Seguidores

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Ametista>> Familia(s) : quartzo, silicatos

Ametista

>> Familia(s) : quartzo, silicatos
Descobrir em foto :

  • Ametista de Madagascar talha esmeralda
  • Ametista rosa do Brasil talha antiga
  • Cabochão de ametista do Brasil
  • Bolas de ametista do Brasil
  • Cristais de ametista de Auvergne França
  • Fatia de cristal de quartzo ametista da Namibia
A ametista é uma variedade de quartzo violeta. Seu nome vem do grego : "a" privativo e "metisto", significando "ivresse" pois usada em amuleto estimava-se preservar os bêbados Os gregos acreditavam que beber numa taça de ametista tinha essa propriedade. Plutarte acreditava que seu nome vinha de sua cor, a de agua cortada de vinho e não uma proteção contra bêbados....
Seus cristais são implantados sobre uma gangue rochosa e por vezes a cor é mais intensa na ponta.
A ametista é conhecida desde a mais alta antiguidade, pois foram encontrados cabochões montados sobre joias egipsias, o faraò usava uma no peito, ao lado de onze outras pedras raras, então bem antes o grande padre judeu pela qual ele simbolizou uma das doze tribos de Israel. O Apocalipse a menciona no capitulo 21, versiculo 20, na descrição de Jerusalém celeste; segundo São-João. Foi também a cor do apostolo Judas.
Ela ornamenta o anel do episcopado, da mesma cor que o violeta da sua batina. Mestre Albert le Grand, em torno dos anos 1250, insistia ainda que "esta pedra é remarcavel para os que bebem e os sabios"

Local de extração

Ela é uma pedra extremamente conhecida através do mundo e pode-se dizer que ainda ha possibilidades de encontra-la por onde ainda exista filões de quartzos, mas mais particularmente em Madagascar, no Mexico, no Uruguai, na Russia (no Oural) na India; na Romênia (Capnic), na Eslovaquia (Banska Stiavnica), no Brasil.
A França foi um pais produtor apreciado desde a Antiguidade e ainda na Idade Média : espanhois chegavam até a Auvergne para se abastecerem.
Depos de algunas decenias; o sul do Brasil (Rio Grande do Sul, Bahia) é o primeiro produtos mundial de geodos colossais presos nos rochas, tapetados de uma multidão de cristais, podendo pesar até uma tonelada; medindo até 2,50 m de comprimento e 1m de diâmetro. Existe até uma burgada com nome evocativo : "Ametista". Conhece-se cristais atingindo 25 centimetros de comprimento. O maior geodo encontrado em 1900, media 10 m de altura, 5 de largura e 3 de profundidade e pesava 7 toneladas.

Utilização em joalheria

Ela é extremamente variada e remonta à mais alta Antiguidade, fazia-se joias e objetos preciosos. Os mais bonitos cristais são lapidados em brilhantes à facetas, alongados ou redondos, os outros passados no tambor ou façonados em objetos decorativos…sem esquecer as lapidações antigas que eram consideradas evitar a bebida e suas talhas executadas na ponta de quartzo!.
Existe no gabinete das medalhas da Biblioteca nacional de França, Franmois-Mitterand, inumeros talhes antiques e no Luvre; taças de grandes dimensoes. O tesouro da torre de Londres carrega uma enorme esfera de ametista transparente e facetada, sobreposta do maior diamante proveniente do Culliman I, a estrela da Africa. A apelação ametista oriental que é utilizada por espinélio violetas é proibida. A ametista é a pedra de aniversario do 6° ano de casamento.

Cuidado e precaução no cotidiano

Esta pedra foi e é ainda a mais utilizada em joalheria, pois ela não é fragil, mais dura que o vidro, ela é resistente aos produtos de limpeza. Pode ser lavada com agua adicionada de liquido usado em louça e enxagua-se primeiramente com agua e depois alcool, antes de secar. Por outro lado, ela é sensivel ao calor : se ela for fortemente queimada por acidente ela se torna amarela ou verde.

Litoterapia cultural e historica

Ela seria util nos casos de perturbações ligadas ao estresse, àas tensões, aos acontecimentos insuportaveis…simbolizaria a sabedoria, a humildade, a sinceridade, a piedade…e nos ensinaria a confiança nas forças universais, suas vibrações trazem calma e dissipam as angustuas, as preocupações, a colera.
Ela criaria um ponto entre o ceu e a terra; reforçaria o amor do divino, eliminaria as intenções egoistas favorecendo o desineresse. Unindo as forças vermelha e do azul à violeta, ela conferiria o equilibrio e estabilidade no amor. Ela nos desvendaria os segredos da vida que somos incapazes de ententer e nos daria indicações preciosas para compreender nossos sonhos e clarear as predições. Ela facilitaria a intuição, a meditação e nos guiaria de encontro ao nosso verdadeiro destino.
Nos templos budistas onde é importante as ciências esotéricas, as capelas em ametista são puito procuradas.Um geodo de ametista exposto em um cômodo, purificaria a atmosfera e traria a calma.
Suas funções atenuantes permitiriam de evitar a insônia e, colocada sob o travesseiro, ela facilitaria o sono pacifico trazendo sonhos agradaveis. Na idade média, ela servia à curar os neuroticos, as alucinações, o histerismo.

Imitações e tratamentos

Ela pode ser tratada termicamente, mas ela muda de cor e se torna amarema (citrina) ou verde (praziolita) a temperaturas diferentes. Apos trabalhos puramente cientificos sabe-se fabricar pedras sintéticas (Japão, Russia) onde as propriedades fisicas são idênticas àas naturais mas elas diferem por ausência de inclusões, se parecem todas como produtos de série. São mesmo feitas em matéria plastica.
De fato, isso não é interessante sobre o plano comercial, a ametista natural sendo muito conhecida e de premo razoavel.

Pedras historicas e legendas

A mitologia nos conta que Zeus enganara, mais uma vez, sua esposa com a princesa Semelé, que colocara no mundo Dionisos, um meio-deus que se torna deus do vinho e do êxtase. Bêbado, se deixa cair sob o charme da bela ninfa Amethis e quiz ama-la. Ela chama Arténis para lhe acudir, a deusa da caça. Para proteger Amethis; ela transforma em um cristal Dionisos, apos ter se tornado louco furioso reencontra seu controle e tenta reunir neste cristal seus dois amores, o do vinho e da ex-ninfa : ele enche de vinho o cristal que pega a cor violeta da ametista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário