Seguidores

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Vale muda gestão de minas e corta custos

Vale muda gestão de minas e corta custos


A Vale está implantando um novo sistema de gestão da produção nas minas de minério de ferro e de manganês que será importante na estratégia da empresa de continuar a reduzir custos e aumentar a produtividade. O desenvolvimento de uma plataforma única para fazer a gestão integrada da produção nas minas no Brasil está em linha com a decisão da mineradora de privilegiar margens ao invés de volumes no minério de ferro. A aposta é que o uso de inovação e de tecnologia pode contribuir no esforço da Vale de se tornar uma empresa ainda mais enxuta e competitiva.
O novo sistema de gestão da produção do minério de ferro e de manganês foi desenvolvi do em parceria com a Chemtech, empresa do grupo alemão Siemens. A ferramenta permitirá gerir de forma integrada 38 minas, plantas de beneficiamento e entrepostos logísticos. É esperada uma economia de US$ 70 milhões até 2020. O número será garantido por redução nos custos de TI, uma vez que haverá plataforma única de gestão, em substituição a diferentes sistemas antigos. São esperados também ganhos resultantes de maior produtividade de mão de obra e de equipamentos. E deverá haver menores impactos operacionais por indisponibilidade do sistema.
Jânio Souza, gerente de inovação em TI da Vale, disse que a empresa tinha vários sistemas diferentes de gestão da produção do minério de ferro, alguns com mais de 25 anos, que foram incorporados à medida que a Vale fez aquisições no começo dos anos 2000, incluindo empresas como MBR, Ferteco e Caemi. “Buscamos uma solução única para substituir os sistemas antigos dentro da necessidade [da Vale] de simplificar e reduzir custos”, disse Souza. O novo sistema unifica 17 sistemas de gestão da produção de minério de ferro que vinham sendo usados.
O novo sistema permitirá padronizar indicadores, facilitando a comparação entre diferentes operações de minas e haverá mais informação em “tempo real” sobre como os ativos estão sendo usados. “Conseguimos ver desvios [no processo produtivo] próximo do tempo real e tomar ações”, disse Souza.
Breno Bregunci, diretor de vendas da Chemtech, disse que com o novo sistema é possível dar maior transparência ao processo de informações para verificar, por exemplo, se houve algum desvio de qualidade no minério de ferro a ser entregue a um cliente antes de que o produto chegue ao destino. Bregunci disse que o sistema permite identificar eventuais problemas de especificação do produto de forma prévia de maneira a permitir a tomada de ações de “blendagem” (mistura) do material para elevar a qualidade antes do despacho do produto ao cliente.
“O sistema dá maior segurança para entrega do produto especificado pelo cliente e é possível ter uma noção do que acontece em tempo real. É um sistema amplo, atrelado à internet das coisas [conexão entre dispositivos eletrônicos]“, afirmou Bregunci. Segundo ele, o sistema também permite ter “visibilidade” sobre a parada programada de equipamentos para manutenção e seus efeitos na operação logística.
Souza, da Vale, disse que até o fim deste ano o sistema de gestão da produção estará implantado em todas as unidades de minério de ferro da Vale no Brasil. O sistema começou a ser instalado no ano passado em algumas unidades em Minas Gerais e depois houve implantação no Pará. “Com o sistema integrado nas minas, conseguimos padronizar vários conceitos. Podemos comparar o desempenho entre diferentes unidades, no Sudeste e no Norte”, disse Fabrícia Lenharo, responsável pelo projeto na área de ferrosos da Vale.
Fonte: Valor / Portos e Navios

Nenhum comentário:

Postar um comentário