Seguidores

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Operação retira garimpeiros sem confronto em MT

Operação retira garimpeiros sem confronto em MT


A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT) retomou nesta quarta-feira (3) a operação “Serra da Borda”, que tem o objetivo de retirar os garimpeiros remanescentes da Serra do Caldeirão, em Pontes e Lacerda (443 km de Cuiabá). De acordo com informações preliminares, a ação “foi um sucesso” e as forças de segurança desenvolveram o plano “sem nenhum percalço”.
No momento, segundo agentes que fazem parte da operação, as Polícias Civil e Militar estão “finalizando a varredura no local, que já está retomado”. A ação contou com o suporte dos Bombeiros Militares, peritos da Politec, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), a Força Tática, a Rotam, a Gerência de Operações Especiais (GOE), o Grupo Armado de Resposta Rápida (Garra) e um helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer).
O número de trabalhadores que se encontravam na área do garimpo não é oficial, mas estima-se que ao menos mil garimpeiros estariam à procura de ouro na região.
No último dia 24 de abril, as Forças de Segurança Pública de Mato Grosso já haviam iniciado os preparativos para a operação com a instalação de barreiras na região que bloqueavam o acesso de garimpeiros que pretendiam alcançar as áreas de garimpo. A extração de ouro no Brasil depende de autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Atualmente, a Mineração Apoena, do grupo Tarauacá, detém uma licença de pesquisa mineral na área, que também é desejada por mineradores autônomos.
Na última terça-feira (2) um grupo de garimpeiros se dirigiu a sede do Ministério Público Estadual (MPE-MT) de Pontes e Lacerda para tentar adiar a operação. Eles alegavam que haviam equipamentos utilizados na extração de metais e pedras preciosas que não poderiam ser retirados a tempo antes da ação das Forças de Segurança Pública de Mato Grosso, e, por isso, corriam o risco de perder suas ferramentas e máquinas. Os mineradores, entretanto, não foram atendidos.
INVASÕES
A primeira invasão a área de garimpo ilegal foi registrada em setembro de 2015. Na ocasião, milhares de pessoas se dirigiram a região seduzidas por imagens e vídeos que circulavam nas redes sociais e que mostravam grandes quantidades de ouro. O caso ganhou repercussão nacional.
Em 2015, a Justiça Federal determinou a desocupação da área uma vez que a exploração do metal precioso era feita sem autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), órgão ligado ao Ministério das Minas e Energia.
A região foi desocupada num trabalho conjunto entre a Força Nacional, a Polícia Federal, as Polícia Rodoviária Federal, as polícias Civil e Militar de Mato Grosso, além das Forças Armadas.
Porém, em julho de 2016, a região voltou a ser invadida. Em torno de 20 garimpeiros foram detidos pela Polícia Militar e encaminhados à Polícia Judiciária Civil (PJC). Já em dezembro do ano passado, um grupo fortemente armado rendeu os seguranças de uma mineradora que possui autorização para realizar pesquisa mineral no local e invadiram novamente a área.
Fonte: Folhamax

Nenhum comentário:

Postar um comentário