Seguidores

sábado, 6 de maio de 2017

A moeda mais cara do mundo- Kimberlitos no Brasil

A moeda mais cara do mundo

Kimberlitos no Brasil


Estão em exposição na Goldsmith’s Hall em Londres.

Fabricada pela primeira vez em 1850, a moeda era produzida com o ouro cunhado na Califórnia, chamada de “Double Eagle”, seu valor de cunhagem é de US$ 20.
A maior parte da produção foi derretida para tentar conter a crise. Treze unidades são conhecidas, até hoje e uma delas foi arremata em leilão por US$ 7,6 milhões (R$ 13,1 milhões) em 2002.
Em 1907, passou por uma remodelação e foi descontinuada em 1933, quando o presidente Franklin Roosevelt tirou o país do “padrão ouro” para salvar a economia durante a Grande Depressão iniciada em 1929.
Este raro exemplar está em exibição na Goldsmith’s Hall em Londres.
Kimberlitos no Brasil
 Kimberlito é vulgarmente conhecido como a rocha que contêm diamantes. Na realidade, não é um tipo específico de rocha, mas sim um grupo complexo de rochas ricas em voláteis (dominante CO2), potássicas, ultramaficas híbridas com uma matriz fina e macrocristais de olivina e outros minerais como: ilmenita, granada, diopsidio, flogopita, enstatita, cromita. Os Xenocristais e Xenólitos são comuns (inclusive de diamantes).
São formados pela fusão parcial do manto a profundidades maiores que 150 km. A ascensão do magma kimberlítico a superfície traz diversos xenocristais e xenólitos formados em grandes profundidades, entre eles o diamante, desde que o magma tenha passado por regiões no manto/crosta que fossem ricas neste mineral.
Ou seja, o magma que forma o kimberlito não é o produtor de diamante, apenas um meio de transporte.
Os depósitos da região de Kimberley na África do Sul foram os primeiros reconhecidos e deram origem ao nome.
Os diamantes de Kimberley foram encontrados originalmente em kimberlito laterizado. Classifica-se grosseiramente, em função das características do kimberlito de Kimberley o kimberlito como sendo “yellow ground” e “blue ground”.
 Yellow ground é relativo ao kimberlito intemperizado que se encontra na superfície. Blue ground é relativo ao kimberlito não intemperizado, encontrado em profundidades variáveis.
O kimberlito ocorre principalmente nas zonas de crátons, porções da crosta terrestre estáveis desde o período Pré-Cambriano. No Brasil existem três áreas cratônicas.
O cráton Amazônico é a principal delas, porém ao sul de Rondônia e norte do Mato Grosso também encontra-se kimberlitos.
O cráton do São Francisco ocupa grande parte de Minas Gerais e destaca-se na região sudeste do Brasil, porém nele, com exceção dos kimberlitos pobres da Serra da Canastra, não se conhecem rochas kimberlíticas mineralizadas.


           


Kimberlito Redondão, na serra das Guaribas, sudoeste piauiense

Nenhum comentário:

Postar um comentário