Seguidores

quinta-feira, 9 de março de 2017

O plano da NASA para tornar Marte habitável

O plano da NASA para tornar Marte habitável

O plano da NASA para tornar Marte habitável
Qualquer semelhança com a Terra é mera coincidência: à esquerda é como os cientistas imaginam que Marte era no passado; à direita, como ele é hoje.[Imagem: NASA]

Seus próprios criadores reconhecem que se trata de uma estratégia que pode parecer obra de ficção científica, mas eles acreditam que já é possível sonhar com esse efeito de
 terraformação.Terraformação
Cientistas da Nasa dizem que Marte poderia ser habitável caso fosse criado artificialmente algo que a Terra já tem: um campo magnético protetor.
Esse escudo é essencial para evitar o impacto da radiação e dos ventos solares, que assolam continuamente a atmosfera dos planetas.
De acordo com pesquisadores da Divisão de Ciência Planetária da Nasa, pode ser possível gerar um campo semelhante ao redor do Planeta Vermelho.
De olho no passado
Hoje, Marte é um planeta dominado pelos extremos. A falta de atmosfera faz, por exemplo, com que a temperatura média seja de -63°C, mas com variações que vão de 35°C durante o dia até -140°C durante a noite.
Mas o Planeta Vermelho era muito diferente no passado: dados das missões Maven, da Nasa, e Mars Express, da ESA (agência espacial europeia) sugerem que ele tinha um campo magnético natural.
Essa proteção sumiu há cerca de 4,2 bilhões de anos, eventualmente pelo resfriamento do núcleo do planeta. Como resultado, a atmosfera marciana desapareceu gradualmente ao longo do tempo, varrida pelo vento solar. Na Terra, a magnetosfera impede essa varrição cósmica.
O que os pesquisadores propõem, então, é recuperar a atmosfera marciana usando tecnologia para criar uma magnetosfera artificial e restaurar o planeta Marte do passado, com sua atmosfera, temperaturas mais altas e eventualmente até com parte de seus antigos oceanos.
O plano da NASA para tornar Marte habitável
Campo magnético artificial protegeria Marte da radiação e dos ventos solares. [Imagem: NASA]
Campo magnético
"No futuro, é bem possível que ela (a tecnologia) possa gerar um campo magnético de 1 a 2 Teslas contra o vento solar", disse Jim Green, da divisão de ciência planetária da Nasa.
Green e seus colegas propõem a instalação de um dipolo magnético, na forma de um satélite, para que ele acompanhe o planeta em sua órbita, protegendo-o. Um dipolo é um elemento específico que produz um campo magnético dipolar (dois polos magnéticos opostos).
O cientista lembra que estão em andamento projetos para criar magnetosferas artificiais em miniatura para proteger tripulantes de naves espaciais e mesmo escudos magnéticos para proteger naves na reentrada.
De acordo com as simulações, um campo magnético implantado no ponto de Lagrange L1 - ponto de equilíbrio gravitacional entre Marte e o Sol - seria capaz de ampliar a espessura da atmosfera e produzir um aumento da temperatura em 4°C.
O plano da NASA para tornar Marte habitável
Marte é um planeta de condições extremas: as temperaturas vão de -130°C a 35°C. [Imagem: NASA]
Colônia humana
O aumento na temperatura do planeta é bem menor do que os cientistas esperavam, mas eles acreditam que o efeito poderia se multiplicar.
O aumento da temperatura, por sua vez, poderia derreter o dióxido de carbono no polo norte do planeta. E isso criaria um efeito estufa que aumentaria ainda mais a temperatura até alcançar condições compatíveis com a presença de água no estado líquido.
"Uma atmosfera marciana com maior temperatura e pressão permitiria que houvesse água em estado líquido suficiente na superfície para melhorar a exploração humana na década de 2040", disse Green.
Para ele, se fosse criado um campo magnético artificial, "as novas condições em Marte permitiriam que os pesquisadores e exploradores estudassem o planeta com muito mais detalhes. E se isso for alcançado... a colonização de Marte não estará muito longe."
O plano da NASA para tornar Marte habitável
Quando Marte perdeu o campo magnético, sua atmosfera foi progressivamente eliminada. [Imagem: NASA]
Cautela
Apesar do entusiasmo com a ideia, trata-se ainda de um conceito, e a equipe reconhece que este primeiro estudo está longe de oferecer as soluções definitivas para prover habitabilidade em Marte.
As simulações não contam com dados suficientes para prover cenários confiáveis sobre como o escudo artificial impactaria o clima marciano. E, principalmente, a tecnologia para a geração do campo magnético ainda está por ser desenvolvida.

Em discursos, executivos da NASA insistem em uma presença humana em Marte na década de 2030, mas mesmo os planos mais detalhados para colocar o homem em Marte em 2039 ainda não estão em andamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário