Seguidores

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Os 10 quadros mais caros do mundo


Os 10 quadros mais caros do mundo
Para você pode parecer um simples rabisco ou um retrato mal feito, mas para os especialistas em arte, essas são as pinturas mais caras do mundo já vendidas:
quadrosss

10º. Salvator Mundi – Leonardo da Vinci: US$ 127,5 milhões
Data da obra: 1490-1519 | Data da venda: Maio 2013
quadros-mais-caros-10
9º. Portrait of Adele Bloch-Bauer I – Gustav Klimt: US$ 135 milhões
Data da obra: 1907 | Data da venda: Junho 2006
quadros-mais-caros-9
8º. Woman III – Willem de Kooning: US$ 137,5 milhões
Data da obra: 1953 | Data da venda: Novembro 2006
quadros-mais-caros-8
7º. No. 5 – Jackson Pollock: US$ 140 milhões
Data da obra: 1948 | Data da venda: Novembro 2006
quadros-mais-caros-7
6º. Nu Couché – Amedeo Modigliani: US$ 170,4 milhões
Data da obra: 1917 | Data da venda: Novembro 2015
quadros-mais-caros-6
5º. Les Femmes d’Alger – Pablo Picasso: US$ 179,4 milhões
Data da obra: 1955 | Data da venda: Maio 2015
quadros-mais-caros-5
4º. Pendant portraits – Rembrandt: US$ 180 milhões
Data da obra: 1634 | Data da venda: Setembro 2015
quadros-mais-caros-4
3º. No. 6 – Mark Rothko: US$ 186 milhões
Data da obra: 1951 | Data da venda: Agosto 2014
quadros-mais-caros-3
2º. The Card Players – Paul Cézanne: US$ 259 milhões
Data da obra: 1892 | Data da venda: Abril 2011
quadros-mais-caros-2
1º. Nafea Faa Ipoipo – Paul Gauguin: US$ 300 milhões
Data da obra: 1892 | Data da venda: Fevereiro 2015
quadros-mais-caros-1

Índia encontra tesouro milionário em porão de templo hindu 

Índia encontra tesouro milionário em porão de templo hindu 


Fiéis no templo de Sree Padmanabhaswamy.Direito de imagem Reuters
Image caption O templo foi construído no século 16 por governantes locais

Autoridades da Índia encontraram um tesouro de valor incalculável no porão de um templo hindu no estado de Kerala.
Acredita-se que o montante de ouro, prata e pedras preciosas, guardadas em quatro câmaras no subsolo do templo, foi enterrado por marajás da dinastia que governava a região ao longo do tempo.
A abertura do subsolo do templo de Sree Padmanabhaswamy, construído no século 16, foi autorizada pela Suprema Corte da Índia, que temia pela segurança do tesouro.
Embora peritos insistam que não é possível avaliar o valor da descoberta, estimativas extraoficiais falam em até US$ 500 milhões (cerca de R$1.Bilhão e setecentos milhões de reais).
Os descendentes da dinastia de Travancore, que por séculos governou a região e perdeu todos os poderes após a independência da Índia, em 1947, entraram na Justiça para ficar com as peças, mas o processo foi rejeitado.
O atual marajá (que não é reconhecido oficialmente), Uthradan Thirunaal Marthanda Varma, tem sido o responsável pela manutenção do templo. O governo irá administrar o local a partir de agora.
Disputa
Até o momento, apenas duas das quatro câmaras foram abertas. Calcula-se que o tesouro estava intocado há mais de um século.
Um grupo de sete pessoas, entre arqueólogos, representantes do governo e da família Travancore, participou da abertura das câmaras. A localização e o tamanho do tesouro eram assunto de lendas na região.
Um dos membros do grupo, Anand Padmanaban, disse que “há peças do século 18”. Por causa da quantidade, “não foi possível contá-las, então estão pesando” o tesouro.
A querela judicial que culminou na descoberta do tesouro teve início após um advogado local questionar a propriedade do templo por parte dos descendentes da dinastia Travancore.
Os Travancore se consideram servos de Padmanabhaswamy, divindade a quem o templo é dedicado, que seria um dos aspectos do deus Vishnu, um dos mais importantes no hinduísmo.
Por isso, os membros da família teriam guardado suas riquezas no subsolo do templo.
O marajá Uthradan Thirunaal Marthanda Varma afirma que tem o direito de controlar o templo por causa de uma lei especial indiana, decretada após a independência, que dava a posse do local ao então líder da dinastia.
No entanto, o pedido de Marthanda foi rejeitado, já que, atualmente, marajás são considerados cidadãos comuns no país.

Fonte: BBC

Região colombiana vive 'febre das esmeraldas'

Região colombiana vive 'febre das esmeraldas'


Esmeralda (Foto Parent Gery - Wikicommons)
Colômbia é uma das maiores produtoras de esmeralda
A pequena cidade de Pauna, na Colômbia, está vivendo uma verdadeira "febre das esmeraldas" desde sexta-feira, quando operários que trabalhavam na construção de uma estrada descobriram pedras preciosas nas suas proximidades.
As esmeraldas foram achadas por três trabalhadores na região conhecida como Nariz do Diabo.
De acordo com o prefeito de Pauna, Omar Casallas, citado pelo jornal colombiano El Tiempo, os três estavam cavando o solo para construir a fundação de um muro inclinado que protegeria a estrada quando fizeram a descoberta.
"Um deles estava perfurando a rocha com um martelo hidráulico e viu uma pedra verde brilhante", escreveu o jornal.
A notícia se espalhou não só por Pauna, mas também pelos povoados vizinhos de Maripí, Quípama e Muzo.
Logo, centenas de pessoas correram para as imediações do Nariz do Diabo com o objetivo de procurar mais esmeraldas.
Para evitar caos, a polícia teve de bloquear a estrada e a encosta íngreme perto da qual as pedras foram encontradas.
Segundo Casallas, uma das esmeraldas foi adquirida por 4 milhões de pesos colombianos (cerca de R$ 4,4 mil) e seria enviada aos EUA.
Outra, um pouco menor, seria usada para pagar estudos que identificarão a pureza das pedras da região.

Mercado

A Colômbia é um dos maiores produtores de esmeralda do mundo, juntamente com países como a Zâmbia e o Brasil. E Boyacá é uma das principais regiões produtoras do país.
Em pelo menos duas ocasiões, uma nos anos 60 e outra nos anos 80, disputas entre famílias e grupos produtores por minas e territórios ricos em esmeralda desataram conflitos que deixaram centenas de mortos no país - as chamadas "guerras verdes".
A Colômbia exporta hoje US$ 64 milhões (R$ 129 milhões) em esmeraldas, segundo a Fedesmeraldas, que representa produtores do setor. A associação diz, porém, que ainda há margem para aumentar a produção se mais investimentos forem feitos.

Fonte: BBC

TEMPOS DE MUITO OURO

Tempos de muito ouro


A cidade foi chamada de último faroeste brasileiro, a capital dos garimpos. No auge da febre do ouro, Itaituba recebia hordas de gente vinda de todos os cantos do país. Vinte toneladas de ouro por ano chegaram a ser extraídos dos garimpos do Alto Tapajós no fim dos anos 80. Mesmo com a decadência da mineração no rio do ouro, eles não perderam a esperança. Dos mais de 700 garimpos, só 200 ainda estão em funcionamento. A produção não chega a três ou quatro toneladas por ano.
Zé Arara é o mais lendário garimpeiro do Tapajós. Na década de 60, foi o garimpeiro mais famoso da Amazônia. Ele formou um império, no município de Itaituba, de aviões, mansões, fazendas, muito dinheiro, tudo tirado do ouro. Aí veio a crise e ele teve que recomeçar tudo.
“Antes da crise fui o único brasileiro que vendeu na faixa de 40 toneladas de ouro ao governo brasileiro”, conta ele. Zé Arara perdeu muito, mas nunca foi um garimpeiro de alma livre, capaz de gastar em uma noite, com mulheres e bebida, tudo o que levou meses para ganhar.
Ao contrário, ele construiu um patrimônio. “Além de ter um jato, tinha 15 aviões pequenos e quatro bandeirantes”, ressalta. Um problema com o jato em Itaituba fez com que Zé Arara trasladasse o avião de volta para a fábrica, em Nova York. “O avião explodiu no ar. Morreram dois tripulantes, dois comandantes e dois mecânicos. Para eu desenrolar esse rolo e não ser preso nos Estados Unidos, tive que gastar 200 quilos de ouro”, conta o garimpeiro.
Desde então, ele está sem sair do garimpo. São onze anos pagando dívidas. “Não devo mais, agora estou lutando para reerguer nosso negócio”, conta. Zé Arara se diz dono de 23 mil hectares de terra, toda a área do garimpo de Patrocínio. Mesmo assim, os moradores criaram uma associação e querem transformar a região em uma comunidade.
Zé Arara se sente ameaçado. “Temo até pela minha segurança. Hoje, estou recomeçando aos 70 anos”, ele diz. O garimpo não é mais como antes. Das dez mil pessoas que buscavam ouro em Patrocínio só restam duas mil.

Fonte: O Globo

Conheça a história do homem que ganhou R$ 122 milhões e hoje está pobre

Conheça a história do homem que ganhou R$ 122 milhões e hoje está pobre
De madrugada a temperatura cai bastante e ninguém consegue dormir sem cobertor. Uma espessa neblina encobre o garimpo quando esta estranha cidade no meio da selva, que já chegou a ter mais de 80 mil habitantes, começa a acordar para mais uma jornada. É sábado, um dia 






 
 
Serra Pelada – O garimpo da ilusão

Ricardo Kotscho

De madrugada a temperatura cai bastante e ninguém consegue dormir sem cobertor. Uma espessa neblina encobre o garimpo quando esta estranha cidade no meio da selva, que já chegou a ter mais de 80 mil habitantes, começa a acordar para mais uma jornada. É sábado, um dia como outro qualquer em Serra pelada, onde o fim de semana só começa ao meio-dia de domingo.

O barulho das britadeiras moendo o cascalho nos barrancos; procissão de vultos silenciosos caminhando para a cava; a rotina recomeçava. O zunido dos pernilongos ainda está nos ouvidos, suplício apenas para os forasteiros.

“Como é que se chama pernilongo aqui?”
“Carapanã que o senhor fala? Ah, não precisa chamar não. É só deixar a porta aberta que eles vêm sozinhos...”

Apesar das precaríssimas condições de vida e trabalho no garimpo, o bom humor predomina, e é raro ouvir alguém se queixar da vida. Explica-se: para a maioria deles, a vida lá fora era ainda mais dura, e sem qualquer perspectiva de melhora. Aqui todos têm trabalho e comida, com direito a sonhar.



Blefados ou bamburrados na loteria do garimpo

Quatro homens do barranco 26 jogam dominó. Libânio, Antônio, Vitorino e Francisco vieram do Maranhão há menos de um ano. Três eram estudantes, um trabalhava na roça. São meias-praças, vão ter direito a 5% do ouro que for encontrado no barranco – o pedaço que lhes cabe no imenso tabuleiro esculpido numa enorme cratera de 24.615 metros quadrados, com 1.200 metros de diâmetro e mais de 100 metros de profundidade – mas até agora não encontraram nada. O dono do barranco mora em Belém. Só vem de vez em quando para prover a turma de comida e óleo para a britadeira, comprar alguma ferramenta que falta. Por que eles estão aqui?

“É mais a necessidade de aventurar alguma coisa”.

Eles agora estão jogando dominó em pleno dia de trabalho porque, quando chegam as chuvas, o garimpo começa a ser desativado. Apenas uma pequena parte da cava, não mais do que 10% ainda tem condições de continuar funcionando. Dentro de poucos dias, eles irão embora para outro garimpo, o de Cumaru.

“A gente chega lá e vai caçar patrão. Tem muito serviço lá”, explicava Libânio.



O maior garimpo a céu aberto do mundo

A cada dia, lotando caminhões que ligam esta ferida aberta na selva, 130 quilômetros a Sudoeste de Marabá, a 13 localidades do Pará, Maranhão e Goiás, milhares de paus-de-arara do ouro vão deixando para trás, em meio à poeira, o maior garimpo a céu aberto do mundo.

São os blefados, que deixam para trás também sua saúde, seus sonhos de riqueza desfeitos. Nos teco-tecos e bimotores, que fazem a ponte aérea Marabá – serra Pelada, vão embora também os bamburrados, aqueles 2% de garimpeiros que ficam com 72% da renda de todo o ouro do garimpo descoberto no início dos anos 80 e festejado como o tesouro que resolveria os problemas do Brasil.

Homens enlameados até os cabelos, caminhando como formigas com sacos de cascalho nas costas e cavando como tatus, levantando poeira ou barco dentro de um grande buraco, o garimpo – esta é a paisagem humana que encontrei quando vim aqui a primeira vez, está fazendo quase oito anos. Naquele tempo, quase nenhum piloto se arriscava a ir para lá. Só os mais malucos. Motivos não faltavam, mesmo para estes suicidas pilotos de garimpo que topam qualquer serviço.

A pista improvisada no cabo de enxada era apenas uma tênue nesga de terra rasgada no meio da mata, quase sempre escondida pela chuva, a neblina ou a poeira. Cercada por morros, era também a principal e única rua do garimpo, vivia coalhada de gente. Descer lá sem problemas era como acertar sozinho na loto.

A imagem não é gratuita: Serra pelada sempre foi, desde o começo, um jogo, um contrato de altíssimo risco. Ali, a distância entre a riqueza e a miséria, a vida e a morte, a glória e o ridículo, o céu e a terra sempre foi muito pequena, nem dá para notar lá do alto. Estávamos em serra Norte, onde mais tarde viria nascer a República dos Carajás. O piloto não inspirava nenhuma confiança. Era um refugiado angolano que aceitava qualquer vôo e para ele tudo era lucro. Não sei o que me dava mais medo, se era o piloto ou o aviãozinho dele, todo remendado.

Meia hora depois, só céu e mata, quando já deveríamos estar chegando a Serra Pelada, o angolado começou a mostrar sinais de preocupação. Constatou simplesmente que estava perdido, a rota não era aquela. Tenta contatar outro avião pelo rádio, e nada. Para encurtar a agonia, depois de mais meia hora o homem conseguiu descobrir onde estava e gloriosamente vislumbramos o garimpo. Pela primeira vez na vida, e por pouco a última, ouvi um avião buzinando para pousar. O pessoal não saiu da pista, o angolano teve que dar uma arremetida toda torta e quase batemos num carro.

Quem mandava ali por todos os seus prepostos à paisana ou fardados era o Exército. Mais precisamente, o garimpo era comandado pelo major Curió (anos mais tarde, ele se elegeria deputado federal com os votos dos garimpeiros). Em poucas semanas, aquele pedaço de fim de mundo perdido na selva amazônica seria transformado num retrato três por quatro em branco e preto deste lugar do mundo chamado Brasil.

Quase meio milênio após a chegada dos descobridores portugueses, repetiam-se as mesmas cenas de devastação, depredação das riquezas naturais e humanas, o vale tudo na terra de ninguém. E reuniam-se novamente em busca do tesouro os senhores, os feitores e os escravos, aqui chamados de formigas, os homens expulsos de outras terras que chegaram ao fim da linha e tentavam sobreviver carregando sacos de terra molhada do garimpo até as máquinas dos seus proprietários, onde os sonhos passariam pela peneira.

Mas muita água correria pelo leito natural do igarapé da grota Rica, onde o filho de um certo Zezinho, protegido de Genésio Ferreira da silva, o antigo dono das terras da Serra Pelada, encontrou alguma coisa brilhando junto a uma bica d’água, em fevereiro de 1980, até se chegar aos confrontos entre os garimpeiros e a Polícia Militar do Pará sobre a ponte de Marabá, no final de 1987.

Da constatação de que se tratava de ouro o que o menino viu à invasão da fazenda, foi como um raio. Correm na Serra Pelada também outras lendas e versões. Uma delas dá conta de que o próprio Genésio encontrou ouro ao cavar um buraco para fazer cerca. Há quem garanta que quem encontrou ouro primeiro foi um tal de Pedrão, que limpava juquira (roçava o mato) para Genésio.



A lei do garimpo é desafiar a sorte

José Mariano dos Santos é um dos milhares aventureiros da Serra Pelada. Fiquei sabendo de sua história aos poucos, até ele ganhar a confiança da minha amizade. Na época, quando Marabá naufragou, levada nas enchentes, o garimpeiro José, o Índio, viu na televisão a notícia de que acharam o ouro em Serra Pelada. Pegou uma carona de caminhão até o KM 16 da estrada PA-150, que liga Marabá a Serra dos Carajás. Ali hoje é o entroncamento da estrada de terra que liga a rodovia asfaltada a Serra pelada, mas naquele tempo só havia um jeito: enfrentar a selva.

Índio já bamburrou e ficou blefado várias vezes, na gangorra das riquezas e misérias de Serra Pelada. Apesar de tudo, não se arrepende de ter largado a família na Baixada Maranhanse, onde trabalhava de terça na terra dos outros, ou seja, entregava ao dono da fazenda um terço do que produzia sua roça de arroz, milho, feijão, mandioca, o de sempre.

“A Serra para mim foi uma mãe” ia sempre me repetindo, sem ninguém perguntar.

Com outros trinta homens e uma máquina de lavar cascalho na cabeça, encarou o garimpo do ouro prometido, caminhando das seis da manhã às seis da tarde. Depois de passar dois dias com fome, vendeu a muda de roupa para conseguir comida, ajeitou-se num pedacinho de barranco da grota Rica e dali pára cá, “animei com o negócio, já tava lá dentro mesmo... era obrigado a passar fome, o que eu ia fazer? Não ia voltar”.



Fortuna e miséria na trilha do ouro

Como bichos, comendo e defecando no mesmo pedaço de terra, milhares de homens como Índio lançavam-se na grande aventura de ficarem ricos da noite para o dia. Para falar bem a verdade, a grande maioria nem sonhava tão alto, estava ali apenas para tentar sobreviver, longe da família e de qualquer resquício de vida, digamos, civilizada. Eram quase todos antigos lavradores, posseiros, homens que foram sucessivamente sendo expulsos das suas terras no Maranhão, no Paraná, em Minas, no Pará.


Índio chegou a ficar um ano e sete meses sem sair do garimpo, andando só de calção. “Já tava ficando doido. Mulher que conhecia era só a minha mãe...” resolveu ir para Belém. “Nunca tinha visto tanto dinheiro na minha vida, nem sabia como funcionava banco”. A esta altura, ele estava só no mundo. Sua mulher, Ângela Maria, com quem teve dois filhos, o havia abandonado depois de três anos de casamento. “Ela fugiu com outro, um motorista de caminhão. Eu era um braçal, ele era motorista, ela quis melhorar de vida...”

Ao bater com a picareta numa pepita de 13 quilos de ouro, Índio tinha ficado rico, mas agora já era tarde demais. A mulher e os filhos estavam longe, não tiveram paciência para esperar o resultado da loteria. A primeira coisa que fez em Belém foi o que fazem todos os garimpeiros bamburrados comprou um carro zero quilômetro. Como não sabia dirigir, contratou um motorista. Ele queria apenas um carro novo, mas logo descobriu que com o dinheiro do ouro daria para comprar 30 carros novos...

“Tanto dinheiro... Eu achava que era o homem mais rico do mundo. O carro era azul-metálico, todo mundo ficava olhando”. O motorista Domingos que, arrumou para roubá-lo nos oito dias em que dirigiu, conseguiu comprar dois táxis.

Mas Índio parecia conformado; dizendo que “o primeiro dinheiro que a gente pega, joga fora. Depois acaba aprendendo”.



Um estádio de futebol escavado a mão

Nem sempre isso é verdade. No garimpo, é como se não houvesse amanhã. O dinheiro corre rápido, assim como entra, sai. O que explica a multiplicação de bordéis, que depois se transformam em vilarejos em torno de Serra Pelada (até há dois anos, era proibida a entrada de mulheres no garimpo). Quem nunca perde nada é o Posto Serra Pelada. Bem em frente ao posto está instalado o depósito de gás engarrafado. O dono de tudo é um advogado paranaense, Milton Gatti, um dos pioneiros de Serra Pelada, que chegou a ter mais de 300 homens trabalhando nos seus barrancos.

Com o prazer de quem vai mostrar sua própria casa ao visitante, benedito Evaristo, paulista de São José do rio Preto, conhecido por Adão, seu nome artístico de cantor de música sertaneja, me lva até a cava, uma cratera do tamanho do Estádio do Morumbi escavado a mão! Em torno dela corre um riacho formado pelas águas do fundo do tilim, a parte mais baixa do garimpo, bombeadas por duas dragas. É a periferia do garimpo, lugar onde trabalham os requeiros.

Vizinho ao barranco de Adão, três paulistas fazem hora para bagere, o almoço no garimpo. Um bancário, um químico e um comerciante, que largaram tudo, estão há 60 dias sem sair daqui e não se queixam: “ouro tem, é só a gente ter paciência que encontra”. E se divertem com as histórias do garimpo. “Sabe como é que a gente fazia rabo-de-galo (pinga com vermute) aqui no garimpo? Era álcool com Biotônico Fontoura. Mas, agora, até o hospital ta proibido de usar álcool e as farmácias não podem mais vender biotônico...”, confidenciou-me o bancário.

Passado alguns anos, voltei lá, voltei outras vezes e dava para ver a olho nu que a degradação da natureza acompanhava a degradação humana, na mesma proporção – a revolta silenciosa e profunda se espelhando nos rostos de homens que já não tinham mais volta, que já tinham deixado tudo para trás e agora se apegavam ao buraco feito náufragos sem esperança de chegarem à terra, mas reunindo as últimas forças para se segurarem no barco virado.

Na terceira visita à Serra assisti uma cena trágica que não abandona. Destruídas as famílias e os sonhos perdidos, só filhos dos que foram aventurar-se em Serra Pelada perambulavam pelas ruas de marabá, de Imperatriz de muitas cidades. Meninas bonitas, que fariam sucesso nas colunas sociais, se tivessem dentes, se fossem bem cuidadas, ofereciam-se a qualquer um, para que as levassem junto, para qualquer lugar. Seus pais chegaram aqui buscando riqueza. Pois agora, as filhas imploram para sair de lá.

Com pás e picaretas, carregando sacos de terra nas costas, eles tiraram do mapa um morro com mais de cem metros de altura e, em seu lugar, cavaram um enorme buraco com o mesmo tanto de profundidade por trezentos metros de largura. Em volta, a mata cedeu lugar a mais uma favela, um monstruoso favelão sem futuro, porque mais dia, menos dia, chega a temida mecanização do garimpo.

Serra Pelada sempre foi, desde o início até as revoltas mais recentes que fizeram o governo se lembrar da sua existência, um jogo em que poucos ganharam muito, alguns se arrebentaram e a imensa maioria apenas lutou para sobreviver, por absoluta falta de opção de vida, trabalhando para comer em condições que fazem lembrar as minas dos garimpeiros escravos do século XVIII. Homens enlameados até a raiz dos cabelos, caminhando como formigas com sacos de cascalho nas costas, levantando poeira ou barro de um grande buraco, enquanto uns poucos viviam como reis.
Estradas foram rasgadas na selva, algumas até asfaltadas, chegaram os fliperamas, a televisão e telefones, e já não se depende do aviãozinho do angolano para descobrir o que se passa naqueles grotões do Brasil. Nem o angolano nem seu teco-teco existem mais: dias depois daquela primeira viagem, uma pequena notícia de pé de página informava que ele havia se espatifado com três passageiros na cabeceira da pista de Serra Norte, a mesma de onde decolamos.

Ninguém saberá dizer ao certo quantos morreram nesta aventura. Foram centenas, com toda certeza – o trágico resultado de uma guerra de vida e morte pelo sonho do ouro.



O processo de extração

O processo inicia-se no fundo da cava com pá e picareta. Entre as escadas adeus-mamão os trabalhadores retiram o cascalho do barranco de seu dono – um dos 3200 quadrados de terra que compõem o tabuleiro de xadrez de Serra Pelada. Como cada barranco pertence a um proprietário diferente, a progressão na escavação é desigual, criando às vezes enormes desníveis que podem provocar desabamentos. Mais como segurança psicológica do que física, os cavadores usam cordas de nylon (azuis) amarradas no corpo na tentativa de evitar a queda junto com a terra. Durante uma das visitas dos autores ao garimpo, um desses desmoronamentos matou instantaneamente 13 garimpeiros, paralizando a extração por três dias.

Os formigas carregam os sacos de terra para fora da cava. Antes de subir, passam pelo controle do apontador de baixo que controla as saídas de cada homem da cava para conferir mais tarde a chegada da carga com o apontador de cima e executar o pagamento por viagem.

Quando o barranco cai no ouro, os sacos ficam estocados embaixo e são retirados apenas no fim da tarde ou de noite por motivos de segurança. Nestes casos uma caminhonete do proprietário do barranco fica esperando o transporte dos sacos para levá-los diretamente para sua refinadora.

No processo de refino o material bruto é primeiro triturado em britadeiras. A terra com ouro escorre sobre uma calha recoberta com mercúrio; que se liga quimicamente apenas ao ouro, formando a amálgama. Para separação final da mistura ouro-mercúrio da terra, o garimpeiro utiliza a baleia, que faz o papel de uma centrífuga primitiva. É nessa operação que pode ocorrer a contaminação dos rios da região pelo mercúrio excedente, que por descuido ou negligência é arrastado pela água. O manuseio sem proteção do mercúrio pode intoxicar o próprio garimpeiro, provocando seqüelas congênitas e distúrbios nervosos com a acumulação do metal no organismo.

Na etapa final do refino a amálgama é aquecida, vaporizando o mercúrio e deixando o ouro limpo. As pepitas (pequenos pedaços de ouro) são levadas ao barracão da Caixa Econômica federal onde são fundidas na presença do proprietário em um lingote que será vendido à própria Caixa. Nas produções maiores é utilizado um alto-forno. Finalmente o processo, quase totalmente artesanal, está pronto, resultando na barra de ouro puro. A última limpeza retira a fuligem que recobre o ouro. Este lingote pesa 1,7 kg, resultado de uma tarde de extração depois de 2 anos cavocando um barranco. O dono, José Aparecido, espera tirar 13 kg de ouro desse barranco, para compensar seu investimento.

De acordo com os técnicos da DOCEGEO e do DNPM – Departamento nacional de produção Mineral, o garimpo manual desperdiça em média 40% do ouro de Serra pelada. A poluição do mercúrio e o alto índice de perdas são o grande argumento dos que defendem a mecanização do garimpo.

As empresas envolvidas estimam um aumento de produção de pelo menos 30% do ouro, que até hoje já rendeu 40 toneladas. Anualmente a produção vem caindo, ocupando agora apenas 5.000 garimpeiros, muito abaixo dos 50.000 homens que trabalhavam na cava em 1983, o melhor ano da Serra.

Por outro lado criou-se uma verdadeira cidade em torno do buraco, que resiste como pode contra a mecanização. Seria o fim do sustento para milhares de garimpeiros, que consideram Serra Pelada a sua casa.



O dialeto do garimpo

CAVA: como é chamado o grande buraco do garimpo aberto à mão; a de Serra Pelada tem hoje cerca de 100 metros de profundidade e o formato de um feijão.

BARRANCO: pedaço de terra de dimensões variáveis, comprado dentro da cava por um ou mais garimpeiros para ser explorado na busca do ouro.

CATA: sinônimo de barranco, onde os garimpeiros “catam” o ouro.

APONTADOR: empregado do dono do barranco que controla a quantidade de sacos retirados pelos carregadores de terra e despejados fora da cava. Têm direito a uma porcentagem da produção de ouro do barranco.

FORMIGA: carregador de sacos de terra e cascalho. São os bóias-frias do garimpo, que recebem um pagamento correspondente aos sacos carregados entre o barranco e o alto da cava.

MELEXETES: são os formigas sujos de barro.

ADEUS-MAMÃE: nome dado às escadas utilizadas pelas formigas para levar os sacos de cascalho para a superfície. São verdadeiras estradas de trânsito com mão própria de subida e descida. O nome vem dos freqüentes acidentes fatais quando do desabamento das escadas com dezenas de formigas sobre elas.

MEIA-PRAÇA: trabalhadores braçais que têm direito a uma porcentagem sobre o ouro encontrado no barranco do dono.

CAPITALISTA: dono do barranco, que normalmente vive fora do garimpo; financia as despesas com comida e equipamentos.

EMBARCADOR: indivíduo que coloca o cascalho com ouro na britdeira, onde o material é moído por um processo rudimentar.

COBRA-FUMANDO: “uma banheira de botar água para lavar cascalho e separar ouro”, na definição dos próprios garimpeiros.

MÁQUINA: sinônimo de cobra-fumando.

PASSADOR-DE-MÃO: indivíduo que procura separar à mão o ouro da terra, na qual está misturado.

CURIMÃ: rejeito mais nobre da separação do ouro, que geralmente passa por uma segunda lavagem.

BATEIA: instrumento em forma de peneira feito de chapa de metal, utilizado para a purificação manual final da mistura de mercúrio com ouro.

APURADOR: indivíduo que faz a separação do ouro utilizando-se de uma bateia para lavar o amálgama mercúrio-ouro. O mercúrio liga-se quimicamente ao ouro, facilitando a separação das impurezas.

REQUEIRO: fazer reque; procurar ouro nos rejeitos que correm nas águas, as migalhas que sobram.

DÍZIMO: porcentagem retirada da venda do ouro destinada à cooperativa dos garimpeiros para efetuar melhoramentos e obras de estabilização da cava.

BAMBURRADO: aquele que tirou a sorte grande no garimpo, encontrando um filão de ouro no seu barranco.

BLEFADO: garimpeiro que perdeu tudo, só é dono da roupa do corpo.

CUTIA: carregador de cascalho que fica com a pele vermelha.

ORELHA DE JEGUE: vale, adiantamento.

Fonte: Exame




Entenda como Eike Batista ficou rico aos 23 anos e aos 56 está voltando a ficar pobre

Entenda como Eike Batista ficou rico aos 23 anos e aos 56 está voltando a ficar pobre
Pobre sou eu, mas quem perdeu R$ 46 bilhões de um ano pra cá foi ele. E agora Eike não tem mais como se manter. Pelo menos não na lista dos 100 mais ricos do mundo. A fortuna dele está em R$ 22 bilhões (US$ 10,7 bi), segundo a Bloomberg. É só um terço do que tinha em março de 2012.
Até outros brasileiros deixaram ele para trás. Pela direita, passou o banqueiro Joseph Safra (US$ 12 bilhões), veterano nas listas de mais ricos do mundo. Pela esquerda, veio a empreiteira Dirce Camargo (US$ 13,8 bilhões), da Camargo Corrêa. E quem passou voando mesmo por Eike foi o cervejeiro, hamburgueiro e agora vendedor de catchup Jorge Paulo Lemann. Com US$ 19,8 bilhões, o criador da Ambev, dono do Burger King e sócio de Warren Buffett na Heinz é quem ostenta o troféu de mais rico do país.
Bom, se juntar bilhões é um esporte – e é mesmo – um jeito de achar a resposta é analisar como foi a carreira dele desde as “categorias de base” dessa modalidade.
Eike ficou rico quando tinha praticamente a idade do Thor Batista. Aos 23 anos, abandonou a faculdade de engenharia na Alemanha para tentar ganhar dinheiro com o ouro da Amazônia. Era o auge do garimpo lá, no começo dos anos 80. Teve até filme dos Trapalhões sobre o fenômeno.
Eike, então, fez como Didi, Dedé, Mussum e Zacarias: foi tentar a sorte no garimpo. Pediu US$ 500 mil emprestados a dois amigos joalheiros para se estabelecer como comerciante de ouro no meio do mato. Comprava ouro na Amazônia e revendia no Sudeste. Em pouco tempo, os US$ 500 mil viraram US$ 6 milhões. É mais dinheiro do que parece. US$ 6 milhões do começo dos anos 80 equivalem a US$ 15 milhões de hoje. Trinta milhões de reais. Não tinha nem 25 anos e já estava com quase tanto dinheiro quanto o Renato Aragão.
Em vez de torrar esses milhões vivendo a melhor juventude que o dinheiro pudesse comprar, Eike fez o que parecia menos sensato: gastou tudo em máquinas que faziam extração mecânica de ouro. E os US$ 6 milhões viraram US$ 1 milhão. Por mês. Três milhões de reais em dinheiro de hoje. Por mês (repito aqui pra dar um tom dramático – merece).
Ele não parou nisso. Claro. Comprou mais minas, mais máquinas, ficou sócio de empresas peso-pesado da mineração e, com 40 e poucos anos, chegou ao primeiro bilhão de dólares. Entrou para a Fórmula 1 do dinheiro.
E fez uma primeira temporada de Vettel. No começo dos anos 2000 resolveu trocar o ouro por minério de ferro. Perfeito: se ouro vale “mais do que dinheiro”, minério de ferro vale mais do que ouro. Por causa volume, lógico: todo o ouro minerado na história da humanidade dá mais ou menos 140 mil toneladas. Isso é o que a Vale extrai de minério de ferro em seis horas.
Em 2005, então, ele fundou sua mineradora, a MMX. Um ano e meio depois ele vendeu uma fatia dela para outra mineradora, a Anglo-American. Pagaram US$ 5,5 bilhões. A lista da Forbes com os mais ricos do mundo em 2007 já tinha saído, três meses antes da negociação. E o brasileiro mais bem colocado ali era Joseph Safra, com 6 bilhões. Ou seja: o negócio com a Anglo-American foi mais do que suficiente para que Eike fosse dormir sabendo ser o homem mais rico do Brasil.
E se Eike não tinha parado quando ganhou uma megasena no braço, nos tempos da Amazônia, não era desta vez que iria amarrar o burro na sombra. O mercado passou a enxergar o cara como uma mina de ouro. Ele deixava de ser só um nome na coleira da Luma de Oliveira para virar a grande esperança dos investidores. E Eike aproveitou a maré. Foi financiar sua ideia mais ambiciosa: a de construir uma concorrente da Petrobras.
Era a OGX, seu projeto de companhia de petróleo. Em 2008 Eike lançou ações dela na bolsa. Na prática, estava vendendo 40% da OGX antes de ela virar realidade. Levantou R$ 6 bilhões nessa – era o maior IPO (venda inicial de ações) da história da Bovespa até então.
Agora ele era o herói.
Àquela altura Eike já tinha uma Vale e uma Petrobras para chamar de suas. Ainda que a MMX fosse bem menor que a Vale e a OGX ainda não tivesse saído do PowerPoint, já era algo que ninguém na história do país tinha conseguido. Mas isso era só um pedaço do que ele tinha em mente. Eike queria algo bem maior: montar um ecossitema de empresas, em que uma sustentasse a outra.
Assim: uma mineradora sempre precisa pagar para que algum porto escoe a produção dela – de preferência para a China, o maior consumidor de minério do mundo. Então porque não ser dono da mineradora e do porto também? Então criou a LLX, uma empresa de logística dedicada à construção de portos. Mais: mineradoras e portos precisam de energia. E pagam caro por isso. Então valia a pena ser dono da companhia de energia também. Eike já tinha uma empresa de termelétricas desde 2001, a MPX. Agora, então, a MPX faria as usinas que alimentariam as minas da MMX, os portos da LLX e as instalações da OGX. A própria MPX seria também alimentada por outra empresa de Eike: a CCX, uma companhia de mineração de carvão dedicada a fornecer combustível para suas termelétricas.
Ah: a OGX precisava de um fornecedor de equipamentos de perfuração e de plataformas marítimas. Quem fabricaria tudo isso para Eike? Eike mesmo, ué. Então ele fundou a OSX, um estaleiro sob medida para alimentar as necessidades da OGX. E onde instalar a OSX? No porto da LLX. Porto que, de quebra, também pode estocar petróleo da OGX…
No papel, a ideia é irresistíel: uma companhia ajudando a outra, num círculo virtuoso sem fim. O mercado gostou. E cada uma dessas empresas teve seu IPO bilionário, o que levaria Eike aos seus US$ 34 bilhões e à sétima posição na lista da Forbes em 2012.
Só tem um problema: os mesmos elementos que moldam um círculo virtuoso também podem trazer um círculo vicioso. Foi o que aconteceu. A OGX saiu do papel produzindo só 25% do que a própria empresa esperava. Nisso, a OSX enfraqueceu também: a petroleira de Eike tem encomendas no valor de US$ 800 milhões com o estaleiro de Eike; se a OGX vende pouco petróleo, pode não ter como pagar a OSX. Sem essas duas funcionando a contento, a viabilidade da LLX fica em dúvida, já que o estaleiro e a petroleira são clientes do porto. Se a LLX não deslancha, complica para a MPX, que vende energia para ela. E aí quem pode ficar sem cliente é a CCX…
Nisso, o mercado passou a ver a interconexão das empresas X mais como vício do que como virtude. E o valor de mercado delas despencou, levando junto uma fatia da fortuna de Eike, já que o grosso de seu patrimônio são as ações que ele tem das próprias companhias. O preço somado de todas as ações da OGX, por exemplo, já foi de R$ 75 bilhões. Hoje é de R$ 10 bilhões. Aqui vai quanto cada uma caiu:
OGX (petróleo): -86%
De R$ 75 bilhões (out 2010) para R$ 10 bilhões
OSX (estaleiro): -77%
De R$ 9,4 bilhões (mar 2010) para R$ 2,1 bilhões
LLX (porto): -75%
De R$ 5,8 bilhões (abr 2011) para R$ 1,4 bilhão
MPX (energia): -28%
De R$ 8,5 bilhões (mai 2012) para R$ 6,1 bilhões
CCX (minas de carvão): -51%
De R$ 1,4 bilhões (mai 2012) para 680 milhões
Eike esboçou seu império antes da crise de 2008, quando o barril de petróleo estava a quase US$ 200 e o apetite da China por minério de ferro parecia infinito. De lá pra cá o preço do petróleo e o do minério caíram pela metade. Aí complica, já que esses são os dois grandes pilares da coisa toda.

Fonte: Exame

A DRAGA ESCARIANTE....

A DRAGA ESCARIANTE....
A draga escariante.,era o processo mais moderno de garimpagem,para pequenos empresários que se tinha conhecimento na epóca.
Eram dois flutuantes de aproximadamente 16 metros de comprimento(feitos com chapas de aço.,soldadas em forma de cone) ,aonde se colocava um assoalho., e se contruia uma especie de casa.Trabalhavamos e moravámos na draga...embaixo.,ficava os equipamentos de trabalho.,como o motor.,guinchos.,caixa e sempre uma pequena oficina,para emergências.
Na parte de cima., os apartamentos.,geralmente com tarimbas e um ventilador...a energia era gerada por geradores.,quase sempre de alta potencia.Para nós locomovermos na agua.,usava-se uma voadeira(barco)., de aluminio de 6 metros.,com motor,geralmente yamaha 40., ou então Jonhson.
Viviamos 24 horas ali...a comida era feita por cozinheira.,cada draga tinha uma cozinheira.,que por consideração chamavamos de garimpeira...a comida era sempre de boa qualidade.
Quando chegava alguem rodado(sem trabalho).,nunca era negava guarida...em qualquer draga ele comia., armava sua rede e durmia.,ate que surgisse uma vaga no garimpo...
Em resumo, a draga escariante faz o trabalho de 5 dragas comuns e o faturamento era de 200 a 500 gramas dia, muito ouro mesmo, como dizia um garimpeiro, "uma casa da Moeda" kkk
    A noite.,era uma festa!!!!.,sempre tinha um flutuante(bares na barranca do rio).,mais alegre.,aonde desafogavamos as magóas...e quanto ao resto deixo para sua imaginação....

Fonte: Velho Garimpeiro
DRAGA ESCARIANTE

A FOFOCA.....

A FOFOCA.....
A fofoca.....ela faz parte de um garimpo...sem ela o garimpo perde o glamour!!!!!
a fofoca consiste no vai e vem de todo o sistema....tem vezes que a gente esta tranquilo.,ganhando uma boa comissão e de repente...ela surge do nada...e lá vai voce atras de algo que voce não sabe se é ou não realidade.....
A fofoca., é quando alguem joga no ar uma história que em tal e tal lugar,esta "dando" ouro...estão todos bamburrando.....a princípio fica a dúvida., e de repente a adrenalina sobe., e voce só pensa naquele garimpo....mais...e se tiver mesmo dando ouro???
a fofoca.,mais incrivel e "dura"., em que eu me meti.,foi em 1989..esta no rio madeira.,tranquilo.,trabalhando em uma draga de um pessoal do sul do país..todos gostavam de mim., e mo que era mais importante.,o gerente da draga confia em minha pessoa...e de repente...lá veio a fofoa:Que em Uruaçu.,Goiais.,cada barranco estava dando de 2 a 5 kilos de ouro por mes......relutei.....lutei...afinal.,um dia pelo outro estava ganhando uma média de 5 a 6 gramas de ouro por dia....tranquilo...sem trauma...mais aquilo foi crescendo dentro de mim....nem me despedi de meus amigos.,peguei minha"borroca" e lá fui rumo a Goiais.....de cara.,ja fui roubado no rodoviária de Goiania;.,mais cheguei em Uruaçu....assim que cheguei ja senti o drama...só se via "sócio" rodado pela rua.....passei a noite em um hotel de 5. categoria.,chamado São Francisco....os donos de dragas que se hospedavam lá.,eram mais quebrados.,que o mais quebrados dos garimpeiros do madeira!!!!!mais ja estava lá...outro dia fui para a barranca do rio...era só "brefo"....nada de ouro...e ai ja tinha acabado todo o meu dinheiro...fui trabalhar em uma draga., e depois de dois dias de serviço.,perguntei pro dono:
] -quanto voce acha que vai dar a despescada(apuração do trabalho)....?
-ele respondeu: se Deus ajudar(que dizer.,Deus ainda teria que ajudar!!!)..vai dar mais ou menos 20 gramas(em 15 dias)......
gelei na hora...aquilo me daria uma grama de ouro de comissão....reclamei e e goiano falou: Ué.....prá que voce quer mais que uma grama?....
que dizer...eles era acostumados com pouco.....nem falei nada...arrumei minha borroca., e fui pra estrada atras de carona.,para voltar para Porto Velho....que estava a quase 3000 kilometros de lá!!!!!....demorei mais de um mes pra voltar..mais ai vai ser outra história..
Fonte: Velho Garimpeiro
A FOFOCA=

A pé pra São Benedito...

A pé pra São Benedito...

A situação estava meio "russa" em Alta Floresta...tempo ruim.,muita chuva...dragas quase todas paradas...encontrei mais dois amigos e resolvemos ir para o garimpo do São Benedito.,ja no Pará....de Paranaíta,até lá eram 90 kilometros.....surgiu um "pequeno"(poe pequeno nisso!!!) problema:não tinhamos dinheiro para o voô..resolvemos cortar no pé....fomos de carona até Paranaíta e seguimos a jornada...os dois companheiros eram totalmente "brabo"(não tinham experiencia)., e eram bem ruizinho para caminhar...viviam perguntando:quanto falta, e eu dizia:22 km(mais faltava muito mais)..andavamos e andavamos e lá vinha a pergunta:quanto falta?..e ia a resposta 22 kilometros!!!.,ate que se enjoaram e pararam de perguntar...90 kilometros na mata(carreador).,são no minimo 3 dias de caminhada...na primeira noite.,durmimos em um barraco de garimpeiro.,aonde tinha uma boa janta e um bom local para a armação da rede....na segunda noite.,a mesma nos pegou no meio do caminho....só tinha uma solução:ir andando,cantando e gritando.,pois assim as onças não viriam...ficariam com medo.,pois não iam saber que barulho foi aquele...e finalmente um barraco...fomos bem recebido(a solidariedade e enorme entre garimpeiros) e passamos á noite lá...no terceiro dia.,mais ou menos 16,00 hs,chegamos no São Benedito.....chegamos lá uma lastima só de cansados....achamos um lugar armamos a rede e durmimos...no outro dia cedo fomos procurar vaga para trabalhar...eu rapidamente consegui uma vaga na balsa de mergulho de um tal de "Manequinho".,mais meus parceiros.,por inexperiencia não arrumaram nada....dois dias depois.,o Ditinho Cuibano
(tipo de xerife local)...arrumou um trabalho para eles:roçar e derrubar uma clareira para outra pista de pouso..mais com uma condição:pagava 50 gramas de ouro pelo serviço(demorado e duro).,dava a alimentação e no primeiro avião que ali chegasse eles voltassem para Alta Floresta.,pois não queriam brabo por lá.....
no mais é só...
Fonte: 

O AVIÃO...ALMA DE UM GARIMPO

O AVIÃO...ALMA DE UM GARIMPO

Nos anos em que passei nos garimpos.,vi varias cenas de um dia á dia diferente de qualquer lugar..algo que nos chama á atençaõ é a necessidade que tem um garimpo de aviões e de pilotos....sem eles,o garimpo esta fadado ao fracasso.

Em cada pouso e cada decolagem é uma nova esperança que brota e a certeza que apesar das dificuldades á vida continua.

Normalmente os aviões que fazem as rotas de garimpos.,são preparados para levar o máximo que se pode de carga....tira-se os bancos, deixando apenas o do piloto.,pois o resto deve ser ocupado com carga...ali se leva de tudo...oléo combustível, gasolina, compra.,bujoões de gás., carne e de tudo o que se pode pensar...é dificil um avião de pequeno porte que pouse com menos de 400 kilos., e ao decolar não leva de 4 a 5 pessoas.,mais carotes para combustivel.,os bujoões vazios para troca e ouro...o ouro que leva para vender na cidade.

o preço de uma passagem na volta varia de garimpo para garimpo....por exemplo de São Benedito no Pará até Alta Floresta no Mato Grosso, custava na decáda de 80(grande decáda do boom dos garimpos).,custavam em média 11 gramas de ouro...de Puerto América na Bolívia até Riberalta custava em média 7 a 8 gramas de ouro.

Muitas vezes o avião é o fio de esperança entre á vida e a morte...várias vezes de eu fazer voô nos garimpos da amazônia e no mesmo avião outros garimpeiros.uns com malária.,outros acidentados e uma vez fiz um voô com um rapaz que tinha sido picado por uma cobra...foi delirando á viagem toda(aprx. 45 minutos)...

e as pistas de pouso eram outra história á parte..na maioria das vezes apenas picadas que cabia apenas o avião..os comandantes deste aviões eram verdadeiros herois..sem dúvida.,os melhores pilotos privados do Brasil estavam nos garimpos...Há perícia era importante nestes rincões...

Homenageio aqui com esta história estes herois amazônicos....em que 300 metros ja era um aeroporto e muitas vezes o rio era a salvação...

Fonte: 

Análise Técnica: Após 18 pregões indefinido, Ibovespa assume correção

Análise Técnica: Após 18 pregões indefinido, Ibovespa assume correção

Após 18 sessões de indefinição sem conseguir romper os 77 mil pontos, o Ibovespa parece ter definido uma correção de curto prazo que pode ter como objetivo os 73 mil pontos, avalia a consultoria Benndorf Research em um relatório enviado a clientes nesta segunda-feira (30).
O Ibovespa teve uma queda superior a 2% ao longo do dia e, na mínima de hoje, chegou a 74.327 pontos. Ao final do dia, a Bolsa terminou em baixa de 74.800,34, baixa de 1,55%. Segundo Victor Benndorf, a Bolsa está testando o suporte e stop projetado nos 75.200.
“A perda desse patamar deve confirmar um movimento corretivo de curto prazo e exigir um posicionamento mais defensivo para as operações de giro”, explica.
Para ele, o próximo alvo para o Ibovespa está nos 73.000 pontos. “Em termos de estratégia, devemos aguardar por um sólido rompimento dos 77.000 pontos ou uma reversão positiva acima dos 73.000 antes de assumir estratégias mais agressivas”, aponta. Ele ressalta que o momento é propício para buscar papéis de menor volatilidade e dividendos.
Trade
Em análise divulgada nesta manhã, o Citi ressaltou que o índice tem primeiro suporte em 75.181. “Perdendo este patamar o Ibovespa abriria espaço para quedas inicialmente em busca do último fundo formado em 73.125”, segundo Cauê Pinheiro e Larissa Nappo.
O analista Maurício A. Camargo do Bradesco também chama a atenção para o nível dos 75.300 pontos. Para ele, “na perda deste último nível, poderia ganhar força vendedora e acelerar a queda até a região dos 73.500 pontos”.

Fonte: Money Times
Jornal ADVFN

Resumo do dia: saiba o que aconteceu na política hoje

Resumo do dia: saiba o que aconteceu na política hoje

Confira o que movimentou a política nacional hoje.

Cirurgia de Temer

O presidente Michel Temer já recebeu alta do hospital, após realizar uma cirurgia de desobstrução da uretra na sexta-feira (27) à noite e da retirada da sonda vesical ontem. Temer havia passado mal na última quarta-feira (25), quando a Câmara votada o parecer sobre a denúncia que o acusada de organização criminosa e obstrução da justiça, e foi encaminhado ao Hospital do Exército. O cateterismo que se pretende submete o presidente, que recentemente foi diagnosticado com uma obstrução numa artéria cardíaca, será feito após a melhora do quadro clínico atual.

Redução do salário mínimo

O Ministério do Planejamento divulgou o novo Orçamento para 2018, que terá sua mensagem modificativa do Projeto de Lei Orçamentária Anual enviada ao Congresso. O governo mantém a previsão de crescimento de 2% no PIB para o ano que vem e uma inflação oficial de 4,2%. Por outro lado, o salário mínimo cairá R$4,00, passando de R$ 969,00 para R$ 965, 00.

Uber e Cabify contra o Senado

Os motoristas de aplicativos de transporte individual, como o Uber e o Cabify, fizeram uma manifestação contra o Projeto de Lei Complementar 28/2017, já aprovado na Câmara dos Deputados e que será votado amanhã no Senado Federal. A lei obriga os motoristas a seguirem uma série de exigências, como a necessidade de uma licença específica para circular. Em nota, o aplicativo Uber declarou que a movimentação foi organizada de forma voluntária pelos motoristas e que o projeto “criará uma burocracia tão grande que impedirá que os 500 mil motoristas parceiros da Uber, em todo o Brasil, gerem renda para suas famílias”.

Fã de Meirelles

O prefeito de São Paulo, João Dória, afirmou que “[Henrique] Meirelles tem conduzido de forma brilhante a política econômica do País, com determinação e firmeza. Não é possível contaminar politicamente uma gestão que tem sido eficiente”, sobre o trabalho do ministro da fazenda. Dória espera um crescimento de 3% para o PIB do país em 2018 e que com a política econômica do governo Temer, o Brasil atraiu novamente os olhares dos investidores e terminará o ano criando emprego e renda.

Fonte: Jornal ADVFN

Retrato de Cristo pintado por Da Vinci pode chegar a US$ 100 milhões em leilão

Retrato de Cristo pintado por Da Vinci pode chegar a US$ 100 milhões em leilão


Reprodução
Obra é uma das menos de 20 do artista renascentista de que se tem conhecimento (Reprodução)
A última pintura de Leonardo da Vinci em posse de um colecionador está indo a leilão, segundo anúncio da casa de leilões Christie’s hoje
“Salvator Mundi”, um retrato etéreo de Jesus Cristo que data aproximadamente do ano 1500, deve ser arrematado por cerca de US$ 100 milhões na Christie’s, o que fará dele uma das obras mais estimadas do mundo a serem vendidas em um leilão.
“Este é realmente o Santo Graal das redescobertas artísticas”, disse Alan Wintermute, especialista sênior em pinturas dos Velhos Mestres da Christie’s, ao explicar que durante muito tempo se acreditou que o retrato, às vezes chamado de Mona Lisa masculina, havia sido perdido ou destruído.
O quadro, que mostra Cristo em mantos de azul e carmesin vívidos segurando um orbe de cristal, é um de menos de 20 quadros sobreviventes de Da Vinci e o último em mãos particulares disse a Christie’s,.
A casa de leilões não identificou o vendedor, um colecionador europeu que adquiriu a obra depois de sua redescoberta e restauração, que começou em meados de 2005. “Salvatore Mundi” será leiloado pela Christie’s em Nova York no dia 15 de novembro.

Fonte:  Reuters

Novo estudo afirma que emissões de CO2 atingiram os maiores níveis em 800 mil anos 

Novo estudo afirma que emissões de CO2 atingiram os maiores níveis em 800 mil anos

© Reprodução
Ano passado, um poderoso El Niño deixou meteorologistas na expectativa de um aumento nas emissões de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. A World Meteorological Organization (WMO) divulgou um relatório nesta segunda (30) que confirma estas projeções, mostrando que concentrações de CO2 “aumentaram em velocidade recorde em 2016 para os maiores níveis em 800 mil anos”.

A combinação de atividades humanas e o El Niño – que lançaram uma série de secas em regiões tropicais, o que limitou o sequestro
de CO2 pelas plantas – causaram concentrações médias de CO2 a elevar em um ritmo recorde de 3,3 partes por milhão (ppm). Concentrações subiram para 403,3 ppm em 2016, em comparação, 2015 atingiu 400 ppm. Níveis de CO2 estão 145% acima de níveis pré-industriais, que registravam aproximadamente 280 ppm.

Ao anunciar os resultados na reunião anual sobre efeito estufa nas Nações Unidas, o secretário-geral da WMO, Petteri Taalas, alertou que sem cortes rápidos em emissões de CO2 e outros gases do efeito estufa, a temperatura aumentara além de 2º Celsius até o fim do século, meta estabelecida pelo Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.

“As leis da física mostram que encararemos um clima muito quente e muito mais extremo no futuro”, ele disse. “Atualmente não existe uma varinha de condão que possa remover este CO2 da atmosfera”.

De acordo com o relatório, a taxa de aumento do CO2 atmosférico nos últimos 70 anos é aproximadamente 100 vezes maior que a taxa do fim da era do gelo.

“Pelo que podem nos dizer as observações diretas e indiretas, mudanças tão bruscas nos níveis atmosféricos de CO2 nunca foram vistas antes”, escrevem os autores.

Ano passado também foi o ano mais quente já registrado desde 1880, quando registros modernos tiveram início.

© Fornecido por F451 Midi Ltda.

O relatório – junto de outro estudo, “Relatório de Emissões de Gás” do departamento de meio ambiente das Nações Unidas, que rastreia as emissões de gases do efeito estufa em países – foi divulgado na véspera das negociações climáticas das Nações Unidas, que ocorrem de 7 a 17 de novembro, em Bonn, na Alemanha. Juntos, os relatórios visam mostrar como a lacuna entre as atuais emissões e as metas de emissões podem ser superadas.

“Os números não mentem. Continuamos a emitir demais e isso precisa ser revertido”, disse Erik Solheim, chefe do departamento de meio ambiente das Nações Unidas, em um comunicado. “Nos últimos anos temos visto uma enorme aceitação da energia renovável, mas devemos redobrar nossos esforços para garantir que estas novas tecnologias de baixa emissão de carbono possam prosperar. Já temos muitas das soluções para resolver este problema. O que precisamos agora é vontade política global e um novo senso de urgência”.

A administração do presidente americano, Donald Trump, tem dramaticamente diminuído o senso de urgência sobre mudanças climáticas nos EUA, com o presidente até ameaçando retirar o país do Acordo de Paris. Apesar de tudo isso, os EUA ainda exercerão um grande papel nas futuras conversas sobre mudanças climáticas, já que nenhum país pode se retirar do acordo antes de 2020. Muitas nações ainda acreditam que os EUA podem ser convencidos a se manter no acordo.

Fonte: O Globo

Ricos nunca foram tão ricos, diz estudo 

Ricos nunca foram tão ricos, diz estudo

© picture-alliance/Bildagentur-online/Fischer Dez anos após a crise financeira global, o mundo está mais rico do que nunca. O crescimento constante nos países industrializados e a expansão nas bolsas de valores deixaram os ricos ao redor do mundo ainda mais ricos em 2016 – de acordo com o Relatório da Riqueza Global, apresentando nesta quarta-feira (27/09) pela companhia de seguros Allianz.
A empresa divulgou estimativas de que a riqueza global bruta de patrimônios privados cresceu 7,1% e atingiu o valor recorde de 169,2 trilhões de euros. Na avaliação estão incluídos depósitos bancários, títulos, assim como seguros e fundos de pensão, mas não considera bens imobiliários.
De acordo com a Allianz, quase 70% do aumento foi atribuído a mudanças de valor de ações e títulos. No montante líquido – após a subtração de dívidas – a riqueza mundial aumentou 7,6% para 128,5 trilhões de euros – outro recorde.
Em quase todos os países industrializados, dois terços do dinheiro recém-adquirido foi aplicado em depósitos bancários, apesar das baixas taxas de juros.
"O comportamento de poupança de investidores privados ainda é caracterizado por bastante timidez", comentou o economista-chefe da Allianz, Michael Heise, na apresentação do relatório em Frankfurt.
Em sua oitava edição, a Allianz analisou os ativos e passivos de orçamentos privados em 53 países. Para o ano de 2016, os maiores ativos econômicos brutos per capita foram registrados na Suíça (268.840 euros), nos EUA (221.690 euros) e na Dinamarca (146.490 euros). Após a dedução de dívidas, os americanos lideraram a lista (177.210 euros), seguidos por suíços (175.720 euros) e japoneses (96.890 euros).
Na lista dos países com os orçamentos privados mais ricos do mundo, a Alemanha ocupa o meio da tabela. No quesito dinheiro líquido per capita, a maior economia da Europa ocupou a 18ª colocação (49.760 euros), enquanto na riqueza bruta terminou em 19ª (70.350 euros).
Para efeito de comparação: o Brasil somou 4.980 euros (41ª colocação no ranking mundial) no quesito riqueza líquida per capita, enquanto somou apenas 8.410 euros (40ª posição) na somatória bruta. O estudo da Allianz avaliou 53 países.
As seis pessoas mais ricas do Brasil possuem uma riqueza equivalente ao patrimônio de 100 milhões de brasileiros com menos recursos, metade da população do país, segundo um relatório divulgado na segunda-feira pela organização Oxfam.
"O Brasil permanece com um dos piores países do mundo em matéria de desigualdade de rendimento e tem mais de 16 milhões de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza", indicou o estudo "A distância que nos une", elaborado pela organização não governamental Oxfam Brasil. A ONG alertou que a tendência é "ainda mais preocupante" porque, segundo as projeções do Banco Mundial, o Brasil poderá ter mais 3,6 milhões de pobres até ao final deste ano.
A Oxfam indicou como fatores das enormes diferenças no país "o sistema tributário regressivo que pesa fortemente sobre a classe média e mais pobre", a "discriminação" por raça e gênero e a "falta de espírito democrático do sistema político, que concentra o poder e é altamente propenso à corrupção".

Fonte: MSN

Itaú Unibanco tem lucro recorrente de R$6,254 bi no 3º tri

Itaú Unibanco tem lucro recorrente de R$6,254 bi no 3º tri

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco, maior banco privado do país, anunciou nesta segunda-feira que teve lucro líquido recorrente de 6,254 bilhões de reais no terceiro trimestre, alta de 11,8 por cento sobre um ano antes e de 1,4 por cento na comparação sequencial.


Mulher caminha em frente a agência do Itaú no Rio de Janeiro, Brasil 6/9/2017 REUTERS/Sergio Moraes
Em termos líquidos, o lucro do período foi de 6,077 bilhões de reais, alta de 1,05 por cento sobre o trimestre imediatamente anterior e de 12,66 por cento sobre um ano antes.

Fonte: MSN