Seguidores

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Varejo do Brasil despenca 1,9% em março, pior resultado em 14 anos

Varejo do Brasil despenca 1,9% em março, pior resultado em 14 anos

quinta-feira, 11 de maio de 2017 11:45 BRT
 


]

Mulheres observam preços em um mercado no Rio de Janeiro.  REUTERS/Pilar Olivares
1 de 1Versão na íntegra
Por Rodrigo Viga Gaier e Thais Freitas RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - O varejo do Brasil registrou em março a maior queda em 14 anos, muito pior que o esperado e pressionado pela perda acentuada nas vendas do setor de supermercados em meio ao cenário de desemprego alto, mais um sinal de que a atividade econômica tem sofrido para mostrar recuperação mais consistente. As vendas no varejo do país recuaram 1,9 por cento em março sobre fevereiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira, pior resultado mensal desde março de 2003 (-2,5 por cento). Na comparação com mesmo período do ano passado, a queda foi de 4,0 por cento, completando dois anos de perdas contínuas nesta comparação. As expectativas em pesquisa da Reuters eram de queda de 0,6 por cento na comparação mensal e de recuo de 1,8 por cento sobre um ano antes. Com isso, o comércio varejista acumulou queda de 3,0 por cento no primeiro trimestre de 2017, quando comparado com o mesmo período de 2016, e de 5,3 por cento nos últimos 12 meses. Quando comparado com o quarto trimestre de 2016, as vendas subiram 3,3 por cento entre janeiro e março, muito por conta da nova base de comparação adotada pelo IBGE e que melhorou os resultados. "A conjuntura econômica justifica esse momento do comércio", resumiu o economista e diretor do IBGE, Roberto Olinto, acrescentando que a alta de 6 por cento verificada em janeiro foi um "suspiro das vendas". O IBGE apontou que o segmento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, que tem peso importante no consumo das famílias, acelerou a queda a 6,2 por cento em março, ante 1,7 por cento em fevereiro. Foi a maior perda para essa atividade na série histórica do IBGE, iniciada em 2000. O varejo ampliado, que inclui veículos e material de construção, recuou 2 por cento, refletindo o comportamento das vendas de Veículos, motos, partes e peças, que apresentou queda de 0,1 por cento no volume de vendas ante fevereiro. Mesmo com a inflação em trajetória de queda e a redução na taxa de juros promovida pelo Banco Central, o consumo ainda vem sofrendo muito com o desemprego alto, com mais de 14 milhões de pessoas sem trabalho no final do primeiro trimestre.[nL1N1I00K3] O mau resultado de março no varejo ajudou o mercado futuro de juros a aumentar as apostas de que o BC vai acelerar o passo e cortar ainda mais a taxa básica de juros agora em maio, já que a atividade fraca ajuda a tirar ainda mais pressão sobre a inflação. O Brasil viveu forte recessão nos últimos dois anos. No mês passado, o IBGE divulgou que atualizou as ponderações dos setores e passou a usar 2014 como base para a pesquisa, contra 2011 anteriormente. Veja as variações mensais dos segmentos no varejo (%): Atividade Fevereiro Março .Comércio Varejista -1,6 -1,9 1.Combustíveis e lubrificantes +0,6 +1,1 2.Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios e bebidas -1,7 -6,2 3.Tecidos, vestuário e calçados +1,4 -1,0 4.Móveis e eletrodomésticos +2,0 +6,1 5.Artigos farmacêuticos e perfumaria +1,1 -0,5 6.Livros, jornais e papelaria +1,4 +5,6 7.Equipamentos, material escritório e comunicação -2,9 -0,5 8.Outros artigos de uso doméstico -1,7 +0,9 .Comércio Varejista Ampliado +0,6 -2,0 9.Veículos, motos, peças e partes -0,7 -0,1 10.Material de construção -1,5 +2,7 (Edição de Patrícia Duarte)

Nenhum comentário:

Postar um comentário