Seguidores

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Endiama confirma descoberta de maior diamante em Angola

Endiama confirma descoberta de maior diamante em Angola


O Projecto Lulo é operado no âmbito de uma associação em participação, onde a Endiama detém (32%), a Lucapa Diamond Company Limited (40% ) e a operadora Rosas & Pétalas (28%). A concessão do Lulo, de 3,000 km², está localizada a cerca de 150 km da mina de diamantes de Catoca, operada pela Alrosa, e é a quarta maior mina de diamantes do mundo, representando aproximadamente 75 porcento da produção diamantífera anual angolana.
A mina do Lulo está em exploração desde 2015, após ter recebido o título de exploração em Novembro de 2014. O maior diamante encontrado anteriormente na concessão Lulo tinha 133.4 quilates, mas o recorde anterior pertencia a um diamante registado com o nome “Estrela de Angola”, de 217,4 quilates, proveniente da Luarica, em 2007.
Em comunicado de imprensa da concessionaria, o presidente do Conselho de Administração da Empresa Nacional de Diamantes (Endiama), António Carlos Sumbula, afirmou que a recuperação do diamante de 404,2 quilates constituía um marco importante no crescimento e desenvolvimento da indústria de mineração de diamantes em Angola.
“Estamos muito felizes por termos recuperado o maior diamante jamais descoberto em Angola. Este é um passo significativo para o nosso país, a nossa indústria diamantífera e o Projecto Diamantífero do Lulo”, frisou Carlos Sumbula. Acrescentou que o campo de diamantes do Lulo constitui um exemplo do que “gostaríamos de mostrar ao mundo” a fim de encorajar o investimento internacional na indústria de mineração de diamantes em Angola”.
Já o PCA da Lucapa Diamond Company Ltd, Stephen Wetherall, disse que a Lucapa e seus associados no Lulo, a Endiama e a Rosas & Pétalas, estavam extremamente orgulhosos em terem recuperado um diamante tão excepcional.  “Sempre destacamos as particularidades muito especiais do depósito de diamantes do Lulo. Esta descoberta, assim como as outras de diamantes superiores a 100 quilates extraídos em menos de um ano, constitui mais uma prova desse facto”, afirmou Wether.
“E, enquanto continuamos a explorar estes diamantes aluvionares excepcionais dos blocos de mineração 6 e 8 do Lulo, continuamos igualmente a avançar com o nosso programa de prospecção sistemático para encontrar a fonte destes diamantes”, disse.
Por sua vez, o PCA da Rosas & Pétalas, Celso Rosas, considera-se orgulhoso pelos resultados magníficos alcançados no Lulo desde o início da exploração em 2015. Já o porta-voz da Endiama, António de Freitas, afirma que a descoberta deste diamante prova que a mina tem potencial e é um grande chamariz para captar investidores para o sector e não só e existem diamantes valorizados em Angola.
Sublinhou também que a descoberta vai possibilitar que surjam outras potenciais minas e se tenha uma ideia mais aproximada da realidade do potencial que Angola tem neste sector. Estudos feitos concluíram que 90 porcento dos Kimberlitos mineralizados se encontra no subsolo angolano, e os diamantes explorados ao longo dos últimos cem anos representam apenas uma pequena parte do explorado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário