Seguidores

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Espinélio>> Familia(s) : oxidos

Espinélio

>> Familia(s) : oxidos
Descobrir em foto :

  • Espinélio da Tanzânia talha antiga
  • Cristal de espinélio vermelho sobre rocha de marmore de Mogok na Birmâna
  • Excepcional cristal gema de espinélio rosa de Kuh-i-lal no Tadjiquistão
  • Cristais de espinélio de Mogok na Birmânia
  • Espinélio violeta talha oval do Sri Lanka
  • Espinélio vermelho da Tanzânia
  • Espinélio verde do Sri Lanka
  • Espinélio talha esmeralda do Sri Lanka
  • Cristal de espinélio rosa do Tadjiquistão
  • Inclusão de tipo solido : cristal de um cristal de espinélio mais colorido
Trata-se de uma gema pertencendo à todo o grupo de minerais proximos uns dos outros e ele foi numerosas vêzes qualificado de impostor pois ele estaria presente nas mesmas jazidas que o rubi e a safira e frequentemente foi confundido com estas gemas.
Alguns "dizendo" rubis são na realidade espinélios, como o Principe Negro da coroa da Inglaterra ou os da coroa dos Wittelsbach.
Ele é conhecido desde a antiguidade e a origem de seu nome permanece imprecisa, apesar de que possa se tratar de uma evocação de "pequenos espinhos" do fato de seus cristais à seis pontas.
O rubicelio se concentra na cor laranja, amarela ou castanha.
O espinélio-vassoura é de cor vermelha.
O pleonastro, ou ceilonita, verde muito escuro e opaco, quase preto.
O hercinita é um espinélio que contém ferro verde preto de densidade 3,95.
A gahnita ou ganho-espinélio é vermelho-violeta, azul a azul escuro, verde chegando a preto e ela contém zinco (ZnAI204), sua densidade podendo atingir 4,62.
A picotita é um espinélio que contémcromo verde sombrio de densidade 4,2.
Os dois maiores espinélios conhecidos estão no British Museum, em Londres, cristais octaédricos pesando 520 quilates cada um. A Russia possui um de 400 quilates.

Local de extração

Encontrado onde existe rubis e safiras, em jazidas aluvionares. Na Birmânia (região de Mogok, Namya), no Sri Lanka (perto de Ratnapura), no Afeganistão, no Tadjiquistão, na Australia, no Brasil, nos Estados Unidos (Nova Jersey), em Madagascar, no Nepal, na Nigéria, na Tanzânia, na Tailândia.

Utilização em joalheria

Na realidade ele foi muito utilizado em joalheria…mas sob o nome de rubi, com o qual era confundido muito facilmente quando é vermelho sangue.
Assim sendo, é natural que esta gema seja cada vez mais utilizada em joalheria. Os espinélios "rosa framboesa" recentemente descobertos na Tanzânia trazem tonalidades de cor raras na gama disponivel entre as pedras preciosas. As tonalidade delicadas dos rosas dos espinélios do Tadjiquistão não encontram equivalência no universo da joalheria, eles se casam particularmente bem com as cores de outras gemas.
O espinélio é a pedra de aniversario do 22° ano de casamento.

Cuidado e precaução no cotidiano

Gema facil de manutenção e solida. Insensivel aos produtos de limpeza. Ela tem tudo para uma utilização em joalheria, ela merece ser conhecida com seu verdadeiro nome! O joalheiro deve fazer atenção de não a queimar demasiadamente pois ela pode perder sua intensidade de cor.

Litoterapia cultural e historica

Esta seria uma pedra muito poderosa, entre o zircão e a granada, uma pedra de consolidação e de realinhamento dos chacras. Mais poderosa que a ametista se ela é violeta, tanto quanto o schörl se ela é preta, protegendo contra as energias negativas, suas propriedades estando proximas das do rubi. O espinélio azul teria propriedades bastantes proximas das da tanzanita.
Os espinélios vermelhos muito poderosos seriam desaconselhados às pessoas violentas, irritadas e agressivas.
O espinélio preto seria uma verdadeira proteção, muito poderosa, contra as agressões, as energias negativas, as forças prejudiciais que ele devolveria pelo efeito espêlho, de volta às trevas de onde nascem.

Imitações e tratamentos

Sabe-se sintetizar o espinélio desde 1920.

Pedras historicas e legendas

O espinélio vermelho sempre provocou fascinio aos grandes deste mundo desde séculos, era a pedra das coroas. Tamerlan, grande conquistador da Asia central era louco pelo espinélio. Apesar dos conselhos dos velhos sabios que previam grandes infortunios se o deus da guerra fosse liberado, é em 1941, em Samarcande, que cientistas russos abriram o tumulo, sobre o qual estava escrito .
Na realidade, alguns dizeres de certas crônicas da época, coisas surpreendentes teriam sido produzidas, o primeiro dia a cidade teria caido na obscuridade, a segunda tampa do tumulo se quebrara e o terceiro o exército alemão apesar do pacto de não agressão, invade a Russia.
Este precursor dos grandes Mongois enviara exércitos para proteger a mina de "Kuh I Lal" hoje no Tadjiquistão. Ele fez trazer espinélios nomeados na época de "rubis vassoura" vassoura, vindo da deformação linguistica de Badakshan região de onde eram provenientes estas pedras. Durante todo o periodo Mongol, encontravam-se gemas sobre as quais figurariam inscrições usando o nome dos imperadores.
E existe ainda hoje no tesouro da Inglaterra um colar feito de espinélios, sobre os quais se encontram entalhes nomeados "o colar de Timur". Neste mesmo tesouro se encontra sobre a coroa imperial da Rainha da Inglaterra, "o rubi do Principe Negro". Esta gema é um espinélio proveniente da mina de "Kuh I Lal", ele foi dado em 1367 ao Principe Negro em agradecimento por seus leais serviços pelo Rei de Castilha. Meio século mais tarde ele salvara a vida do Rei Henri V na batalha de Azincourt, a pedra carrega inda a marca do machado que ela desviou e que teria fundido o crânio do soberano.
Na França o célebre espinélio "côte de Bretagne" (costa da Bretanha) lapidado em forma de dragão ornamenta a lã de ouro de Luiz XV.

Nenhum comentário:

Postar um comentário