e a imensa jazida S11D (Serra Sul).

Se não fosse pela mineração, que proibiu a entrada dos fazendeiros, essa região teria sido totalmente transformada em pasto. Cercando a zona verde, onde a floresta está mantida, existe um mar lilás que são as áreas onde os fazendeiros desmataram.

A imagem não pode ser mais explícita. A área ocupada pelas imensas jazidas, onde houve supressão vegetal, é quase nada quando comparada com aquela ocupada pelas fazendas.

O que vemos é, ao contrário do que muitos propagam, que a mineração protege o meio ambiente deixando uma área mínima sem a cobertura vegetal, que será recuperada no final do empreendimento.

O mesmo não ocorre nas áreas cobertas por fazendas onde a agricultura e a pecuária destruíram quase que totalmente a floresta amazônica.

É muito difícil contrapor esses fatos não é?

Nenhum comentário:

Postar um comentário