Seguidores

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

As riquezas do subsolo brasileiro

As riquezas do subsolo brasileiro


As riquezas do subsolo brasileiro 
Existe uma variedade de minerais contidos no subsolo brasileiro
A quantidade e variedade de minerais contidos no subsolo do Brasil são provenientes da formação geológica da superfície do país. Nesse sentido, o território é privilegiado, pois apresenta um grande potencial na produção de minérios que coloca o país em destaque no cenário mundial nesse tipo de atividade extrativista.

Dentre os muitos tipos de minérios encontrados, o país se destaca na produção, sobretudo, de ferro (hematita), estanho (cassiterita), alumínio (bauxita), manganês (pirolusita), ouro, nióbio, titânio, urânio, sal, calcário, barita, areia, caulim, níquel, chumbo, cobre, zinco etc.


A extração dos minerais citados fez do país um dos principais produtores do mundo. Esse ramo de atividade responde por cerca de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) que é desenvolvida essencialmente por empresas estrangeiras e nacionais que dispõe de grande capital para investimento no setor ao qual é requerido.

As principais jazidas de minérios do Brasil

Serra dos Carajás (PA)

Região localizada no estado do Pará que representa uma das principais aglomerações de minério de ferro do mundo e a maior reserva do Brasil, além de conter significativas jazidas de manganês, ouro, cobre e níquel.

Vale do Trombetas (PA)

Região que abriga a maior concentração de bauxita do Brasil e uma das principais do mundo, a região responde por 79% da produção desse minério, é destinado à exportação e ao abastecimento de indústrias de alumínio.

Maciço do Urucum (MS)

Área localizada no Mato Grosso do Sul que detém uma grande jazida de ferro e manganês que ainda não foi efetivamente explorada, a parcela produtiva tem como destino o mercado argentino.

Quadrilátero Ferrífero ou Central (MG)

Região que representa o maior produtor de ferro do país, além de extrair manganês e ouro a produção é destinada à exportação e abastecimento do mercado interno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário