Seguidores

sábado, 29 de março de 2014

Petrobras: a casa da Mãe Joana?

Petrobras: a casa da Mãe Joana?
Quem manda na Petrobras? Em qualquer empresa “normal” quem manda são os Diretores que reportam para o Presidente que reporta para o Conselho de Acionistas que é o poder decisório final.
Na Petrobras a coisa parece não ser bem assim. As investigações do caso Pasadena mostram que a estrutura de decisão da maior estatal brasileira é muito mais complicada, tortuosa e obscura. No caso Pasadena veio à tona a existência de um comitê que tinha poderes maiores do que os do próprio conselho. Se o conselho não tivesse unanimidade a decisão seria passada para o comitê onde o atual prisioneiro e ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto da Costa, era o único representante...

Muito interessante e ao mesmo tempo assustador.

Depois de sermos assolados pelas gigantescas falcatruas do mensalão do PT, que trouxe aos holofotes da mídia a lama que cobria de indignidade muitos dos maiores exponentes do partido, agora vemos que a Petrobras pode ter, também, o seu “mensalão” interno.
A notícia de um comitê plenipotenciário acima do conselho lança dúvida sobre todos os grandes negócios feitos pela Petrobras nos últimos anos, coincidentemente, um período governado pelo PT.
A própria Presidente da Petrobras, Graça Foster, se mostrou surpresa ao saber sobre o referido comitê e, imediatamente, criou uma comissão interna para apurar e desvendar o caso.
É possível que outros “casos Pasadenas” possam se esconder por baixo dos tapetes da Petrobras. Afinal, Pasadena não é o primeiro “presente” que a Petrobras nos deu nesses últimos anos. Foram vários prejuízos bilionários, que podem estar refletindo, quem sabe, outros comitês fantasmas e plenipotenciários e não uma simples incompetência gerencial como muitos querem nos fazer crer.

Se confirmada a falcatrua a primeira pergunta que se faz é: para onde foi todo esse dinheiro? Será que não está sendo desvendado mais um propinoduto assim como o mensalão o foi? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário