Seguidores

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

LENDAS E HISTÓRIAS SOBRE O OURO DOS INCAS

LENDAS E HISTÓRIAS SOBRE
O OURO DOS INCAS


Os Incas levam a fama, devido a uma lenda em especial – que tem várias versões - espalhada durante o período de dominação da sua civilização, de que foram eles que inventaram as técnicas de trabalhar o ouro na região dos Andes . Conta esta lenda que três ovos caíram do céu: um de ouro, um de prata e o outro de bronze, diretamente para as mãos do fundador de Cuzco e da dinastia imperial Inca, Manco Capac. E que a mãe do fundador mandou confeccionar para ele ornamentos em ouro e prata para serem colocados sobre os ombros, na testa e usados como uma tiara. Ao ver o filho ornado com tais jóias, mandou-o subir ao topo de uma colina, onde o brilhante reflexo do sol transformou-o num ser radiante. Assim então Manco foi consagrado como o “Filho do Sol”.
Canções Incas cantavam sobre o deus Tonapa que, ao vagar na Terra como um miserável fugitivo, deixou nas mãos de Manco uma vara, a qual mais tarde tornou-se o tupayauri , cetro de ouro que continha a insígnia imperial dos Incas.
Na lenda de Tamputocco, Manco emerge de uma espécie de janela, acapactocco, emoldurada em ouro e liderando uma marcha guerreira, ostupayauri: seres feitos de ouro que lhe serviam de escolta, os quais depois ele enterra em solo fértil para protegê-lo dos poderes da destruição e do mal. Enquanto seus irmãos, que estavam junto a ele mas sem a escolta dostupayauri foram transformados em pedra pelos huacas (espíritos do mal), Manco consegue destruí-los, graças aos seus guardiões dourados. Em retribuição, quando Manco ordena a construção do Inticancha (templo do sol), pede a seus ourives que confeccionem um grande prato em ouro que significava que “existe um Criador do Céu e da Terra” . Este prato foi colocado em um jardim adjacente ao templo, onde uma árvore tinha suas raízes cobertas por ouro e frutos feitos em ouro adornavam seus galhos.
O ouro, para os Incas, assim como para várias outras civilizações, era um símbolo religioso, um sinal de poder e um emblema de nobreza. O metal, escasso durante a primeira dinastia, só era usado pela família imperial e por distintos membros da sociedade Inca. Estes objetos e ornamentos feitos em ouro como sandálias, chamadas Ilanquis, escudos (chipana) e oparat, espécie de peitoral.
Os sacerdotes Incas rezavam nos templos para que as sementes germinassem na Terra e que o ouro continuasse a aparecer no leito dos rios e em veios subterrâneos, e que os Incas triunfassem sobre todos os inimigos. As vitórias Incas aumentaram o valor mítico do ouro e seu uso ornamental. Os triunfantes Incas exigiam dos vencidos tributos em ouro e outros metais que serviam para enriquecer os palácios de Cuzco e o templo de Coricancha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário