Seguidores

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Os valiosos diamantes azuis formam-se profundidades de pelo menos 660 quilómetros.


Os valiosos diamantes azuis formam-se profundidades de pelo menos 660 quilómetros.



Fotogaleria


O diamante Hope – apelido de um dos seus antigos proprietários – é um diamante azul raro e uma das jóias mais famosas do mundo. A sua história é uma encruzilhada, pois já passou pelas mãos de monarcas, banqueiros, herdeiros e ladrões antes de ficar exposto para todos nós no Museu Nacional Smithsonian de História Natural, em Washington (Estados Unidos). Mas a sua história geológica é ainda mais complexa, de acordo com um estudo publicado esta semana na revista Nature, que analisou estas gemas raras e valiosas.


Os diamantes azuis (classificados com o tipo IIb) são apenas 0,02% dos diamantes extraídos da Terra mas fazem parte de algumas das jóias mais valiosas do mundo. Ao todo, os cientistas analisaram 46 desses diamantes, incluindo um da África do Sul que foi vendido por cerca de 21 milhões de euros (25 milhões de dólares) em 2016. Algumas pistas sobre o seu local de origem estavam em minúsculos fragmentos de minerais aprisionados nos diamantes. A equipa verificou então que estes diamantes podem ter-se formado a profundidades de, pelo menos, 660 quilómetros, alcançando assim o manto inferior da Terra. 
Os diamantes são uma forma cristalina de carbono puro, que foram formados sob enorme calor e pressão. Quanto aos diamantes azuis, estes foram cristalizados junto de minerais portadores de água que há muito tempo faziam parte do fundo do mar e que foram empurrados para grandes profundidades durante o movimento inexorável das placas tectónicas que formam a superfície da Terra.

PÚBLICO -
Foto
Os diamantes azuis são apenas 0,02% dos diamantes extraídos da Terra Jae Liao/2018 GIA 


Fonte: Reuters

Os cientistas já sabiam que estes diamantes adquirem a tonalidade azul devido ao elemento químico boro. Este recente estudo acrescenta: esse boro já esteve na água do oceano e incorporou-se na rocha do fundo do mar que, durante milhões de anos, se moveu para profundidades maiores no subso

Nenhum comentário:

Postar um comentário