Seguidores

quarta-feira, 19 de abril de 2017

A Terra já entrou em uma nova era geológica, dizem os cientistas







A Terra já entrou em uma nova era geológica, dizem os cientistas



Não é nenhum segredo que a nossa espécie tem causado um impacto muito grande no planeta. Mas os pesquisadores agora descobriram evidências definitivas de que os seres humanos trouxeram uma nova época geológica, em que nossas ações são a principal força motriz na Terra. Bem-vindo ao Antropoceno.
Os cientistas estão prevendo que estamos vivendo nesta nova época durante anos, no entanto, era geralmente assumido que o Antropoceno começou como um resultado da revolução industrial no final de 1700. Mas depois de estudar o impacto ambiental dos seres humanos ao longo dos últimos 50 mil anos, pesquisadores da University College of London, no Reino Unido, não só confirmaram que a nova época é definitivamente agora, como também apontaram que tudo começou em 1610 – muito provavelmente como resultado dos europeus colonizando as Américas.
“O Antropoceno provavelmente começou quando os povos trocaram de continentes, começando quando o Velho Mundo conheceu o Novo”, disse Simon Lewis, o principal autor do estudo que foi publicado hoje na revista Nature. “Nós, seres humanos, somos hoje uma potência geológica – como a Terra muda após a queda de um meteorito.”
Enquanto isso não pode ser uma grande coisa para o meio ambiente, não há como negar que é um feito impressionante. Todas as épocas anteriores começaram e terminaram devido às grandes mudanças físicas, tais como quedas de meteoritos, erupções vulcânicas ou o deslocamento dos continentes. Uma única espécie trazendo uma nova época geológica por conta própria? Bem, isso é realmente uma grande coisa.
A fim de definir uma nova era, existem dois critérios principais que precisam ser cumpridos. Primeiro, precisa ser documentado mudanças de longa duração na Terra. Em segundo lugar, os cientistas precisam o que é chamado de “pico de ouro” – uma mudança ambiental global encontrada em materiais naturais, como rochas, gelo ou sedimentos do fundo do oceano, que podem ser datados e identificados a um ano específico.
Depois de vasculhar o registro geológico, a equipe encontrou apenas 2 anos nos últimos 50 mil que se encaixam no segundo critério – 1610 e 1964, quando a precipitação a partir de testes de armas nucleares alteraram drasticamente o planeta. Mas os pesquisadores descartaram 1964 como o início de uma nova época, porque, até agora, as armas nucleares não desencadearam duradouras alterações documentadas para o planeta.
Então o que aconteceu em 1610 que deixou uma marca no planeta que foi mais significativa do que a precipitação nuclear? O ponto de ouro de 1610 veio na forma de uma queda dramática nos níveis de CO2 atmosféricos capturados nos registros de gelo na Antártida. Os pesquisadores acreditam que essa queda foi provocada pela chegada dos europeus nas Américas em 1492 – uma mudança que levou à introdução da varíola e da morte de cerca de 50 milhões de americanos indígenas dentro de poucas décadas. Isso colocou um fim abrupto à agricultura em todo o continente, e também permitiu que as florestas da América Latina regredissem e começassem a sugar o carbono novamente, fazendo com que os níveis de CO2 declinassem entre 7 e 10 partes por milhão.
E, ao contrário dos testes com armas nucleares de 1964, a colonização das Américas também causou mudanças de longo prazo na Terra através do comércio global de produtos como o milho e as viagens inter-continentais.
“Muitos historiadores consideram importações de produtos agrícolas para a Europa a partir das vastas novas terras das Américas como precursor essencial da Revolução Industrial, que por sua vez desencadeou novas ondas de mudanças ambientais globais”, disse Lewis.
Mas, apesar de todas as provas necessárias para anunciar uma nova época estarem aí, a mudança não é oficial, por enquanto. Formalmente, a ratificação de um nova era precisa ser feita pela União Internacional de Ciências Geológicas. Mas eles esperam que esta nova pesquisa irá ajudar a fazerem isso. [SciencAlert]
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário