Seguidores

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Acionistas da Vale têm até 11 de agosto para optar por conversão de papéis

Acionistas da Vale têm até 11 de agosto para optar por conversão de papéis


Os investidores que possuem ações preferenciais (PN, sem direito a voto) da Vale têm até 11 de agosto para optar pela conversão de seus papéis em ordinários (ON, com voto). Com a mudança, passarão a ter direito a voto nas assembleias, mas também terão a sua participação na empresa levemente diluída, ou seja, menor que a atual. Ainda assim, analistas veem como positiva a reestruturação societária da mineradora, que deverá culminar na entrada no Novo Mercado, o patamar mais elevado de governança corporativa da B3 (antiga BM&FBovespa). A expectativa é que outras grandes empresas sigam esse caminho no futuro.
No Brasil, é comum algumas empresas terem duas classes de ações. As PN, que têm a preferência no recebimento de dividendos, e as ON, que dão direito a voto nas assembleias, ou seja, ao controle de fato da companhia. Na avaliação de Bruno Giardino, analista do Santander, a conversão irá melhorar a liquidez dos papéis da empresa, em especial entre estrangeiros, pois no exterior o mais usual é uma classe única de ação:
— Essa mudança tem um efeito positivo no papel, porque a liquidez vai aumentar, embora seja algo difícil de quantificar. A Vale já tem um relacionamento bom com o acionista, e fazer parte do Novo Mercado não é garantia de nada. No entanto, o estrangeiro vê isso como um certificado, e pode ajudar na liquidez.
No Novo Mercado, além da empresa só ter papéis ON, ou seja, uma ação é igual a um voto, os acionistas minoritários passam a ter direito a um tag along de 100% no caso da venda do bloco controlador da empresa. Isso significa que, se alguém comprar a Vale, o que for pago por ação terá de obrigatoriamente ser oferecido aos minoritários.
A reestruturação societária foi proposta em fevereiro pela Valepar, que é o grupo de controle formado por BNDESPar, Bradespar, a japonesa Mitsui e fundos de pensão (Petros, Funcef e Previ). Também foram sugeridas a incorporação da Valepar pela Vale e a mudança no estatuto social que permita essa entrada no Novo Mercado. Na semana passada, em assembleia, os minoritários decidiram aceitar a reestruturação. Nela, cada papel PN será trocado por 0,9342 ON. Já os controladores vão receber 1,2065 para cada papel ON que já tenham.
GESTÃO GANHARIA COM CONTROLE PULVERIZADO
Giardino lembra que o principal fator de risco para a Vale, e o que determinará a sua valorização ou não, é o desempenho dos preços do minério de ferro, mas que a proposta é positiva. A diluição, afirma Marco Saravalli, analista da XP Investimentos, acaba sendo compensada pelos benefícios da maior liquidez e de uma estrutura de maior governança.
— Vai ser uma aula de governança para as demais empresas já listadas. Agora todos vão ter o mesmo direito a voto e proventos. Por isso a nossa recomendação é que os acionistas façam a adesão à conversão — diz Saravalli.
Para a proposta de reestruturação ir em frente e a Valepar ser incorporada pela Vale, é necessário que 54,09% dos detentores de papéis PN aceitem a conversão até 11 de agosto. A expectativa é que isso ocorra, já que a aprovação às mudanças na assembleia atingiu 68% nesse grupo.
Além da liquidez, Saravalli elenca outros benefícios para a empresa e os acionistas. Um deles é o ganho que deve ter a gestão com um controle pulverizado. Isso daria à Vale um papel de corporação, ou empresa sem dono, comum em países com um mercado acionário mais desenvolvido, mas raro no Brasil — uma das exceções é a Renner. Outro ganho seria a redução da percepção de risco, devido à melhor governança, e, consequentemente, do custo de financiamento da empresa. E, com menos encargos de dívida, os lucros tendem a melhorar.
Nos últimos meses, os papéis da Vale se beneficiaram da alta dos preços do minério de ferro. Mas há a expectativa de que estes cedam um pouco, com a demanda menor da China. Ainda assim, as expectativas para a empresa e seus papéis são positivas.
— As ações da Vale já andaram bastante, mas essa mudança vai melhorar a liquidez. Com a Vale no Novo Mercado, no futuro outras empresas podem fazer o mesmo, em especial as do setor de mineração e siderurgia — avalia Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora.
No ano, as ações PN da Vale acumulam alta de 15,3%, e as ON, de 12,9%. A título de comparação, o Ibovespa, que reúne os papéis de maior liquidez negociados na B3, sobe pouco mais de 4%.
Fonte: Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário