Seguidores

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Meio ambiente: Google lança o Global Forest Watch. Agora, a verdade sobre a verdadeira devastação ambiental da mineração aparece

Meio ambiente: Google lança o Global Forest Watch. Agora, a verdade sobre a verdadeira  devastação ambiental da mineração aparece
Se você acredita que a mineração é a grande vilã, responsável pela devastação ambiental e pelo fim das florestas do planeta é bom rever os seus conceitos. A mineração praticamente não devasta quando comparada com os grandes destruidores das florestas: as fazendas e projetos agropecuários.
Quem diz isso não somos nós: são as excelentes imagens do novo projeto de monitoramento que o  Google e o World Resources Institute lançaram.
É o Global Forest Watch ,  a mais nova ferramenta que permite o monitoramento online, de todas as florestas do mundo. Com essa ferramenta qualquer um poderá ver o que está ocorrendo com as florestas e, também, onde estão sendo feitas os reflorestamentos e os novos plantios.  O Global Forest Watch mostra em vermelho a devastação e em azul as áreas onde as florestas estão sendo recuperadas. A ferramenta permite um GIS com landsat de várias épocas, imagens de satélite e mapas atualizados mostrando onde está a devastação e o novo plantio.
Não dá para mentir ou contar histórias. Agora você pode ver por si mesmo e entender a real situação sobre um determinado lugar.
Só para exemplificar eu peguei a região de Carajás onde estão algumas das maiores minas do Brasil e do mundo.
Talvez você acredite que está havendo uma imensa devastação nessas áreas e que a floresta já deve ter sido toda, irremediavelmente, cortada. O que as imagens do  Global Forest Watch nos mostram, (veja ao lado) é uma situação totalmente diferente do que nós imaginamos. Vemos em verde uma imensa floresta preservada, graças aos esforços e investimentos das mineradoras. Se não fosse pela mineração, que proibiu a entrada dos fazendeiros, essa região teria sido totalmente transformada em pasto. Cercando a zona verde, onde a floresta está mantida, existe um mar vermelho que são as áreas onde os fazendeiros desmataram e plantaram o pasto. Um verdadeiro desastre ecológico que não foi evitado pelas autoridades apesar das leis. Onde estão as áreas de preservação preconizadas pela lei, as reservas legais que deveriam ser de 80% na Amazônia? O que se vê é menos de 5% de área preservada.
No meio da floresta mal conseguimos ver as enormes minas de Carajás (ferro e a Vila com aeroporto), Salobo (cobre e ouro), Sossego (cobre e ouro) Bahia (ouro e cobre) e Azul (manganês).
Mais ao sul é possível ver uma das maiores jazidas de minério de ferro do mundo a Serra Sul, que ainda não está em operação.
Só para efeito de comparação essas jazidas produzem dezenas de bilhões de dólares por ano e produzirão mais de 1 trilhão de dólares em produtos até o final das suas vidas úteis. No final as áreas serão reabilitadas e a floresta voltará a imperar.
Se compararmos a área ocupada pelas imensas e ricas minas com as áreas em vermelho ocupadas pelas fazendas veremos que a mineração produz milhares de vezes mais do que estas por hectare utilizado e, naturalmente, devasta muitíssimo menos.
Graças ao projeto Global Forest Watch fica resgatada a imagem da mineração que, como se vê não é esse bicho papão que muitos andam propagando mundo afora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário