Seguidores

quinta-feira, 13 de abril de 2017

O diamante Beau Sancy

O diamante Beau Sancy



A gema conhecida como "Beau Sancy" (Belo Sancy) é um dos mais importantes diamantes históricos existentes. Lapidado em forma de pera e com 34,98 quilates, esteve nas joias das famílias reais da França, Inglaterra, Prússia e Holanda, testemunhando 400 anos da história europeia.
O diamante apareceu em registros pela primeira vez em 1595, quando Nicolas Harlay de Sancy, futuro Ministro das Finanças do rei francês Henrique IV (1553-1610), o colocou à venda. Comprado em Constantinopla em meados do século XVI, o diamante muito provavelmente é originário das minas localizadas perto da cidade de Golconda, Índia e que foram fontes de outros diamantes espetaculares, como o Hope, o Regente e o Koh-i-Noor.
Em 1604, O Beau Sancy foi comprado por Henrique IV como um presente à sua segunda esposa Maria de Médicis (1575-1642) por 25 mil escudos de ouro, para ser colocado no topo da coroa usada por ela na cerimônia de sua consagração como rainha, em 1610.
Após o assassinato de Henrique IV por Ravaillac, Maria de Médicis foi exilada pelo próprio filho, o novo rei francês Luis XIII, que tinha como primeiro-ministro o Cardeal Richelieu, inimigo da rainha. Depois de várias reviravoltas políticas, pois Maria De Médicis queria a todo custo voltar a ter poder político na França, em julho de 1631 a rainha-mãe foge para Bruxelas. Desgastada  por causa das tramas empreendidas para sua volta triunfal à França, o que nunca ocorreu, em 1638 Maria de Médicis vai para a Inglaterra na esperança de ser ajudada pelo genro Carlos I (1600-1649), casado com sua filha Henriqueta Maria.

Maria de Médicis foi recebida na corte inglesa com uma pensão substancial. Como era católica, logo despertou a ira dos protestantes, que em 1641 exigiram a sua partida. A rainha-mãe francesa viaja então primeiro para os Países Baixos onde, cheia de dívidas, vende o Beau Sancy para o príncipe Frederico Henrique de Orange-Nassau (1584-1647) por 80 mil florins e depois parte para seu último destino, a cidade de Colônia, na Alemanha, onde fica hospedada na casa do pintor Pedro Paulo Rubens até sua morte.
Em 1641, o diamante é usado para reforçar as alianças das províncias unidas holandesas com os grandes poderes políticos europeus: o casamento do filho do príncipe Frederico Henrique, mais tarde Guilherme II de Orange-Nassau (1631-1660), com a princesa Maria Stuart, filha dos reis da Inglaterra e neta de Maria de Médicis. Após a morte do marido, Maria Stuart volta para a Inglaterra com suas joias, incluindo o Beau Sancy.
Em 1677, por ocasião do casamento de Guilherme III de Orange-Nassau (1650-1702) com  a princesa Maria II Stuart, filha do rei inglês Jaime II, o Beau Sancy entra novamente para o tesouro da Casa de Orange-Nassau. Em 1689, Guilherme III e Maria II Stuart ascendem ao trono inglês e o diamante passa a fazer parte da joias da Coroa inglesa. Quando os reis morrem sem deixar herdeiros, o diamante volta para a Casa de Orange-Nassau.
Em 1702, em consequência de uma disputa entre os herdeiros da Casa de Orange, o recém-coroado Frederico II de Hohenzollern (1712-1786), primeiro rei da Prússia, desiste de todas as joias do seu legado para obter o Beau Sancy. O valor simbólico e o prestígio da já célebre gema é tanto, que o rei a torna o principal ornamento na coroa real da Prússia e associa o diamante à primeira ordem prussiana, a Ordem da Águia Negra.
Maior gema da Coleção dos Hohenzollern, o Beau Sancy passou de geração em geração dentro da mesma família até maio de 2012, e foi usado pelas mulheres da casa real em importantes ocasiões.
Quando o último imperador alemão, e também rei da Prússia, fugiu em 1918 para o exílio nos Países Baixos, as joias da coroa e o Beau Sancy permaneceram em Berlim. No final da Segunda Guerra Mundial, a coleção foi transferida para um cofre em Bückeburg, onde foi encontrada pelas tropas inglesas e devolvida aos Hohenzollern. Depois da guerra, o diamante passou pelos herdeiros da finada casa real da Prússia até ser herdado pelo príncipe George Frederico Hohenzollern, que decidiu entregá-lo à casa de leilões Sotheby's.
Em 15 de maio de 2012, o Beau Sancy foi leiloado em Genebra, Suíça, arrematado por quase dez milhões de dólares (exatos US$9.699.618,00), preço bem acima dos valores estimados pré-venda (entre 2 e 4 milhões de dólares). O lance, por telefone, foi dado por um comprador anônimo

Nenhum comentário:

Postar um comentário