Seguidores

sexta-feira, 28 de junho de 2013

OPALA

OPALA

A imagem central mostra uma opala em estado bruto;. As imagens das extremidades mostram a opala-cristal; ambas as fotos são do sítio Companhia das Gemas.
Abaixo (lado esquerdo da tela), opala-cristal e, do lado direito, opala-nobre; ambas as fotos são do sítio Companhia das Gemas.
Opala-nobre, foto do sítio Companhia das Gemas.
O primeiro nome veio do sânscrito “UPALA”, que significa “pedra valiosa”. É uma pedra composta de aproximadamente 30% de água, por isso se você quiser vê-la sempre bonita, mantenha imersa na água.
Seu nome tem batizado o fenômeno da opalescência, que consiste em um fenômeno de reflexão da luz, fazendo com que suas cores sejam variadas dependendo do ponto de observação.
  • Na Idade Média, dizia-se que a opala curava doenças dos olhos e o poder mágico da pedra poderia supostamente tornar seu usuário invisível. Por causa desse atributo era chamada de protetora dos ladrões.
  • Dizia-se também que moças louras valorizavam acima de tudo colares de opala, pois quando usavam esses ornamentos seus cabelos guardavam sua linda cor.
  • Em algumas religiões da América do Sul, ainda hoje se evita pronunciar o nome “opala”, utiliza-se sinônimos como a “pedra da morte”.
Localidades: É encontrada apenas em dois lugares do mundo, em Pedro II, no norte do Estado do Piauí, Brasil, e em algum lugar da Austrália...
Nota: Opalas Pedro II
Analogias: Energia: receptiva, projetiva. Planeta: todos. Elemento: todos. Chakras de acordo com a cor. Tarô: O Mundo. Signo: Libra.
Auxilia no crescimento das crianças e promove sentimentos de benevolência e amizade. É a gema de Deus, do amor, fé e criatividade. Contém água, fogo e éter.
Deve ser usada num cordão ou anel de ouro. Também é usada para relembrar vidas passadas. Ajuda a desenvolver os poderes psíquicos, traz para fora a beleza interior.
Centraliza e ajuda a purificação espiritual, abre um canal para ensinar a verdade, tem habilidade de ampliar os traços pessoais e deve ser usado apenas por aqueles que estão bem centrados e maduros. Ajuda problemas visuais.
Objetivo: projeção astral, psiquismo, poder, sorte, beleza.

QUARTZO-AMARELO ou CITRINO

QUARTZO-AMARELO ou CITRINO

Do lado esquerdo, citrinos. Do lado direito, citrino lapidado em foto da Joalheria H. Stern.
O citrino é um tipo de quartzo e sua substância corante é o ferro. Na verdade o conhecido citrino é o quartzo-amarelo. Tem propriedades físicas como as da ametista.
Reunindo ampla variedade de cores, do amarelo ao mel, o citrino tem o Brasil como principal produtor!
Atenção: Os quartzos-amarelos que se encontram no comércio são, geralmente, ametistas queimadas... Esta gema é utilizada (enganosamente) pelo mercado através dos nomes: topázio-da-espanha, topázio-madeira, topázio-citrino ou citrino-topázio, quartzo-topázio, topázio-bahia, topázio-rio-grande, topázio-ouro, topázio-de-palmeira...
Localidades: Uma das mais importantes fontes brasileiras dessa gema preciosa e acessível é a Mina da Serra, localizada no Rio Grande do Sul, que hoje produz cerca de trezentos quilos de citrino por mês. Outros estados produtores são: Goiás, Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo. Também é extraído na República de Madagáscar e na Espanha.
Analogias: Energia projetiva. Planeta Sol. Elemento fogo. Chakra: Plexo solar ou estômago (3º); Coronário (7º). Signo: Leão, Libra.
O citrino é recomendado para situações em que é preciso sentir-se confiante e seguro. Diz-se que ajuda a identificar os poderes pessoais e a controlá-los para alcançar objetivos.
Indicado para realizar bons negócios, estudo e educação. Sua energia assemelha-se a do sol, aquece e dá vida. Ligado ao poder físico e material, pode atrair a riqueza.
Útil para problemas com má digestão, infecções renais e de bexiga, prisão de ventre e outros de tipo estomacal. É a pedra mais indicada quando se trata de assuntos mundanos: negócios, relacionamentos interpessoais ou questões familiares.
Boa para desintoxicar o intestino. Amplia o pensamento, pode ser usado na meditação para rejuvenescer o físico e eliminar formas tóxicas de pensamentos. Tendências autodestrutivas como o suicídio, são substituídas por autoconfiança. Aumenta o contato com o seu Eu superior e o alinhamento entre todos os corpos energéticos.
Objetivo: cura, comunicação, consciência psíquica.

GRANADA

GRANADA

Acima, a foto mostra uma Granada. Abaixo (do lado esquerdo e centro da tela), Almandina. Do lado direito, Grossulária. Veja o bloco brasileiro que apresenta a granada lapidada em joia, também em estado bruto com seus tipos de lapidação e sua gama de cores!
As granadas, assim como as turmalinas, são um grupo de gemas que compreende várias espécies, e não uma única espécie com diversas variedades, como é o caso do quartzo. Indica um grupo de minerais silicatos, de propriedades semelhantes, mas de composição química diferentes.
Quando se fala de granada, em Gemologia, não se está designando uma espécie mineral, mas sim um grupo de minerais que possuem várias características semelhantes...
Usualmente, associa-se as granadas à cor vermelha, mas elas podem ter várias outras cores, incluindo o incolor, exceto na cor azul. Não apresentam clivagem o que, aliado ao fato de serem do sistema cúbico, facilita bastante sua lapidação, pois não há necessidade de se orientar o cristal para lapidá-lo.
Esses minerais são silicatos que cristalizam no sistema cúbico, exibindo muito frequentemente cristais granulares (daí seu nome), bem formados, com todas as faces (cristais euédricos). Podem ser, por exemplo, dodecaedros, que têm doze faces. Eles não costumam ser grandes, mas achou-se na Noruega um cristal de granada de 2,30 m de diâmetro e 37,5 t, o maior de que se tem notícia.
As granadas são transparentes a semitransparentes ou opacas, de brilho vítreo e resinoso, graxo ou adamantino. A dureza varia de 6,5 a 7,5 e a densidade, de 3,50 a 4,20. Traço branco, fratura concóide, quebradiça, irregular. A granada pode ocorrer também em massas granulares compactas.
As espécies mais comuns são almandina (a mais usada como gema), grossulária, spessartita, andradita, piropo e uvarovita. Elas possuem diversas variedades, como rodolita, hessonita, tsavorita e topazolita, por exemplo.
As três fotos abaixo são do Portal das Joias e mostram a Spessartita.
Comercialmente, o nome rodolita é utilizado para granadas roxas ou roxeadas em geral, muitas vezes sem importar suas propriedades. É abundante na natureza e seu preço, acessível. A gema também costuma ser chamada de rosa-inca. Na verdade, ela é uma variedade da granada (a mais comum).
Joia com rodolita; foto World Gems.
Quimicamente a rodolita é intermediária entre a almandina e o piropo, sendo mais clara e mais transparente que esses. Os piropos maiores têm até dois quilates, podendo ter um vermelho bonito. As almandinas vão do laranja-averrnelhado ao vermelho. Já a rodolita tem cor vermelho-arroxeada ou roxo-averrnelhada, algumas vezes rosa ou vermelho-púrpura. Raramente tem mais de cinco quilates. Muitas gemas, vendidas como rodolita são, na verdade almandina ou piropo. Outras granadas são as andraditas, que podem ser verdes, amarelas, marrons ou pretas. A granada mais valiosa é a tsavorita, que possui um verde esmeralda profundo. Existem ainda outras granadas, que têm cores que vão do amarelo ao rosa.
A mais valiosa dessas espécies é, para alguns, o piropo, de cor vermelha bem viva. Walter Schumann, porém, considera o demantóide, uma variedade de andradita, a granada de maior valor. A propósito, é bom lembrar que a andradita tem esse nome em homenagem a um brasileiro, José Bonifácio de Andrade e Silva – o Patriarca da Independência (que além de político, foi um grande mineralogista e descobridor de vários minerais).
Melanita (variedade de andradita); foto Portal das Joias.
volta ao topo

Observação: A uvarovita que por ser, geralmente, pequena e com impurezas, não se usa como gema. Cristais que não se prestam para uso em joias são usados na produção de abrasivos e em relógios.
  • No Sri Lanka diz-se que as granadas protegem quem as leva de serem apunhaladas ou de sofrer um acidente em que haja derramamento de sangue.
  • Acreditava-se que as granadas não podiam ser roubadas, porque trariam ao ladrão uma catastrófica má sorte até serem devolvidas ao seu legítimo dono.
  • Dizia-se que seu portador teria melhorada a circulação do sangue e o coração.
  • Balas de granada foram utilizadas pelos soldados indianos, quando combatiam os britânicos em Cachemira, com a intenção de causar ferimentos que não curassem.
Localidades: Brasil, Alemanha, Boêmia (Tchecoslováquia), Alpes, Inglaterra, Sri Lanka, Tanzânia, Zimbábue, Madagascar e EUA.
Analogias: Energia: Projetiva. Planeta: Marte. Elemento: fogo. Chakra: Básico (1º); cardíaco (4º). Signo: Áries.
O nome veio da palavra latina “granatum” que significa romã, pois essa fruta representava o ventre materno. Pensava-se que as granadas só deviam ser usadas por mulheres devido à sua ligação com a força vital feminina...
Confere poder, energia e coragem. Dá afeição ao trabalho e perseverança. Ligada ao coração e sexualidade; revigora o espírito, comunica beleza e alegria à personalidade (portanto convém levá-la junto ao corpo). Útil no tratamento de diversos distúrbios hormonais ou infecções, especialmente dos órgãos sexuais (doenças venéreas). Revigora o sistema sanguíneo e coração. Estimula a imaginação. Alinha os corpos espiritual e emocional, provoca elevação de emoções.
Objetivo: cura, proteção, força.

DIAMANTE

DIAMANTE

Você sabe qual é a diferença entre diamante e brilhante?
Do lado esquerdo da tela, diamante. No centro, selo emitido pela Alemanha Ocidental em 1997 (Yvert: 1743). Do lado direito, brilhante em foto da Joalheria H. Stern.
Diamante é o nome da pedra preciosa em estado bruto ou já lapidada. O brilhante, por sua vez, é um dos muitos tipos de lapidação que existem para o diamante.
A lapidação do tipo brilhante foi criada em 1919, por Marcel Tolkowsky, e possui forma redonda, com 57 ou 58 facetas. É uma das lapidações que conferem mais brilho e beleza ao diamante. É tão conhecida que seu nome acabou se tornando um sinônimo popular de diamante.
O diamante é composto apenas de carbono puro cristalizado. D: 10. DR.: 3,5.
Tem brilho adamantino, transparente a opaco, incolor, podem ser brancos, azulados ou até cor de chocolate, com diferentes tamanhos, formatos e técnicas de lapidação. Às vezes, amarelado, raramente verde, azul, vermelho e negro. Não é riscável por outras gemas, fratura concóide, clivagem perfeita.
Encontra-se em antigas rochas vulcânicas e em placers. Utiliza-se lapidado no talhe brilhante – que é o símbolo do amor eterno... representa luxo, brilho e resistência.
A primeira mulher da história a receber, como presente de noivado, um anel de diamantes foi Mary de Burgundye, em 1477. Conta a história que o Arqueduque Maximiliano, da Áustria, consultou um dos seus assessores quando se preparava para pedir a mão de Mary em casamento.
O assessor sugeriu que o noivo oferecesse um anel de diamante e uma aliança de ouro. O Arqueduque seguiu o conselho e, ao fazer o pedido, colocou o anel com diamante no terceiro dedo da mão esquerda de Maria...
Foto da Joalheria H. Stern.
A história dos diamantes, porém, é bem mais antiga. Nos últimos 2.500 anos eles vêm sendo utilizados em joias e adereços. O termo “diamante” é derivado da palavra grega “Adamas” (o inconquistável), prova suficiente de que, já na Antiguidade, era conhecida e apreciada por sua indestrutível beleza.
Os gregos se referiam aos diamantes como faíscas das estrelas que caíam sobre a Terra. Sobre eles, dizia-se também que o fogo refletido era a constante chama do amor. E mais: eles seriam lágrimas dos deuses.
A natureza comprova o quanto essas gemas são especiais... O diamante é a única pedra preciosa composta apenas de um elemento, o carbono. É exatamente a mesma composição do grafite, que parece seu antônimo: sem brilho, cinzento, quebradiço.
Quem pensaria em colocar uma pedra de grafite em um anel de noivado?
A explicação, mais uma vez, vem da natureza. Embora diamante e grafite sejam compostos do mesmo elemento, a forma como os átomos de carbono se unem uns aos outros é completamente diferente.
A isso chamamos de alotropia, do grego allos (outro) e tropos (maneira), é o fenômeno que consiste em um elemento químico poder existir estavelmente sob formas diferentes, com diferentes propriedades físicas e químicas. Exemplo: grafita (grafite) e diamante.
Até o século XVII, quase todos os diamantes comercializados no mundo tinham como origem a mina de Golconda, na Índia. Daquele local foram extraídos alguns dos mais famosos diamantes do mundo, como o Koh-i-Noor, que faz parte das joias da coroa da Inglaterra, e Orloff, patrimônio das joias da coroa da Rússia.
Mas, em 1725, o Brasil quebrou esta tradição, após a descoberta de diamantes na cidade de Diamantina, em Minas Gerais. Durante os 150 anos seguintes, o estado seria alçado à posição de maior produtor mundial de diamantes, perdendo esta posição, mais tarde, para a África do Sul.
Apenas 20% dos diamantes são utilizados para joalheria. O restante é aproveitado na área industrial. O diamante é muito resistente e utilizado, por exemplo, nos equipamentos de perfuração de petróleo e para o corte de vidro. O diamante é tão resistente que somente um diamante corta outro diamante.
O maior diamante foi encontrado na África do Sul, em 1905, e tinha 3106 quilates, que deu origem a 105 pedras de menor tamanho. Dentre elas está o diamante Cullinan I (também chamado de “Estrela da África”), com 530,20 quilates que adorna o cetro do Rei Eduardo VII; hoje localizado na Torre de Londres.
Localidades: Brasil, África do Sul, Congo, Angola, Tanzânia, Austrália, Federação Russa. Atualmente existem minas de diamantes nos estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará, Paraná e Roraima.
Analogias: Energia: projetiva. Planeta: Sol. Elemento: fogo. Signo: Áries, Leão. Chakra: todos. Tarô: A Justiça.
Fortalece funções cerebrais, ajuda o alinhamento dos ossos do crânio. Quebra bloqueios no chakra coronário e na personalidade, é um grande curador.
Afasta a negatividade, purifica o corpo físico e etéreo. Reflete os aspectos divinos de vontade e poder. Purifica e limpa sexualmente. Aumenta a força física e dá coragem.
É a mais neutra de todas as gemas e é extremamente poderosa para remover bloqueios, negatividade e disfunções sexuais. O Diamante intensifica a energia de outras pedras, promove a clareza do pensamento, amplia o pensamento, nos aproxima do Eu superior.
Em essência, é para trabalhar as partes espirituais mais elevadas do ser dentro do corpo físico.
Objetivos: espiritualidade, grande curador, paz, coragem, vigor. Protege contra os inimigos.
Diamante é uma pedra incolor, considerada a mais resistente que existe. Por isso atribui-se a ela o significado de solidez, durabilidade e pureza.
Diamante vermelho é a pedra das grandes paixões...

Curiosidades
Filatélica:
Na internet é possível ver parte de uma coleção de Selos Postais sobre Diamantes, Diamonds on Postage Stamps (www.diamondstamps.eu). Parece que o colecionador é um italiano que vive na Croácia...
Museológicas:
– Museu do Diamante (Iphan). O Museu do Diamante está localizado no centro da cidade de Diamantina (www.diamantina.mg.gov.br), no Estado de Minas Gerais (MG), possui objetos da época colonial, como móveis, utensílios, instrumentos utilizados para prender e castigar os escravos e para extrair ouro e diamante. O Museu do Diamante foi criado em 12/04/1954 e está abrigado em um dos prédios de maior significado histórico de Diamantina, construído no século XVIII. Além de ocupar casa de grande importância histórica e arquitetônica, o Museu do Diamante detém acervo que constitui um significativo centro de memória da região de Diamantina. Este acervo representa objetos relativos à extração diamantífera e o contexto social da região mineradora dos séculos XVIII e XIX, reunindo ainda arte sacra, mobiliário, armaria, transporte, indumentária e outros objetos. Destacam-se, neste acervo, as pedras preciosas e semipreciosas, as balanças de pesagem de ouro e diamante, os oratórios característicos da região. Todo este acervo propicia uma visão abrangente da histórica região Diamantina.
– O Museu do Diamante de Amsterdã, Diamond Museum Amsterdam (www.diamantmuseumamsterdam.nl), está localizado na capital da Holanda. O sítio oferece um Virtual Tour que vale a pena conferir!

HISTÓRIA DO DIAMANTE HOPE
De todos os diamantes conhecidos, a pior fama é do Hope, o Diamante Azul, que a lenda o rebatizou como “A pedra que mata”. Segundo a lenda, ele se encontrava na frente de uma importante estátua de Budha quando foi roubado por um guerreiro, que pouco depois foi assassinado.
Depois disso um comerciante vendeu a pedra para o Rei Luis XIV. Pouco depois o comerciante empobreceu, contraiu uma doença e morreu em meio a terríveis convulsões.
Quando a Madame de Monespan, obteve a honra de provar o diamante, foi abandonada e morreu sozinha na pobreza...
Depois da Revolução Francesa, o diamante foi escondido em edifício Guarda-Móveis Nacional, de onde foi roubado em 1791. Seis anos depois, os ladrões foram condenados à pena de morte.
Em 1830 o Hope foi comprado em um leilão por 90.000 libras esterlinas, por Francis Hope, membro do parlamento, que morreu logo depois, de mal súbito. Posteriormente, sua viúva morreu queimada na mansão.
Seu herdeiro e sobrinho Thomas, pouco tempo depois de receber a pedra, foi a falência nos negócios e abandonado pela esposa. Thomas se desfez do diamante, que foi comprado pelo príncipe russo Iva Kitanovski, para presenteá-lo a uma bailarina que, na noite que o usou pela primeira vez, foi assassinada com um tiro.
Após uma série de tragédias, a pedra ficou com o sultão Abdul Mamid II, ao se ver forçado a abdicar a favor de seu irmão, levando o Hope entre seus pertences para o exílio.
No início do século adquiriu-o a família Mac Lean, pouco depois, um de seus filhos se suicidou e outro morreu em acidente de automóvel. Mac Lean caiu em depressão, e morreu meses depois em uma clínica para doentes mentais.
O diamante Hope se encontra atualmente no Smithsonian Institute de Washington, onde seu fluxo magnético não transpassa o grosso cristal da vitrine onde é exposto aos turistas...

ÁGATA

ÁGATA

Gema citada na Bíblia (Exodus 28:19).

Agregado de quartzo finamente fibroso, do grupo da Calcedônia, com estrutura variada e camadas concêntricas. Encontradas em várias cores, mas as cores naturais são geralmente pálidas e cinzentas. Por meios artificiais adquirem colorações com tonalidades brilhantes.
A ágata é uma variedade translúcida da Calcedônia, pertencente ao grupo dos quartzos criptocristalinos. Apresenta bandas curvas ou irregulares de diferentes cores, tons ou transparências da mesma cor, tais como marrom, vermelho, branco, cinza e azul acizentado. As cores muito vivas são quase sempre resultado do tratamento para realçar a cor natural.
As cores e formas são tão variadas que uma coleção de pedras de ágata, pareceria uma coleção de muitas pedras diferentes. Mas, atenção: quase a maioria das ágatas coloridas que vemos hoje, são tingidas artificialmente...
São encontradas como nódulos em rochas efusivas antigas, pobres em ácido cilício e secundariamente, em argilas e cascalhos. Formam-se da cristalização da sílica nas paredes posteriores de cavidades obstruídas das rochas. Devido a diferente coloração, filiosidade e porosidade formam-se diversas camadas de cor sobrepostas.
A parte interior das drusas de ágata está frequentemente recoberta de cristal de rocha, ametista ou quartzo enfumaçado. Conforme o desenho das camadas, recebe diversos nomes, ágata listrada ou em camadas, estrelada, amuralhada, paisagem, musgosa etc.
O nome ágata provém do antigo rio Achates, hoje, conhecido como Dirillo, cuja nascente fica próxima ao Monte Lauro, na Sicília (Itália).
Há 3.000 anos a ágata já era trabalhada no Egito sob a forma de selos, pedras para anéis, gemas e vasilhas. Foi utilizada também como amuleto, para proteger do raio e da tempestade.
Localidades: O Brasil é o primeiro produtor mundial de ágata e suas jazidas, as mais importantes da Terra, encontram-se principalmente no Rio Grande do Sul. As primeiras jazidas brasileiras foram descobertas em 1827, por imigrantes oriundos de Idar-Oberstein, na Alemanha, para o sul do Brasil, uma vez que as jazidas do seu país de origem esgotaram-se desde o princípio do século XIX. Também é encontrada no Uruguai.
Analogias: Energia: várias. Planeta: Terra e Mercúrio. Elemento: vários. Chakra: Umbilical (2º) e outros. Tarô: O Louco. Previne contra acidentes e mal olhado. Signo: Virgem e Gêmeos.
Tem grande poder de cura, trabalha com os chakras e age conforme a cor de cada tipo. No sentido geral, em crianças é usada como proteção. Tonifica e revigora o corpo. Ajuda a despertar e abrir o seu interior.
Os terapeutas de cristais dizem que a ágata serve como energizador e purificador do sangue e ajuda as pessoas distraídas e fora de centro. Acredita-se que a ágata posta sobre o chakra do baço, estimula a expressão criadora.
Está ligada a Terra, ajuda no equilíbrio físico e mental, melhorando a autoconfiança e aperfeiçoando a autoestima. Atrai heranças, protege contra roubos, ajuda nos partos, atrai o sexo oposto, protege contra energias negativas, atrai dinheiro, bons empregos, fortalece o coração, dá coragem, é um antídoto contra venenos.
Diz-se que a ágata abaixa as febres e tem até mesmo as propriedades das águas refrescantes. Aguça a visão, ilumina a mente, concede eloquência, auxilia na descoberta de tesouros, aumenta a vitalidade, vigor, coragem, longevidade, cura e proteção.
volta ao topo

Existem muitas variedades desta pedra, sendo que algumas têm significado apenas local; ágata musgo, ágata iridescente etc.
ÁGATA AZUL (BLUE AGATE)
Paz e felicidade, alivia stress e brigas de família. Energia: receptiva. Elemento: água. Chakra: laríngeo.
ÁGATA BRANCA E PRETA
Proteção contra perigos físicos. Energia: receptiva. Elemento: terra. Chakra: Básico (1º).
ÁGATA DE BOTSUANA (EYE AGATE ou BOTSWANA AGATE)
Recomendada para bombeiros e pessoas fumantes, boa para o sistema circulatório, pele, pulmões e cérebro. Equilibra o corpo emocional.
ÁGATA DE FOGO
Tem as mesmas propriedades de águas medicinais. Cura principal: influência todo sistema endócrino. Estimula as células da memória. Racionaliza, equilibra e conduz a harmonia. Fortalece o coração, dá coragem, aguça a visão, ilumina a mente, auxilia nos negócios em geral. Energia: projetiva. Elemento: fogo. Corresponde ao chakra da sexualidade. Chakra: Básico (1º).
ÁGATA MUSGO (MOSS AGATE)
A Ágata musgosa, uma variedade que tem em sua estrutura, filamentos de musgo, era levada pelos agricultores penduradas em seu corpo ou amarradas no chifre do boi do arado, para garantir colheitas abundantes. Tem uma forte afinidade com o signo de gêmeos. Equilibra conflitos entre os lados esquerdo e direito do cérebro. Alivia de pressão. Ajuda a harmonizar com a natureza. Tem um forte impacto com a sinusite. Energia: receptiva. Elemento: terra. Signo: Gêmeos.
ÁGATA NEGRA
Proteção. Usada para encorajar e ter sucesso em competições. Energia: projetiva. Elemento: fogo. Chakra: Básico (1º).

RODOCROSITA e RODONITA

RODOCROSITA e RODONITA

Rodocrosita (Rhodocrosite – Inca rose) e Rodonita (Rhodonite)
Rodonita e rodocrosita são duas gemas que se assemelham em diversos aspectos, não apenas no nome.
Em grego, rhodon significa rosa, daí o nome da rodonita, que tem uma cor rosa-avermelhada, semelhante à da carne vermelha. Rodocrosita é um nome formado pelo mesmo prefixo grego, mais o sufixo khrosis, também grego, que significa colorido. Sua cor geralmente é um rosa mais claro que o da rodonita.
Esse mesmo prefixo aparece ainda nos nomes de outras gemas, como a rodizita (também chamada de rodozita) e a rodolita (uma variedade da granada). Na rodizita, porém, a cor rosa não aparece no mineral e sim na chama do maçarico quando sobre ele incide.
Rodocrositas
A rodonita frequentemente mostra manchas ou veios pretos de óxido de manganês, ausentes na rodocrosita.
Tanto uma quanto outra devem sua cor à presença do manganês. Mas, aí já surge uma diferença: a rodocrosita é um carbonato de manganês (MnCO3), enquanto a rodonita é um silicato de manganês e outros metais, com fórmula química (Mn, Fe, Mg, Ca) SiO3. O teor desse metal é semelhante: 47,6% na rodocrosita e 39 % a 42% na rodonita.
Outra semelhança é o hábito (aparência externa), pois ambas são encontradas geralmente com aspecto maciço, sendo raros os cristais bem desenvolvidos. Tanto uma como outra são geralmente translúcidas e ambas podem ser usadas como fonte de manganês, embora outros minerais sejam mais importantes que elas nesse aspecto.
Rodonitas em fotos Portal das Joias.
As durezas são muito semelhantes (entre 3,4 e 3,7) e nenhuma delas mostra pleocroísmo. Já a fluorescência, ausente na rodonita, pode aparecer, embora fraca, na rodocrosita, em cor vermelha.
O índice de refração varia menos na rodonita (1,660 a 1,740) do que na rodocrosita (1,600 a 1,820).
Localidades: As duas gemas são encontradas no Brasil, principalmente em Minas Gerais. A rodonita ocorre também na Bahia em Urandi. O principal produtor mundial de rodocrosita é a Argentina, aliás, é a pedra nacional daquele país, também chamada de “piedra del inca”. A rodonita é abundante nos EUA e na Federação Russa.
Analogias: Alivia e acalma o coração. Tem forte influência no processo criativo e da mente intuitiva. Ajuda na depressão, cria sentimentos de paz e calor humano. Favorece o amor.

PEDRA-SABÃO

PEDRA-SABÃO

A pedra-sabão, também conhecida como esteatito, é uma variedade de esteatita, muito usada em Minas Gerais para esculturas e ornatos arquitetônicos.
As pedras-sabão ou pedras-sabões são resistentes, de grande plasticidade, beleza e têm multiplicidade de usos. Sua resistência e sua dureza podem ser comparadas às do mármore, com a vantagem de ser também refratária, suportando temperaturas elevadas.
Tais características fazem dela o material perfeito para uso tanto em áreas externas como em ambientes internos. Não deve, entretanto, ser confundida com a pedra-talco, um material com menor dureza e bastante frágil, utilizada em peças de adorno.
Os primeiros registro da utilização da pedra-sabão na Europa datam do início do século XV. Já naquela época, por sua nobreza e versatilidade, era utilizada para embelezar e decorar palácios, bem como para cozinhar e conservar alimentos.
Nos últimos 20 anos, sua utilização tem crescido nos países frios, na fabricação de fornos domésticos de aquecimento.
No Brasil, imediatamente associamos a pedra-sabão ao Barroco mineiro. Nas mãos de gênios como o mestre maior da pedra-sabão, Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, ela foi eternizada na forma de objetos ornamentais de igrejas e esculturas únicas!
Estátua em pedra-sabão do Profeta Daniel com um leão, by Aleijadinho.
Congonhas do Campo – Minas Gerais (MG), foto Sérgio Sakall (12/2003).
Nas portadas de igrejas, nos altares, nas fontes, nas imagens, nos brasões, em quase todas as formas de ornamentação do período colonial ela esteve presente. Com tonalidades variando de verde-escuro a nuances mais claros a pedra-sabão é ainda o material preferido pelos artesãos e escultores da região dos Inconfidentes.
Pedra consideravelmente “mole” (o que deu origem ao seu nome) é ideal para escultura e para a liberdade criativa.
A obra mais antiga em pedra-sabão conservada em Cachoeira do Campo parece ser o medalhão que encima a portada principal do Colégio Dom Bosco, antigo Quartel da Cavalaria das Minas. À época da inauguração desse prédio, D. Antônio de Noronha mandou confeccionar o grande medalhão com as armas e a coroa de Portugal. Diz-se que esta também é uma obra de Aleijadinho...
Hoje, a pedra-sabão é explorada em quantidade considerável na região de Santa Rita de Ouro Preto, lugar onde se concentra grande número de artesãos. De lá, ela é exportada para vários lugares, inclusive à Cachoeira do Campo, onde numerosos artesãos dão vida à pedra bruta.
Estes, são tidos entre os mais criativos do gênero! Suas obras já foram apreciadas em vários lugares do mundo. O mesmo mundo que já vem admirando nossas riquezas artesanais, imortalizadas nesta pedra, desde o século XVIII.
Curiosidade: O Cristo Redentor, talvez um dos mais belos cartões-postais do Brasil, também é todo revestido com pastilhas de pedra-sabão! A OPPS – Ouro Preto Pedra Sabão (www.opps.com.br) participou de sua restauração em 1990, fornecendo a pedra e a mão-de-obra.
Localidades: Brasil...

SAFIRA

SAFIRA

Na Grécia era conhecida como SHAPPHIROS, que significa “Amado de Saturno”. Sua cor varia do azul-celeste ao azul-escuro. Grupo do coríndon. Cores: azul, verde, amarela, violeta, incolor. Substâncias corantes: ferro e o titânio. Encontra-se em placers. Utiliza-se lapidada no talhe brilhante.
  • Em 1966, foi encontrada a maior safira, um cristal com 63.000 quilates (=12,6 kg).
  • A maior Safira lapidada está atualmente no American Museum of Natural History de Nova York, conhecida como a “Estrela da Índia”, com 536 quilates.
  • A Safira é uma pedra digna de reis e confirma que os monarcas a usavam ao redor do pescoço como uma defesa poderosa contra quaisquer males. Dizia-se que ela preservava seu usuário da inveja e também atraía a presença divina.
  • O Bispo de Rennes, no século XII, devotou orações a Safira e recomendou o seu uso em anéis (naquela época a pedra era a preferida em anéis eclesiásticos, devido à sua afinidade com o céu).
  • Como a Esmeralda, era considerada um antídoto contra veneno.
Localidades: Tailândia, Sri Lanka, Cachemir (Índia), Austrália,Brasil.
Analogias: Energia: receptiva. Planeta: Lua. Elemento: água. Signo: Câncer. Chakra: laringe, terceiro olho. Tarô: O Eremita.
Contra as influências negativas, alivia contra reumatismo, ciática, dores nevrálgicas, epilepsia, histeria. Estimula a oração e a meditação profunda, de acordo com a tradição budista, estimula o desejo da prece e devoção, iluminação espiritual e paz interior. Traz clareza, inspiração e une corpo, mente e espírito. Estimula habilidade psíquica, expande a consciência cósmica.
Objetivo: espiritualidade, meditação, paz, cura.

ESMERALDA

ESMERALDA

As três fotografias abaixo mostram esmeraldas em diferentes formas: várias do Joias Br., pedra bruta do Portal das Joias e lapidada em anel da Joalheria H. Stern.
Assim como a água-marinha, a esmeralda é do grupo ou da família do berilo. Cor verde-escuro ou verde-erva, ou verde claro a muito escuro ao verde azulado muito forte. Sua substância corante é o cromo e/ou vanádio. Encontra-se em xistos pegmatitos. São cristais pequenos, forma inclusões. Existe a variedade: esmeralda trapiche.
Seu nome deriva do grego “smaragdos”, que significa pedra verde, mas provavelmente a origem do nome seja persa ou hindu.
Com todas as nuances da folhagem tropical brasileira, as esmeraldas fascinavam antigos aventureiros caçadores de tesouro...
Acreditava-se que as esmeraldas serviam para adivinhar eventos futuros, mas não sabemos se as visões eram realmente observadas na pedra, como são em esferas de cristal ou berilo, ou se uma esmeralda dotava o usuário de conhecimentos sobre o futuro.
Como uma inimiga, de todos os encantamentos e conjurações, as esmeraldas eram temidas pelos mágicos, que não se consideravam aptos a atuar se uma pedra estivesse nas proximidades.
As esmeraldas eram empregadas como antídoto para venenos e feridas, assim como contra possessões demoníacas. Usadas ao redor do pescoço eram vistas como um fator de cura para a epilepsia.
No século III, a pedra preciosa era sugerida para a vista cansada. Esta teoria era tão prevalecente naquele tempo, que os gravadores de pedra conservavam esmeraldas em suas mesas de trabalho de modo a poder, de tempos em tempos, olhar para elas para aliviar a fadiga dos olhos.
A tradição medieval dizia que o Santo Graal fora esculpido a partir de uma única esmeralda grande, que caíra da coroa de Satanás durante a sua descida do céu para o mundo inferior...
Dizia-se que a esmeralda fazia mal aos olhos das cobras, chegando até a cegá-las.
Uma das peça mais fabulosas de esmeralda é um pequeno frasco de unção, de 12 cm de altura e 2.205 quilates, talhado de um único cristal de esmeralda, pertencente às joias da Câmara do Tesouro de Viena.
A esmeralda era usada na Grécia antiga para revelar a fidelidade do(a) amado(a) e foi dedicada à deusa Afrodite. Também foi utilizada para facilitar o trabalho de parto das mulheres. Era a pedra favorita de Cleópatra, que a usava como enfeite, amuleto e antídoto em todas as suas conquistas, amorosas e políticas...
O imperador romano Nero, assistia às lutas dos gladiadores através de uma esmeralda lisa e plana...
Esmeralda em rocha matriz, foto da Companhia das Gemas.
volta ao topo

Abaixo, série “Pedras Brasileiras – Portucale77” emitida em 19/11/1977 para comemorar a exposição filatélica ocorrida na cidade do Porto – Portugal... Os 3 selos com valor facial de R$ 1,30 cada, mostram: Topázio, Esmeralda e Água-marinha. RHM: C-1016/C-1018.
volta ao topo

Nomes utilizados pelo mercado:
  • esmeralda colombiana – denominação do mercado para esmeraldas de alta qualidade
  • esmeralda russa ou siberiana – denominação da menos azulada, com mais inclusões e cor mais clara que as gemas colombianas
  • esmeralda brasileira – termo usado algumas vezes para as gemas verde claro
  • esmeralda sandawana – termo usado para gemas de verde profundo, normalmente de tamanho pequeno e com muitas inclusões
  • esmeralda da Zâmbia – termo usado para as gemas ligeiramente acinzentadas
Localidades: Brasil, Colômbia, Urais, África do Sul. Os maiores produtores de esmeralda do mundo são Brasil, Colômbia e África do Sul. No Brasil, são os estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás os maiores produtores.
Nota: Em 1681 morre o bandeirante Fernão Dias Pais Leme (1608-1681), o Caçador de Esmeraldas, logo depois de descobrir as primeiras pedras verdes, que identifica como esmeraldas...
Analogias: Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Signo: Câncer, Touro. Elemento: terra. Chakra: cardíaco. Tarô: A Sacerdotisa.
A pedra era considerada uma inimiga de todos os encantamentos e feitiços. Na Idade Média foi utilizada como antídoto para venenos e feridas. Significa coragem e vitória. Para os espiritualistas, simboliza fé e esperança.
No norte da África e na América do Sul, a esmeralda é considerada uma aliada contra doenças.
Rejuvenesce, ajuda a desenvolver um belo corpo e a revitalizar o físico após doenças graves ou longos períodos de falta de exercício. Equilibra a cura. Normaliza a pressão arterial.
Boa para infecções oculares, pois possui um efeito calmante sobre os olhos. Seu uso constante favorece a aquisição de abundância e riqueza. Alinha o corpo entérico, astral e emocional. Estabiliza a personalidade, aumenta o psiquismo e a faculdade de clarividência.
Equilibra o coração, especialmente na relação com o pai. Melhora a meditação e suaviza temores escondidos dentro de nós. Objetivo: amor, espiritual, cura, proteção.