Seguidores

sábado, 17 de novembro de 2018

Mercados asiáticos sobem com esperanças de retomada em conversas entre China e EUA


Mercados asiáticos sobem com esperanças de retomada em conversas entre China e EUA



A China entregou uma resposta por escrito às demandas dos Estados Unidos por reformas comerciais abrangentes, em uma medida que pode desencadear negociações para colocar um fim à guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.
O indicador da bolsa de Xangai encerrou com variação positiva de 1,4 por cento, a 2.668,17, acumulando baixa de 19,1 por cento até agora este ano.
Já o de blue chips CSI300 avançou 1,2 por cento, para 3.242,37, com o subíndice do setor financeiro subindo 1,5 por cento e o imobiliário em alta de 1,13 por cento, depois que o preço médio de novas moradias nas 70 principais cidades da China subiu 1 por cento em outubro.
Mas uma análise da Reuters sobre os resultados das 1.950 empresas listadas em Xangai e Shenzhen mostrou que juntas elas obtiveram um crescimento de apenas 3,9 por cento do lucro no terceiro trimestre, ante altas de 20 a 55 por cento em cada trimestre dos últimos dois anos, em um sinal de enfraquecimento da expansão econômica.
As ações de empresas baseadas em Hainan subiram depois que Pequim aprovou propostas para promover as províncias do sul, como parte dos esforços para impulsionar a economia. Papéis da produtora de alimentos e mineradora de carvão Sundiro Holding e da mineradora Hainan Mining saltaram 10 por cento, atingindo o limite diário de alta.
Mas os destaques positivos na bolsa de Xangai foram a China Hi-Tech Group, Ginwa Enterprise Group e Shanghai Shibei Hi-Tech, com altas de pouco mais de 10 por cento.
Na outra ponta, as maiores perdas do índice foram da Shanghai Sunglow Packaging Technology, com queda de mais de 8 por cento, seguida por Nanjing Chixia Development e Harbin Gong Da High-Tech Enterprise Development, com baixas de mais de 5 por cento.
. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,20 por cento, a 21.803 pontos.
. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,75 por cento, a 26.103 pontos.
. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 1,36 por cento, a 2.668 pontos.
. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,17 por cento, a 3.242 pontos.
. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,97 por cento, a 2.088 pontos.
. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,35 por cento, a 98.826 pontos.
. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,37 por cento, a 3.054 pontos.
. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,06 por cento, a 5.736 pontos.
Fonte: Reuters

Fake news motivaram corrida pelo ouro em garimpo ilegal em MT, diz governo


Fake news motivaram corrida pelo ouro em garimpo ilegal em MT, diz governo

Falsas informações que circularam nas redes sociais motivaram a corrida pelo ouro no garimpo ilegal em Aripuanã, a 976 km de Cuiabá. A situação no local foi discutida entre as forças de segurança nessa quarta-feira (14). Há dois meses aproximadamente mil pessoas ocupavam a área, localizada em uma área particular em uma fazenda. A notícia de que tem ouro no local se espalhou rapidamente por meio de fotos divulgadas em aplicativos de celulares e redes sociais. Atualmente há aproximadamente 500 pessoas no garimpo.
Segundo o governo, ao contrário das imagens, textos e áudios que circularam entre os garimpeiros, a área que foi invadida não possui vocação para exploração na superfície, uma vez que os minérios que foram encontrados em pesquisas na região estão em uma profundidade 400 metros, o que equivale a um prédio de cerca de 133 andares.Representantes das forças de segurança estadual, federal, Departamento Nacional de Mineração (DNPM) e Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) se reuniram na Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), em Cuiabá, para tratar sobre as condições do garimpo ilegal.
Os profissionais identificaram, por exemplo, que imagens que mostravam grandes pepitas de ouro não são da região.
O deslocamento de pessoas até a região teve início em setembro, quando iniciou a veiculação de informações anunciando falsamente uma nova ‘Serra Pelada’, em alusão ao maior garimpo a céu aberto do mundo. Ainda de acordo com a Sesp, as forças de segurança atuarão em conjunto para realizar a retirada das pessoas do local, identificação e responsabilização civil, criminal e ambiental, além de estabelecer planos para recuperação da área degradada.
Fonte: G1

Saldo de investimento estrangeiro na bolsa segue negativo em R$ 1,6 bi no mês

Saldo de investimento estrangeiro na bolsa segue negativo em R$ 1,6 bi no mês

Investing.com Brasil - 16/11/2018 - 17:05
Por Investing.com – A sessão da última terça-feira (13) foi marcada, pelo quarto dia consecutivo, pela saída de recursos de investidores estrangeiros do segmento Bovespa da B3. Desta vez, as compras foram de R$ 6,238 bilhões e as vendas de R$ 6,586 bilhões, levando a um saldo negativo na sessão de R$ 348,950 milhões. No acumulado do mês, o resultado é deficitário em R$ 1,623 bilhão.
Entre os investidores institucionais, a jornada representou um movimento de saída de capital, com as aquisições em R$ 3,470 bilhões e as alienações em R$ 3,582 bilhões, levando a um resultado na sessão negativo em R$ 111,799 milhões. Agora, no acumulado do mês o saldo é negativo em R$ 1,059 bilhão.
Já entre as pessoas físicas, depois de um início de mês negativo, esse tipo de investidor segue nas compras, com entradas de R$ 3,273 bilhões e saídas de R$ 2,997 bilhões, levando a um resultado na jornada do dia 13 de R$ 275,482 milhões. Com isso, agora o acumulado do mês é positivo em R$ 2,148 bilhões.
Entre as empresas públicas e privadas, as vendas (R$ 268,766 milhões) superaram as compras (R$ 58,746 milhões) em R$ 210,020 milhões, fazendo com que o resultado acumulado de novembro se mantenha positivo em R$ 530,651 milhões.
Os investidores institucionais reduziram a posição comprada em R$ 23,889 milhões, reflexo de aquisições de R$ 518,466 milhões e alienações de R$ 542,355 milhões. Com isso, o resultado do mês segue positivo em R$ 4,820 milhões.
Entre compras e vendas, o segmento Bovespa acumula um movimento de R$ 238,325 bilhões em novembro, com média diária de R$ 29,790 bilhões, sendo que na terça-feira o movimento foi de R$ 27,854 bilhões.
Fonte:  Investing.com

ESMERALDA

Esmeralda




 Esmeralda é uma variedade do mineral berilo (Be3Al2(SiO3)6), a mais nobre delas. Outras variedades de berilo são a água-marinha, a morganita, o heliodoro, a goshenita e a bixbyíta. Sua cor verde é devida à presença de quantidades mínimas de crômio e às vezes vanádio. É altamente apreciada como gema e o preço por quilate a coloca entre as pedras mais valiosas do mundo, perdendo algum desse valor frequentemente devido às inclusões que ocorrem em todas as esmeraldas, Elas, porém, são úteis pois ajudam a identificar a gema e podem indicar sua procedência.   .  . É transparente a opaca, mas apenas as variedades mais preciosas são transparentes.

Dureza  de 7.5 - 8.0 na Escala de Mohs 

DESCOBERTA: As esmeraldas foram descobertas no Brasil em 1963. A partir de então o país vem produzindo mais esmeraldas do que qualquer outro e suas gemas são consideradas de altíssima qualidade. Os estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás são atualmente os maiores produtores.


Esmeralda gema bruta

Esmeralda gema bruta




JAZIDAS: As principais jazidas de esmeraldas são colombianas, mas pode ser encontrada também no Brasil, Rússia e no Zimbábue



Lapidação esmeralda



Gema lapidada
LAPIDAÇÃO: Artesãos especializados na lapidação de esmeraldas podem ser encontrados principalmente no Brasil, Japão, na Índia, e em Israel. O trabalho demanda cuidados e habilidades especiais, em razão do alto valor da pedra bruta, e se faz muitas vezes em corte retangular conhecido como "Lapidação esmeralda".

CUIDADOS: A esmeralda não deve ser utilizada em atividades como esportes, trabalhos de casa ou qualquer outra atividade onde a esmeralda possa receber pancadas. A esmeralda é uma pedra muito sensível a batidas fortes e riscos. Deve-se evitar também mudanças de temperatura repentinas.

Fonte: CPRM

sexta-feira, 16 de novembro de 2018

DPA: a volta do cartel dos diamantes?

DPA: a volta do cartel dos diamantes?




DPA é o acrônimo de Diamond Producer´s Association, a nova entidade internacional que congrega nada menos do que as sete maiores produtoras de diamante do mundo.

O mercado de diamantes era controlado, até pouco tempo atrás, pela CSO (Central Selling Organization) uma obscura e misteriosa organização que dominava, com mão de ferro, os preços do diamante no mercado mundial. A CSO, que era da De Beers, perdeu força à medida que as grandes concorrentes passaram a vender os seus diamantes fora do cartel.

Em 2013, pela primeira vez em 100 anos, os preços dos diamantes foram determinados pelo mercado e não pela CSO.

Desde então os novos players como a Alrosa, Petra Diamonds, Rio Tinto, BHP, Botswana e Angola passaram a ter maior influência no mercado que perdeu a sua coesão e objetividade.

Com a falta de um direcionamento e organização o mercado perdeu o rumo.

Somente em 2015 a sul-africana Petra Diamonds teve uma queda de 41% nas vendas de seus diamantes.

Graças aos maus resultados que as principais empresas de mineração de diamantes resolveram reativar o cartel através da DPA, que vai tentar desenvolver o setor com especial atenção ao mercado.

A DPA é formada pelas sete maiores mineradoras de diamantes que respondem por 75% dos diamantes produzidos: ALROSA, De Beers, Rio Tinto, Dominion Diamond Corporation, Lucara Diamond Corporation, Petra Diamonds Ltd. e Gem Diamonds.

Assim como a CSO a DPA vai embarcar em mega campanhas publicitárias para, mais uma vez, tentar fortalecer o mercado dos diamantes.

Foi assim que a De Beers e a CSO criaram as extraordinárias frases de campanha “os diamantes são eternos” e “ o diamante é o melhor amigo da sua namorada”.

A DPA tentará aumentar o consumo mundial de diamantes naturais através do aumento da confiança do consumidor nas mineradoras, seus diamantes e na qualidade das operações a nível mundial.

Um dos grandes beneficiários da DPA será a indústria de diamantes da Índia que é a maior do mundo e exporta US$22 bilhões por ano.

Além da luta pela excelência a DPA tentará combater a ameaça, cada vez maior, dos diamantes artificiais que estão, aos poucos, conquistando mercado.

Os artificiais podem ser produzidos em maiores quantidades e a preços mais baixos, o que permite a vendedores inescrupulosos repassá-los como diamantes naturais originados em minas.

Esses diamantes sintéticos ainda não são suficientemente baratos para deslocar os diamantes naturais, mas tudo leva a crer que falta pouco para que isso aconteça.

Quando isso acontecer a DPA estará com as suas campanhas na mídia tentando fortalecer o mercado dos diamantes brutos cujos preços caíram 13% em 2014.

Vai ser uma guerra.

No final os preços dos diamantes sintéticos deverão cair muito, o que vai acabar fortalecendo o preço dos naturais. Assim como ocorre hoje com outras pedras sintéticas que são tratadas como bijuterias pelo mercado.



Imagem: Design Corps 


Fonte: CPRM

O negócio secreto das pedras preciosas

O negócio secreto das pedras preciosas



O setor de gemas coloridas, que move US$ 10 bilhões ao ano, está envolto em mistério e irregularides

[image] 
Richard Hughes é o "Indiana Jones" moderno das pedras preciosas. Há décadas, esse americano percorre o planeta atrás das gemas mais valiosas, encarando pelo caminho aventuras dignas do cinema. Essa indústria, que movimenta US$ 10 bilhões por ano, é envolta não só em beleza, mas também em mistério.
Ao contrário do negócio mundial de diamantes, que é em grande parte controlado por empresas gigantes como a De Beers e minuciosamente monitorado por investidores e banqueiros de Wall Street, o mundo das pedras preciosas coloridas ainda é dominado por pequenos mineradores e aventureiros que vão a alguns dos lugares mais perigosos e subdesenvolvidos do mundo em busca de novos tesouros. As melhores pedras tendem a vir de países como Madagascar, Tajiquistão, Colômbia e Mianmar, onde o contrabando muitas vezes corre solto, a manutenção de registros é deficiente e os donos de minas com frequência impedem a presença de comerciantes de fora por medo de que façam seus próprios negócios com os moradores locais.

image

Mineiros operam manualmente polias para extrair terra numa mina rudimentar no Sri Lanka, à procura de pedras preciosas
Em alguns casos, especialistas como Hughes compram pedras de garimpeiros ou intermediários e as revendem a clientes ricos. Há gemas que chegam ao público através de atacadistas que as compram em leilões ou mercados abertos na Tailândia, Índia e outros centros de processamento. Só num leilão em Mianmar, em 2011, as vendas chegaram a US$ 2,8 bilhões. De qualquer forma, os compradores de pedras preciosas raramente têm ideia de onde vieram as pedras e, mesmo se quisessem, provavelmente não teriam como descobrir sua origem. Quando se trata de rastrear os dados mais básicos sobre quais países produzem a maioria das pedras, a indústria é "muito vaga", diz Jean Claude Michelou, vice-presidente da Associação Internacional de Pedras Preciosas Coloridas, entidade que representa o setor.
Na verdade, é praticamente impossível encontrar um diretor-presidente ou grandes acionistas por trás das maiores minas de rubi ou safira do mundo. Em Mianmar, país há muito considerado a principal fonte mundial de rubis e jade, muitas minas são controladas pelos militares ou seus colaboradores mais próximos, incluindo alguns que são alvo de sanções dos Estados Unidos impostas anos atrás para punir o autoritário regime militar do país. (Embora muitas dessas sanções tenham sido relaxadas nos últimos dois anos, quando um novo governo reformista começou a reverter décadas de rígido controle militar, algumas restrições sobre as pedras preciosas de Mianmar foram mantidas.) Mas as pedras também podem vir de caçadores privados de fortunas cujas identidades são desconhecidas fora de seus países. Um dos magnatas que Hughes conheceu durante uma perigosa caçada a jade em minas da remota Hpakant, em Mianmar, era um ex-motorista de táxi que começou com uma pedra bruta que comprou por US$ 23 de um passageiro e a revendeu por US$ 5.000 para um comerciante de jade. (Quando Hughes o conheceu, em 1996, ele posou para uma fotografia sobre uma pilha de pedras de jade que ocupava uma sala inteira de sua casa.)

O caçador de pedras Richard Hughes emerge das profundidades de uma mina em Mianmar
Ao mesmo tempo em que é difícil acompanhar o crescimento da indústria, os especialistas dizem que os preços vêm subindo significativamente nos últimos anos, em grande parte porque o fornecimento é inconstante. Robert Genis, um comerciante e caçador de pedras preciosas do Arizona que entrou para o negócio na década de 70, diz que os rubis de alta qualidade de Mianmar quadruplicaram de valor no varejo, para mais de US$ 40.000 o quilate, desde meados da década de 90, enquanto as esmeraldas colombianas praticamente dobraram de valor em relação ao início dos anos 2000. Hughes, que já viajou para mais de 30 países em busca de pedras e agora vive em Bangkok, diz que os preços do jade aumentaram em dez vezes nos últimos cinco anos, devido em grande parte ao aumento da demanda da China, embora recentemente os preços tenham caído ligeiramente.
Para quem estiver disposto a manter suas pedras por um longo período, o retorno pode ser enorme. Considere a safira de 62 quilates que John D. Rockefeller Jr. comprou de um marajá indiano em 1934 e a transformou em um broche para sua esposa. A família vendeu a pedra em 1971 a um negociante de joias por US$ 170.000. Nove anos depois, ela voltou ao mercado e foi vendida por US$ 1,5 milhão e, em 2001, foi revendida por mais de US$ 3 milhões. Outra safira famosa, comprada pelo empresário James J. Hill para sua esposa na década de 1880, por US$ 2.200, foi vendida por mais de US$ 3 milhões em um leilão em 2007. E há ainda o rubi de 8 quilates de Mianmar dado a Elizabeth Taylor pelo marido, o ator Richard Burton, em 1968, como presente de Natal. Em 2011, ele foi leiloado por US$ 4,2 milhões.
O diamante ainda continua a ser o melhor amigo de uma mulher, como disse uma vez a atriz americana Marilyn Monroe, mas as pedras coloridas continuam a ter um fascínio quase místico. Parte da atração está ligada à sua beleza luminosa e à sua raridade. Para muitas pessoas ricas, especialmente na Ásia, não há nada como ter uma coleção de pedras brilhantes que podem transportar ou esconder para vender em caso de emergência. Isso se tornou ainda mais comum com a crise financeira global.
[image]
Encontrar novas grandes pedras para saciar a demanda mundial, porém, não é tarefa fácil. É aí que os caçadores entram em ação. Genis, o negociante do Arizona, diz que entrou nesse negócio ainda na faculdade, quando estudou mapas para ver onde estavam os recursos naturais mais cobiçados do mundo, incluindo estanho, ouro e cobre. Foi o pequeno símbolo verde na Colômbia, representando depósitos de esmeralda, que mais o atraiu. Ele vendeu um aparelho de som e um carro velho, juntando US$ 1.000 para a viagem.
Após uma viagem de ônibus até a fronteira da Califórnia com o México, alguns trens e muitas caronas, Genis desembarcou no distrito de esmeraldas de Bogotá e usou o dinheiro que lhe restava para comprar pedras preciosas. Voltou aos EUA e duplicou o investimento vendendo as pedras. "De repente, tinha US$ 1.000 a mais e pensei: 'Isso é muito melhor do que ir para a faculdade'", lembra. Após várias visitas, ele estava ganhando o suficiente para ir de avião à Colômbia, com paradas para se divertir no Caribe.
Hoje, Genis contrata outras pessoas para buscar muitas das pedras que vende, incluindo um associado de Mianmar que conheceu durante uma conferência de pedras preciosas e tem conexões com os famosos depósitos de rubi de Mogok. Apesar de não serem tão selvagens como em Hpakant, as minas de Mogok também são estritamente vigiadas por militares — e reverenciadas em todo o mundo. 
O apelo é evidente quando se considera o tipo de negócio que se consegue por lá. A última descoberta de Genis: uma safira de 39 quilates que agora está à espera de ser leiloada na . Genis diz que calcula que a pedra possa arrecadar até US$ 1 milhão na prestigiada casa de leilões. "Para muitos desses colecionadores, é quase como heroína: quando você começa, não consegue parar", diz.
À medida que a demanda por pedras preciosas coloridas continua crescendo, uma questão permanece no ar: será que essa indústria pode se autorregular? Parte da resposta pode estar a meio mundo de distância de Mianmar, em Londres, no nobre bairro de Mayfair. Lá, um grupo de veteranos da indústria de mineração está elaborando seu próprio plano para obter mais pedras coloridas.
A empresa do grupo, a Gemfields, está tentando se tornar uma potência da indústria, algo como a De Beers das pedras coloridas. Apoiada por um ex-diretor-presidente da mineradora anglo-australa maior mineradora do mundo, e com ações negociadas na Bolsa de Londres, a Gemfields afirma que tem a meta de assegurar os direitos sobre uma percentagem grande o suficiente da produção mundial de pedras preciosas para introduzir processos modernos de mineração e, assim, garantir um fornecimento mais previsível, ao mesmo tempo em que investe pesadamente em marketing para tornar as pedras mais conhecidas.
Ian Harebottle, o sul-africano que é diretor-presidente da empresa, diz que pedras coloridas costumavam ser tão populares quanto os diamantes até a década de 40, quando a De Beers começou a pôr em ação seu gigantesco orçamento de marketing, com slogans como "um diamante é para sempre". Hoje, as vendas de pedras coloridas são apenas uma fração dos US$ 70 bilhões do comércio internacional de diamantes, e os mineradores de pequeno porte que dominam o negócio não têm o dinheiro ou a escala necessários para fazer muita coisa, diz ele. 
A Gemfields já produz 20% das esmeraldas do mundo, em uma grande mina da qual é sócia na Zâmbia. A empresa informa que é responsável por até 40% da oferta mundial de ametista e está começando a produzir rubis em um grande depósito em Moçambique. A Gemfields quer se expandir em outros lugares — inclusive Mianmar, se o governo do país mantiver o ritmo da reformas e a situação dos direitos humanos melhorar, diz Harebottle.
A Gemfields também comprou recentemente a Fabergé, famosa marca de joias que remonta à era dos czares russos. A ideia é usar a Fabergé, que tem lojas em todo o mundo, para comercializar algumas de suas pedras no segmento ultraluxo, à medida que cria uma das primeiras cadeias do mundo de fornecimento de gemas coloridas do tipo "da mina ao mercado".
As iniciativas da Gemfields ocorrem em meio a outras tentativas por parte de investidores para trazer práticas mais modernas para a indústria, incluindo disponibilizar mais amplamente as informações de preços e melhorar a classificação das pedras e o monitoramento de práticas, de modo que os consumidores possam ter um ideia melhor sobre quanto valem suas pedras e de onde elas vieram. Funcionários da Associação Internacional de Pedras Preciosas Coloridas, por exemplo, estão pressionando pela criação de um sistema para rastrear as origens das gemas coloridas. Michelou, da associação, diz que alguns países, incluindo Colômbia, Tanzânia e Sri Lanka, têm manifestado interesse.
Ao mesmo tempo, outras empresas estão criando cadeias de fornecimento "da mina ao mercado" e atualizando seus métodos de produção. Entre elas está a Tanz Mining e sua controladora, a britânica Richland Resources Ltd., que têm ajudado a transformar o mercado de tanzanita ao investir em minas que antes eram artesanais na região do Monte Kilimanjaro, onde estão os únicos depósitos da rara pedra azul conhecidos no mundo. E até mesmo as minas de Hpakant, em Mianmar, estão adotando mais mecanização nos últimos anos, com máquinas de terraplenagem substituindo muitos trabalhadores, embora o local, em geral, continue fora de controle. Tudo isso poderia um dia impulsionar o valor das pedras coloridas caso consiga tornar as fontes mais confiáveis e aumentar a demanda.
"A indústria de pedras coloridas provavelmente irá nessa direção, [de] mineração mais racional e mais formal", diz Russell Shor, analista do Instituto Gemológico dos EUA, uma das maiores autoridades do mundo em pedras preciosas. "Vai ser um processo lento, mas creio que seja esse o futuro."
No entanto, muitas pessoas, incluindo vários caçadores de pedras, permanecem céticos. Os principais depósitos de pedras do mundo, afirmam, são muitas vezes pequenos demais para justificar grandes investimentos e às vezes podem ser explorados de forma mais eficiente com ferramentas manuais primitivas. As minas estão tão espalhadas e em lugares tão irregulares que poderia ser muito complicado — sem falar no custo — trazê-las para a era moderna. "Quantos trilhões você tem?", pergunta Genis. "Com exceção dos diamantes, a maioria das fontes de pedras preciosas é antiga e as melhores pedras já se foram." Tentar integrar as minas, diz ele, "seria praticamente impossível".
Hughes, o caçador de pedras que vive em Bangkok, concorda. Segundo ele, as pessoas sempre se interessaram em trazer mais ordem para o comércio de joias. Mas a Mãe Natureza protege seus tesouros muito bem, escondendo-os em locais de acesso extremamente difícil, diz ele, e as pessoas que cuidam deles têm pouco incentivo para entregar o controle a Londres, Wall Street ou qualquer outro interessado.
"As pedras preciosas são diferentes de outros tipos de mineração", diz Hughes, porque há uma alta concentração de valor em áreas muito pequenas e relativamente poucas pedras. Além disso, apenas as pessoas, e não as máquinas, podem separar espécimes valiosas das que não valem nada — e isso inclui os garimpeiros artesanais que hoje controlam grande parte dessa atividade. Se as grandes empresas tentarem impor mais ordem, diz ele, "sempre haverá pessoas encontrando formas de contorná-la".

Fonte: Forbes

Cruzeiro Mine

Em reação à nova equipe econômica, dólar cai e Bovespa sobe

O mercado financeiro reagiu ao anúncio dos novos nomes da equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro,
com a cotação da moeda norte-americana encerrando a semana em queda e o índice B3, da Bolsa de Valores de São Paulo, registrando alta no fechamento do pregão. O dólar comercial fechou a semana em baixa de 1,28%, cotado a R$ 3,7372 para venda, mantendo a tendência de queda nos últimos pregões da semana. A moeda norte-americana ainda acumula uma valorização de 14% no ano em relação ao real.
O índice B3 terminou o pregão de hoje (16) em forte alta de 2,96%, com 88.515 pontos. As ações das grandes companhias, chamadas de blue chip, seguiram a tendência com Petrobras encerrando a semana em valorização de 2,91%, Vale com mais 1,70%, Itau subindo 3,05% e Bradesco em alta de 4,28%. Os papéis da Eletrobras também fecharam com destaque positivo, com alta de 8,60%.
Fonte: MONEY TIMES

Fechamento: Ibovespa avança 2,94%

Fechamento: Ibovespa avança 2,94%

Investing.com Brasil - 16/11/2018 - 18:29l
Bovespa
Por Investing.com – As ações fecharam em alta no pregão de sexta-feira, com ganhos nos setores de FinançasImobiliário e Materiais básicos, levando as ações a uma alta.
No encerramento em São Paulo, o Índice Bovespa subiu 2,94%.
O melhor desempenho da sessão no Índice Bovespa veio das ações da Eletrobras  Centrais Eletricas Brasileiras SA ON (ELET3), que subiram 8,65%, o que corresponde a 1,99 pontos, sendo negociadas a 25,00 no fechamento do pregão. Enquanto isso, as ações da Braskem SA (BRKM5) adicionaram 7,46%, ou 3,71 pontos, terminando o dia em 53,41, e as da Gerdau SA Pref (GGBR4), que avançaram 7,26%, ou 1,10 pontos, no final das operações com 16,25.
O pior desempenho da sessão foi das ações da JBS SA (JBSS3), que caiu 1,58% ou 0,18 pontos, com os papéis sendo negociados a 11,22 em seu fechamento. Suzano Papel e Celulose SA (SUZB3) recuou 1,40%, ou 0,55 pontos, terminando em 38,60, e Cielo SA (CIEL3) diminuiu 0,81%, ou 0,08 pontos, para 9,75.
As ações em alta superaram os papéis com resultados negativos na Bolsa de valores de BM&FBovespa com uma diferença de 295 a 111, enquanto 35 terminaram sem alterações.
As ações da Eletrobras Centrais Eletricas Brasileiras SA ON (ELET3) avançaram, alcançando seu máximo de 52 semanas; aumentando 8,65%, ou 1,99, para 25,00. As ações da Cielo SA (CIEL3) recuaram, alcançando seu mínimo de 5 anos; caindo 0,81%, ou 0,08, para 9,75.
CBOE Brazil Etf Volatility, que mede a volatilidade implícita das opções do índice Bovespa, devolveu 5,75%, para 36.23um novo mínimo de 3 meses.
Os contratos futuros de ouro para entrega em dezembro, subiram 1,94%, ou 23,30, para $1.222,50 por onça troy. Em outras commodities, petróleo para entrega em dezembro, avançou 0,55%, ou 0,31, para atingir $56,77 por barril, enquanto os futuros de café contrato C para entrega em dezembro, avançaram 2,48%, ou 2,73, negociados a $112,78 .
O par USD/BRL retrocedeu 1,06% para 3,7439, enquanto o par EUR/BRL recuou 0,36%, para 4,2722.
O Índice Dólar Futuros, por sua vez, aumentou 0,49% em 96,32.
Fonte: MONEY TIMES

OS 10 DIAMANTES MAIS CAROS DO MUNDO!!